CIRÚRGICA

Cleyton Albuquerque
Flashcards by , created over 1 year ago

ENFERMAGEM

25
1
0
Tags No tags specified
Cleyton Albuquerque
Created by Cleyton Albuquerque over 1 year ago
AQA Human Geography
georgie.proctor
Metal Oxides, Metal Hydroxides & Ammonia
Tom Johnson
Biology B3
James Burns
C1 Metals and their uses
mouldybiscuit
CMS Interpretive Guidelines for Complaint/Grievances
Lydia Elliott, Ed.D
AVALIAÇÃO CLÍNICA DO TRAUMATISMO DA FACE
silvasilda
TRAUMATISMO ALVEOLO DENTÁRIO
silvasilda
Classificação de Rezende - Megaesôfago
Daniel Quiroga
Girls' and Boys' Education - A Mind Map
MeganRoseAlvarado
Psychology | Unit 4 | Addiction - Explanations
showmestarlight
Question Answer
QUAIS AS CONDIÇÕES DE TEMPERATURAS DA SO? 19º a 24º C umidade de 45% a 60% pressão positiva em relação aos corredores.
Quais as partes consideradas CRÍTICAS dos hospitais ? Emergência, uti, hemodialise, cme, c.c, expurgo, e lavanderias. contato com pacientes críticos e presença de matérias biológicos.
Quais as partes consideradas SEMI-CRITICA dos hospitais ? FARMÁCIA, ENFERMARIA,APARTAMENTO. exceto ISOLAMENTO.
Quais as partes consideradas NÃO CRÍTICA dos hospitais ? Onde não tem paciente. Recepção, area adm, almoxarifado.
classificação cirúrgica segundo urgência: CIRURGIA DE EMERGÊNCIA. imediata, distúrbio ameaçador a vida, sangramento grave, obstrução vesical ou intestinal.
classificação cirúrgica segundo urgência: cirurgia de urgência. Atenção rápida, 24 a 30h, infecção aguda da vesícula, calculo renal.
classificação cirúrgica segundo urgência: necessária( requerida). precisa realizar a cirurgia, mas pode aguarda semana ou mês, necessário q seja feito a intervenção. catarata, hiperplasia prostática sem obstrução.
classificação cirúrgica segundo urgência: ELETIVA Deve ser submetido a intervenção, porém não submete-lo não traduz um resultado desastroso. hernia simples, reparação vaginal.
classificação cirúrgica segundo urgência: OPCIONAL decisão do pct, não apresenta diagn clinico.
Quanto a finalidade da cirurgia: curativa e paliativa. curativa: tratar determinadas condições. apendicectomia. Paliativa:melhorar qualidade de vida, n promove a cura. transplante renal.
Quanto a finalidade da cirurgia: Diagnostica, reparadora e plastica. diagnostica: investigar e ajudar esclarecer. laparotomia exploratória. Reparadora: reconstruir artificialmente uma parte do corpo. enxerto de pele em queimados. Plastica: estética ou reparadora
Quanto ao potencial de contaminação. Limpa e potencialmente contaminada. limpa: tecidos estereis, ausência de inflamação e infecção, cicatriza em 1 intenção, sem dreno. Potencialmente contaminada:tecido colonizado, sem processo infeccioso ou inflamatório, pequena falha técnica, envolve sistema, urinário, digestório, respiratório.
Quanto ao potencial de contaminação. contaminada e infectada. contaminada: tecido aberto, com trauma, grande contaminação, grande falha técnica, sem pus. Infeccioso: evidente processo inflamatório, presença de pus.
Pré-operatório Defina período Mediato da cirurgia compreende do momento desde a indicação da cirurgia até as 24h que antecedem o momento cirúrgico-anestésico
Pré-operatório Defina período Imediato da cirurgia compreende as 24h que antecedem ao procedimento cirúrgico, e se estende até o encaminhamento do paciente ao centro cirúrgico.
ANESTESIA GERAL: FINALIDADE Analgesia; Hipnose (inconsciência); Amnésia Relaxamento muscular. Perda do Controle dos Ref. autonômicos
ANESTESIA REGIONAL Bloqueia as funções sensoriais, motoras e autonômicas de determinada região (fibras nervosas). Paciente consciente e atento ao ambiente
Raquianestesia espaço subaracnóideo; L4 e L5, diretamente no LCR Perda das atividades autonômicas, sensitivas e motoras; Solução hiperbárica (mais pesada que o líquor)  Mudança de decúbito causa deslocamento gravitacional
CME DESINFECÇÃO DOS ARTIGOS método capaz de eliminar a maioria ou todos os microrganismos patogênicos com exceção dos esporos bacterianos.
CME DESINFECÇÃO DOS ARTIGOS ALTO NÍVEL destrói todos os microrganismos com exceção a alto número de esporos => Glutaraldeído 2% (  cidex opa) e ácido paracético 0,2%. Indicação: área hospitalar preferencialmente (endoscópios, circ. Resp., anestesia
CME DESINFECÇÃO DOS ARTIGOS MÉDIO NÍVEL elimina bactérias vegetativas, a maioria dos vírus, fungos e micobactérias =>Hipoclorito de sódio 1%, alcool Indicação: Uso em superfícies
CME DESINFECÇÃO DOS ARTIGOS BAIXO NÍVEL elimina a maioria das bactérias, algumas vírus e fungos, mas não elimina micobactérias =>Hipoclorito de sódio 0,025%, quartenário de amônio Indicação: utilizado em superfícies, mobílias, parede
CME EMBALAGENS – Não é permitido o uso de embalagens: Papel Kraft Papel jornal Lâminas de alumínio
CME ESTERILIZAÇÃO Processo de destruição de todas as formas de vida microbiana, ou seja, bactérias nas formas vegetativa e esporulada, fungos e vírus, mediante aplicação de agentes químicos, físicos e físico-quimicos.
Processos de esterilização FÍSICO: VAPOR SATURADO SOB PRESSÃO: AUTOCLAVE CALOR SECO: ESTUFA Químico: GLUTERALDEÍDO ÁCIDO PARACÉTICO Físico - Quimico: ÓXIDO DE ETILENO PLASMA DE PERÓXIDO DE HIDROGÊNIO
CME CLASSIFICAÇÃO DOS ARTIGOS Artigos Críticos utilizados em procedimentos invasivos com penetração em pele, mucosas, tecidos subepiteliais e sistema vascular. Ex: agulhas, campos, fios cirúrgicos, instrumental cirúrgico, cateteres intravenosos, entre outros
CME CLASSIFICAÇÃO DOS ARTIGOS Artigos Semicríticos contato com a pele não integra ou com mucosas íntegras colonizadas e exigem uma desinfecção de alto nível. Ex: materiais de assistência ventilatória, endoscópios, espéculo vaginal, entre outros.
CME CLASSIFICAÇÃO DOS ARTIGOS Artigos Não Críticos contato com a pele íntegra ou objetos que nem se quer entram em contato direto com o paciente. Exigem a limpeza e/ou desinfecção de baixo nível, entre um uso e outro. Ex: termômetro axilar, comadres, sensor de oxímetro de pulso, etc.
Materiais termossensíveis Devem ser processado em métodos de esterilização fisico-quimicos gasosos ou químicos líquidos automatizados que agem em baixas temperatura
Materiais críticos termorresistente Devem ser esterilizados por vapor saturado so pressão
CME MONITORAMENTO -INDICADORES QUÍMICOS CLASSE I – INDICADOR DO PROCESSO Tiras impregnadas com tinta termo-química que muda de coloração quando exposto a temperatura Evidenciam a passagem do material pelo processo. São indicadores externos
CME MONITORAMENTO -INDICADORES QUÍMICOS CLASSE II – BOWIE & DICK Testa a eficácia do sistema de vácuo da autoclave pré-vácuo. Uso diário no 1º ciclo, sem carga, de preferência Espera-se mudança uniforme da cor do papel, em toda sua extensão
CME MONITORAMENTO -INDICADORES QUÍMICOS CLASSE III E IV Classe 3- Indicadores de uma variável Controla um único parâmetro: a temperatura pré-estabelecida. Classe 4- multi variável Controla a temperatura e o tempo necessários para o processo
CME MONITORAMENTO -INDICADORES QUÍMICOS CLASSE V – INTEGRADORES Reage a todas a s variáveis criticas: controla temperatura, tempo e qualidade do vapor -Uso : diário, em todos os processos de esterilização, no interior de cada pacote. -Leitura do Resultado: imediata ( mudança de cor).
CME MONITORAMENTO -INDICADORES QUÍMICOS CLASSE VI – EMULADORES Reagem a todas as variáveis críticas para ciclos de esterilização especificados. Integrador mais preciso por oferecer margem de segurança maior. Reage quando 95% do ciclo é concluído
CME MONITORAMENTO –INDICADOR BIOLÓGICO São preparações padronizadas de microorganismos, numa concentração do inóculo em torno de 100.000.000, comprovadamente resistentes e específicos para um particular processo de esterilização demonstrando a efetividade do processo Esporos Geobacillus stearothermophilus Primeiro ciclo do dia sem carga
Causas da hipotermia no intra-operatorio temperatura da sala operatoria, cavidades abertas, anestesia e idade.
Causas da hipertermia maligna induzido por agente anestésico. aumento da temperatura 1Gº a cada 5min movimentos tetânicos
CME I CONFORMAÇÃO NÃO COMPLEXA POSSUI NO MINIMO BARREIRA TÉCNICA ENTRE SETOR LIMPO DO SETOR SUJO
CME II CONFORMAÇÃO NÃO COMPLEXA E CONFORMAÇÃO COMPLEXA Obrigatório separação física da área de recepção e limpeza das demais.