Ginecologia

AngAngAng
Mind Map by AngAngAng, updated more than 1 year ago
AngAngAng
Created by AngAngAng almost 7 years ago
123
3

Description

Mind Map on Ginecologia, created by AngAngAng on 07/08/2014.

Resource summary

Ginecologia
1 Anatomia
2 Fisiologia
3 Contracepção
4 Hemorragias Uterinas Anormais
4.1 Endometriose

Annotations:

  • Presença de endométrio funcional- estroma e glândulas em localização ectópica
4.1.1 Interna
4.1.1.1 Adenomiose
4.1.1.1.1 Curetagens uterinas
4.1.1.1.2 Diagnóstico
4.1.1.1.2.1 Sintomas: menorragias, dismenorreia, algia pélvica
4.1.1.1.2.2 Útero globoso e doloroso à mobilização
4.1.1.1.2.3 Exames
4.1.1.1.2.3.1 Ecografia endovaginal
4.1.1.1.2.3.2 Histerossalpingografia
4.1.1.1.3 Tratamento:
4.1.1.1.3.1 DIU com progestativo
4.1.1.1.3.2 Histrectomia total
4.1.2 Externa
4.1.3 Patogénese
4.1.3.1 - menstruação retrógrada (refluxo tubar) - factor imunológico - factor hereditário - metaplasia - disseminação hemática e linfática
4.1.4 Diagnóstico
4.1.4.1 Sintomas dolorosos
4.1.4.1.1 Dismenorreia 2a
4.1.4.1.2 Dispareunia profunda
4.1.4.1.3 Algia pélvica

Annotations:

  • Definição - toda e qualquer dor com carácter crónico e intermitente não relacionada com o ciclo menstrual, variável na sua exteriorização e com localização pélvica, pode ser considerada como ALGIA PÉLVICA.
4.1.4.1.3.1 Disúria
4.1.4.1.3.2 Rectalgias
4.1.4.1.3.3 Outras causas de Algia Pélvica
4.1.4.1.3.3.1 Endometriose
4.1.4.1.3.3.2 Origem venosa
4.1.4.1.3.3.3 Alt. estática pélvica
4.1.4.1.3.3.4 Causas não ginecológicas
4.1.4.1.3.3.5 Aderências pélvicas
4.1.4.1.3.3.6 Salpingites
4.1.4.1.3.3.7 Tumores pélvicos/quistos
4.1.4.2 Fibrose dolorosa dos ligamentos utero sagrados e nódulos dolorosos no f.s.D.
4.1.4.3 Exames
4.1.4.3.1 Ecografia endovaginal
4.1.4.3.1.1 Dx de certeza apenas nos endometriomas e adenomioses
4.1.4.3.2 Histerossalpingografia
4.1.4.3.2.1 Dx em 80% do total, 100% das adenomioses
4.1.4.3.3 Laparoscopia
4.1.4.3.3.1 Quistos de chocolate
4.1.4.3.3.2 Pequenos nódulos que sangram
4.1.4.3.3.3 Fibrose
4.1.4.3.3.4 Dx de certeza na endometriose
4.1.4.4 INFERTILIDADE!
4.1.5 Tratamento
4.1.5.1 Gravidez
4.1.5.2 Contraceptivos em contínuo
4.1.5.3 Danazol
4.1.5.4 GnRH
4.1.5.5 Cirurgia

Annotations:

  • >4cm ou focos de endometriose resistentes ao tto médico
5 DSTs
5.1 HPV
5.1.1 Cancro do colo
5.1.1.1 > dos 35-45A
5.1.1.2 Doença de transmissão sexual
5.1.1.3 Prevenção
5.1.1.3.1 Secundária
5.1.1.3.1.1 Rastreio organizado
5.1.1.3.1.1.1 Baixa incidência e mortalidade em 90%
5.1.1.3.1.1.1.1 Depois de 2 citologias normais com intervalo de 1 ano, a citologia deve ser repetida de 3 em 3 anos.
5.1.1.3.1.1.1.1.1 Citologia em meio líquido, colheita com espátula e escova endocervical, ou cervex-brush.
5.1.1.3.1.1.1.1.2 Citologia esfoliativa
5.1.1.3.1.1.1.1.2.1 Classificação de Bethesda
5.1.1.3.1.1.1.1.2.1.1 Satisfatória
5.1.1.3.1.1.1.1.2.1.1.1 Negativa para lesão intraepitelial maligna (NILM)
5.1.1.3.1.1.1.1.2.1.1.1.1 Microorganismos
5.1.1.3.1.1.1.1.2.1.1.1.1.1 Bacteriose vaginal
5.1.1.3.1.1.1.1.2.1.1.1.1.2 Actynomyces
5.1.1.3.1.1.1.1.2.1.1.1.1.3 Herpes Simplex
5.1.1.3.1.1.1.1.2.1.1.1.1.4 Cândida
5.1.1.3.1.1.1.1.2.1.1.1.1.5 Trichomonas vaginalis
5.1.1.3.1.1.1.1.2.1.1.1.2 Outras alterações não neoplásicas
5.1.1.3.1.1.1.1.2.1.1.2 Anomalias das células epitaliais
5.1.1.3.1.1.1.1.2.1.1.2.1 Células pavimentosas
5.1.1.3.1.1.1.1.2.1.1.2.1.1 ASC-US

Annotations:

  • Atipia de significado indeterminado
5.1.1.3.1.1.1.1.2.1.1.2.1.2 ASC-H

Annotations:

  • Atipia de significado indeterminado que não exclui lesão de alto grau
5.1.1.3.1.1.1.1.2.1.1.2.1.3 LSIL

Annotations:

  • Lesão intraepitelial de baixo grau
5.1.1.3.1.1.1.1.2.1.1.2.1.4 HSIL

Annotations:

  • Lesão intraepitelial de alto grau
5.1.1.3.1.1.1.1.2.1.1.2.1.5 Carcinoma espinho-celular
5.1.1.3.1.1.1.1.2.1.1.2.2 Células glandulares
5.1.1.3.1.1.1.1.2.1.1.2.2.1 AGC

Annotations:

  • Células glandulares atípicas (endocervicais ou endometriais)
5.1.1.3.1.1.1.1.2.1.1.2.2.2 AIS

Annotations:

  • Provável adenocarcinoma in situ do endocolo
5.1.1.3.1.1.1.1.2.1.1.2.2.3 Adenocarcinoma
5.1.1.3.1.1.1.1.2.1.1.3 Sem evidência de lesão intraepitelial, mas presença de células endometriais
5.1.1.3.1.1.1.1.2.1.1.4 Outra neoplasia maligna
5.1.1.3.1.1.1.1.2.1.2 Não satisfatória
5.1.1.3.1.1.1.2 25-65A
5.1.1.3.2 Primária
5.1.1.3.2.1 Activa
5.1.1.3.2.1.1 Vacina HPV

Annotations:

  • População-alvo: mulheres dos 9-26A (idade recomendada: 13, conforme PNV) Idade alternativa: 18-26; 27-45 Contra-indicações: alergia ao alumínio ou outro componente da vacina; história de doença auto-imune.
5.1.1.3.2.1.1.1 Bivalente=Cervarix

Annotations:

  • 16; 18
5.1.1.3.2.1.1.2 Quadrivalente=Gardesil

Annotations:

  • 6; 11; 16; 18.
5.1.1.3.2.1.1.2.1 Cancro do colo
5.1.1.3.2.1.1.2.2 Lesões cervicais pré-cancerosas
5.1.1.3.2.1.1.2.3 Lesões cervicais potencialmente pré-cancerosas
5.1.1.3.2.1.1.2.4 Cancro vulvo-vaginal
5.1.1.3.2.1.1.2.5 Lesões vulvovaginais pré-cancerosas
5.1.1.3.2.1.1.2.6 Condilomas genitais
5.1.1.3.2.2 Passiva
5.1.1.3.2.2.1 Uso de preservativo
5.1.1.3.2.2.2 Redução da exposição ao HPV
5.1.1.4 Frequentemente assintomático
5.1.1.4.1 Citologia anormal
5.1.1.4.2 Leucorreia rebelde à terapêutica
5.1.1.4.3 Coitorragias
5.1.1.4.4 Metrorragias
5.1.1.4.5 Sintomas dependentes das estruturas invadidas
5.1.1.4.5.1 Insuficiência renal
5.1.1.4.5.2 Edema dos MI
5.1.1.4.5.3 Anemia
5.1.1.4.5.4 Incontinência de fezes ou urina
5.1.1.5 Zona vermelha periorificial, lesão vegetante, ulcerada ou hemorrágica
5.1.1.6 Exames
5.1.1.6.1 SCC e CA 125
5.1.1.6.2 RM
5.1.1.6.3 RX tórax
5.1.1.6.4 PET, TAC, UIV, cistoscopia, rectossigmoidoscopia, cintigrafia
5.1.1.6.5 LAPAROSCOPIA
5.1.1.7 Tipos histológicos
5.1.1.7.1 Carcinoma espinho-celular

Annotations:

  • Queratinizante Não queratinizante
5.1.1.7.2 Adenocarcinoma

Annotations:

  • Mucinoso Endometrióide Células claras
5.1.1.7.3 C. indiferenciado
5.1.1.7.4 Carcinoma adenoescamoso
5.1.1.7.5 2ºs
5.1.1.8 Prognóstico
5.1.1.8.1 Invasão ganglionar

Annotations:

  • Outros: Tamanho do tumor Profundidade da infiltração do estroma Invasão dos espaços linfovasculares Invasão dos paramétrios Tipo histológico Margens de segurança operatórias
5.1.1.9 Estadiamento
5.1.1.10 Tratamento
5.1.1.10.1 Preservação da fertilidade
5.1.1.10.1.1 Conização
5.1.1.10.2 Histrectomia total
5.1.1.10.3 Histrectomia radical
5.1.1.10.3.1 Op. Wertheim-Meigs

Annotations:

  • Histrectomia total alargada com excisão parcial dos paramétrios e colpectomia parcial. Linfadenectomia pélvica sistemática. Com ou sem anexectomia bilateral.
5.1.1.10.4 Exentração pélvica
5.1.1.10.5 Radioterapia

Annotations:

  • Estadios operáveis (IB1, IIA), pós-op de alto risco Tratamento exclusivo (IIB, IV)
5.1.1.10.6 Radioquimioterapia

Annotations:

  • = RT
5.1.1.10.7 Quimioterapia

Annotations:

  • Neoadjuvante, N+ e paliativo
5.1.2 Presente em 99% do...
5.1.3 Respostas imunitárias ao HPV
5.1.3.1 Tipos
5.1.3.1.1 Inata (não específica)
5.1.3.1.2 Adquirida (específica)
5.1.3.1.2.1 Humoral
5.1.3.1.2.2 Celular
5.1.3.2 Eliminação da infecção 90%=24M
5.1.4 > dos 15-29A
5.1.5 Factores de risco
5.1.5.1 Promiscuidade
5.1.5.2 Precocidade sexual
5.1.5.3 Antecedentes de DSTs
5.1.6 Risco
5.1.6.1 Alto risco
5.1.6.1.1 16, 18, 31, 33, 35, 39, 45, 51, 52, 56, 58, 49.
5.1.6.1.2 Carcinomas (vulva, vagina, colo), VIN usual, VAIN 3 e CIN 2/3.
5.1.6.1.2.1 Carcinoma da vulva
5.1.6.1.2.1.1 HPV é agente etiológico major
5.1.6.1.2.2 Neoplasia intra-epitelial cervical

Annotations:

  • Lesões caracterizadas por alterações da maturação e da diferenciação das células epiteliais do colo do útero, que podem apresentar graus variáveis de maturidade celular, desorganização celular, alterações nucleares e actividade mitótica.
5.1.6.1.2.2.1 Reagan (1953)
5.1.6.1.2.2.1.1 Displasia ligeira
5.1.6.1.2.2.1.2 Displasia moderada
5.1.6.1.2.2.1.3 Displasia grave
5.1.6.1.2.2.1.4 Carcinoma in situ
5.1.6.1.2.2.2 Richart (1966)
5.1.6.1.2.2.2.1 CIN 1
5.1.6.1.2.2.2.2 CIN2
5.1.6.1.2.2.2.3 CIN 3
5.1.6.1.2.2.2.4 Diagnóstico
5.1.6.1.2.2.2.4.1 Citologia esfoliativa cervical
5.1.6.1.2.2.2.4.2 Colposcopia com biópsia dirigida
5.1.6.1.2.2.2.4.2.1 Ácido acético
5.1.6.1.2.2.2.4.2.2 Solução de Lugol
5.1.6.1.2.2.2.4.3 Curetagem endocervical
5.1.6.1.2.2.2.4.4 Conização
5.1.6.1.2.2.2.5 Terapêutica
5.1.6.1.2.2.2.5.1 Métodos destrutivos
5.1.6.1.2.2.2.5.1.1 Crioterapia
5.1.6.1.2.2.2.5.1.2 Diatermocoagulação
5.1.6.1.2.2.2.5.1.3 Vaporização a LASER
5.1.6.1.2.2.2.5.2 Métodos excisionais
5.1.6.1.2.2.2.5.2.1 Ansa diatérmica
5.1.6.1.2.2.2.5.2.2 Conização a LASER ou a frio
5.1.6.1.2.2.2.5.2.3 Histrectomia total
5.1.6.1.2.2.2.5.3 Baixo grau
5.1.6.1.2.2.2.5.3.1 Observação com citologia semestral
5.1.6.1.2.2.2.5.3.2 Tratamento destrutivo
5.1.6.1.2.2.2.5.3.3 Tratamento excisional
5.1.6.1.2.2.2.5.4 Alto grau
5.1.6.1.2.2.2.5.4.1 Ansa diatérmica, ou outro método excisional
5.1.6.1.2.2.3 Bethesda (1988)
5.1.6.1.2.2.3.1 LSIL
5.1.6.1.2.2.3.2 HSIL
5.1.6.2 Baixo risco
5.1.6.2.1 Condilomas (vulva, vagina e colo), VAIN 1 e CIN 1
5.1.6.2.1.1 Terapêutica
5.1.6.2.1.1.1 Imunomoduladores
5.1.6.2.1.1.2 Lesões extensas
5.1.6.2.1.1.2.1 Vaporização LASER
5.1.6.2.1.1.3 Lesões localizadas
5.1.6.2.1.1.3.1 Exérese cirúrgia
5.1.6.2.2 6, 11, 40, 42...
5.1.7 Estudos em Biologia Molecular
5.1.7.1 Integração do HPV no genoma celular
5.1.7.1.1 Destruição dos genes E1 e E2 (reguladores da replicação viral e repressores de E6 e E7)
5.1.7.1.1.1 Aumento da expressão de E6 e E7
5.1.7.1.2 Preservação dos genes E6 e E7 (transformadores)
5.1.7.1.2.1 E6 codifica oncoproteína E6 que complexa e degrada a p53
5.1.7.1.2.2 E7 codifica oncoproteína E7 que complexa e degrada a pRb
5.1.7.1.2.3 Impossibilidade de reparação do ADN, Inibição da apoptose
5.1.7.1.2.3.1 Imortalização celular, Acumulação de erros genéticos
5.1.7.1.3 Os HPV de alto risco induzem instabilidade cromossómica
5.1.7.2 Carcinogénese
5.1.7.2.1 Ectopia do epitélio cilíndrico

Annotations:

  • Co-factores: alterações genéticas, imunodeficiência, tabaco, inflamação local crónica, contraceptivos orais
5.1.7.2.1.1 Exposição de HPVs oncogénicos
5.1.7.2.1.1.1 Lesões de baixo grau (CIN 1)
5.1.7.2.1.1.1.1 Regressão
5.1.7.2.1.1.1.2 Persistência
5.1.7.2.1.1.1.3 Progressão para lesões de alto grau (CIN 2/3)
5.1.7.2.1.1.1.3.1 Progressão para cancro invasivo
6 Disfunções do pavimento pélvico
7 Doenças da mama
7.1 Doenças benignas da mama
7.1.1 Observação da mama
7.1.1.1 Posição supina
7.1.1.1.1 Braços as longo do corpo
7.1.1.1.2 Braços na cintura
7.1.1.1.3 Mãos cruzadas atrás da cabeça
7.1.1.2 Posição sentada
7.1.2 Palpação
7.1.2.1 Posição de decúbito dorsal
7.1.2.1.1 Quadrantes externos, braços ao longo do corpo
7.1.2.1.2 Quadrantes internos, mãos em cima da cabeça
7.1.2.1.3 Cadeias ganglionares axilares, cervicais e supraclaviculares
7.1.3 Pesquisa de corrimentos mamilares
7.1.3.1 Etiologias benignas mais comuns
7.1.3.1.1 Stress
7.1.3.1.2 Gravidez/lactação
7.1.3.1.3 Hiperprolactinémia
7.1.3.1.4 Iatrogénica (antidepressivos)
7.1.3.1.5 Ectasia ductal
7.1.3.1.6 Papiloma intraductal
7.1.3.1.7 Doença quística da mama
7.1.3.2 Meios complementares de diagnóstico
7.1.3.2.1 Galactografia
7.1.3.2.2 Ductoscopia
7.1.3.2.2.1 Tratamento: excisão cirúrgica dos galactóforos/lesão por ductoscopia
7.1.3.2.3 Prolactinémia sérica
7.1.3.2.3.1 Corrimento multiporo e bilateral
7.1.3.2.3.1.1 Tratamento: bromocriptina
7.1.3.2.4 RM mamária
7.1.3.2.4.1 Corrimento uniporo, unilateral
7.1.4 Lesões nodulares
7.1.4.1 Fibroadenomas
7.1.4.1.1 Clínica
7.1.4.1.2 Ecografia/ecodoppler mamário
7.1.4.1.3 Mamografia
7.1.4.1.4 FNAC
7.1.4.1.4.1 Citologia
7.1.4.1.5 Biópsia
7.1.4.1.5.1 Cirúrgica (guiada por arpão)
7.1.4.1.5.2 Por pistola ou core biopsy (guiada por ecografia)
7.1.4.1.5.3 Estereotáxica (guiada por mamografia/RM)
7.1.4.1.6 Tratamento
7.1.4.1.6.1 Tratamento clássico
7.1.4.1.6.1.1 Controlo clínico - ecografia
7.1.4.1.6.1.2 Excisão cirúrgica
7.1.4.1.6.2 Tratamentos de "futuro"
7.1.4.1.6.2.1 Laser, crioablação, radiofrequência, excisão por vácuo, endoscopia...
7.1.4.2 Tumores filóides
7.1.4.3 Quistos
7.1.4.3.1 Clínica
7.1.4.3.2 Ecografia
7.1.4.3.3 Citologia
7.1.4.3.4 Mamografia
7.1.4.3.5 Tratamento
7.1.4.3.5.1 Esvaziamento do quisto sob controlo ecográfico
7.1.4.3.5.2 Excisão cirúrgica
7.1.4.3.5.2.1 Quistos múltiplos com fibrose
7.1.4.3.5.3 Mastectomia sub-cutânea com colocação de próteses
7.1.4.3.5.3.1 Doença fibroquística grave
7.1.4.3.5.3.2 Quistos recidivantes extensos e infectados
7.1.5 Outras
7.1.5.1 Hiperplasia típica/atípica
7.1.5.2 Adenose esclerosante
7.1.5.3 Papilomas intraductais
7.1.5.4 Ecatsia ductal
7.1.5.5 Mastites/abcesos mamários
7.1.5.5.1 Tratamento: drenagem do abcesso
7.1.5.6 Lesões do mamilo e da aréola
7.1.5.7 Lesões dermatológicas
7.1.5.8 Lesões traumáticas
7.2 Cancro da mama
Show full summary Hide full summary

Similar

Decorebinhas para a prova de ginecologia
Carla Zacachuka
DSTs e VAS
Daniel Quiroga
DSTs e Úlceras genitais
Fernanda Emilia Rocha
ÚLCERAS GENITAIS
Letícia Ribeiro
Câncer de colo uterino
Murilo Siqueira
Modificações fisiológicas na gestação
Lilian Baseggio
CICLO MENTRUAL
lucassfmattos
Vulvovaginites
Fernanda Emilia Rocha
Ciclo menstrual
Carina Carla
Anatomia e Embriologia do Trato genital feminino
ANDREIA VICTORIA QUEROZ