Finanças em TI: Unidade I - UNIP

Fernando Ortiz de Mello
Mind Map by Fernando Ortiz de Mello, updated more than 1 year ago
Fernando Ortiz de Mello
Created by Fernando Ortiz de Mello about 5 years ago
8
1

Description

UNIP Mind Map on Finanças em TI: Unidade I - UNIP, created by Fernando Ortiz de Mello on 03/10/2015.

Resource summary

Finanças em TI: Unidade I - UNIP
1 Conceitos de Administração Financeira
1.1 Estrutura da área de Administração Financeira
1.1.1 Tesouraria
1.1.1.1 Responsável pela gestão direta da obtenção e do uso dos recursos financeiros na companhia.
1.1.1.2 Caixa
1.1.1.2.1 setor responsável pelo fluxo do dinheiro nas empresas. recebimentos e pagamentos de obrigações da empresa
1.1.1.2.2 Objetivos
1.1.1.2.2.1 pagar seus fornecedores de maneira mais lenta possível, dentro é claro, daquilo que é oferecido como política de crédito por estes;
1.1.1.2.2.2 receber os pagamentos pelos produtos ou serviços que vende de maneira mais rápida possível, entretanto sem perder oportunidades de venda por não oferecer crédito e prazo de pagamento aceitável a seus clientes.
1.1.1.2.3 Pagamentos – recebimentos = fluxo líquido de caixa.
1.1.1.3 É por meio dela que o dinheiro entra na empresa e é utilizado nas operações diárias, paga os diversos tipos de compromissos financeiros e tem seu excedente aplicado no mercado financeiro.
1.1.1.4 Contas a Pagar
1.1.1.4.1 fonte de financiamento de curto prazo, isso porque elas são resultado de bens ou serviços adquiridos, mas que não foram pagos à vista
1.1.1.5 Contas a Receber
1.1.1.5.1 crédito oferecido aos clientes quando estes adquirem os produtos ou serviços oferecidos pela empresa.
1.1.1.6 padrões de crédito
1.1.1.6.1 tentar minimizar os riscos associados à concessão de crédito a seus clientes; visa normalmente diminuir o risco de inadimplência
1.1.1.6.2 requisitos mínimos para que um cliente possa receber o crédito oferecido e em que condições essa operação será ofertada
1.1.1.7 monitoramento de crédito,
1.1.1.7.1 acompanhamento dos recebimentos ao longo do tempo, verificar se os clientes estão pagando de acordo com os prazos e valores predeterminados. objetivo negociar e conseguir sempre as condições mais vantajosas para a empresa
1.1.2 Controladoria
1.1.2.1 Controller = contador gerencial
1.1.2.2 Setor da administração financeira que se ocupa da obtenção de informações para a tomada de decisões dos gestores da companhia e dos controles necessários para garantir que os resultados financeiros planejados sejam atingidos. É de grande importância, pois por meio dela é que se verifica o desempenho da empresa, se o pl j t fi i é lanejamento financeiro é seguido ao longo do tempo e se os padrões e normas estabelecidos para o funcionamento da empresa são cumpridos.
1.1.2.3 subdivisoes
1.1.2.3.1 contabilidade;
1.1.2.3.1.1 coletar e fornecer dados e informações para a verificação do desempenho financeiro da empresa e para a tomada de decisão dos gestores.
1.1.2.3.1.2 Os contadores utilizam princípios padroni ados (IFRS e CPCs) para a padronizados (IFRS e CPCs) para a elaboração de relatórios, como o balanço patrimonial e as demonstrações de resultados financeiros
1.1.2.3.1.3 fundamental que os dados colhidos pela área de contabilidade sejam confiáveis e representem um retrato fiel das operações.
1.1.2.3.1.4 Plano de Contas
1.1.2.3.1.4.1 Os contadores utilizam princípios padronizados para a elaboração de relatórios, como o balanço patrimonial e as demonstrações de resultados financeiros. Esses relatórios baseiam‑se em um Plano de Contas e deles também são verificados os valores devidos de impostos e taxas que deverão ser recolhidos aos cofres públicos.
1.1.2.3.1.4.2 forma utilizada pela contabilidade para organizar e dispor as contas contábeis que, por sua vez, são os blocos fundamentais da contabilidade, os registros de todas as informações financeiras da empresa, sendo importante para o seu controle e para o suporte das decisões dos gestores.
1.1.2.3.1.4.3 diferentes níveis
1.1.2.3.1.4.3.1 subdivididos a fim de apresentar cada vez um grau maior de detalhamento das informações.; montado de maneira personalizada para cada empresa
1.1.2.3.1.4.3.2 Código 1 – Ativo
1.1.2.3.1.4.3.3 Código 2 – Passivo
1.1.2.3.1.4.3.4 Código 3 – Patrimônio líquido
1.1.2.3.1.4.3.5 Código 4 – Receitas
1.1.2.3.1.4.3.6 Código 5 – Custos
1.1.2.3.1.4.3.7 Código 6 – Despesas e outros resultados
1.1.2.3.2 controle de orçamento
1.1.2.3.3 auditoria.
1.1.2.4 usuarios
1.1.2.4.1 internos
1.1.2.4.1.1 funcionarios
1.1.2.4.2 externos
1.1.2.4.2.1 ações negociadas em bolsas de valores são obrigadas por lei a divulgar suas demonstrações financeiras, publicando‑as na internet e em jornais de grande circulação. Isso é feito para que todos os acionistas; , evitando que alguém utilize de informações privilegiadas para conseguir obter uma vantagem e um lucro ilícito
1.1.2.5 principais instrumentos de demonstrações financeiras ou contábeis
1.1.2.5.1 Balanço Patrimonial;
1.1.2.5.1.1 demonstração contábil que tem o objetivo de mostrar a posição patrimonial e financeira de uma empresa em um determinado momento no tempo
1.1.2.5.1.2 divide-se:
1.1.2.5.1.2.1 ativo,
1.1.2.5.1.2.1.1 todos os bens e valores econômicos possuídos pela empresa e que podem gerar benefícios financeiros no futuro.
1.1.2.5.1.2.2 passivo
1.1.2.5.1.2.2.1 dívidas e obrigações financeiras contraídas por ela.
1.1.2.5.1.2.3 patrimônio líquido
1.1.2.5.1.2.3.1 recursos próprios dela. O valor do patrimônio líquido corresponde à diferença entre o valor dos ativos e dos passivos.
1.1.2.5.1.3 ativo circulante corresponde àqueles bens e recursos que podem ser convertidos em dinheiro no curto prazo, isto é, em um prazo de até um ano; aplicações financeiras de curto prazo
1.1.2.5.1.4 ativo realizável em longo prazo ; podem ser convertidos em dinheiro no longo prazo, que corresponde a um período maior que 12 meses
1.1.2.5.1.5 Os itens investimentos, ativo imobilizado e ativo intangível são chamados de ativos permanentes.
1.1.2.5.1.6 Ativo; Os investimentos são todas as aplicações em bens sem um prazo definido ou em outras sociedades, imóveis para especulação etc.
1.1.2.5.1.7 ativo imobilizado; tem duração longa, não se destinando à especulação, mas sim às atividades e operações da companhia
1.1.2.5.1.8 ativo intangível; bens não tangíveis, isto é, não físicos, por exemplo os direitos autorais e patentes de produtos.
1.1.2.5.1.9 patrimônio líquido, capital social ; valores investidos pelos sócios na empresa e à parte dos lucros que não foi repassada aos sócios
1.1.2.5.1.10 reservas de capital ; valores investidos pelos sócios ou recebidos pela companhia, que não são distribuídos, mas servem para absorver eventuais prejuízos ou para realizar um aumento do capital da organização.
1.1.2.5.1.11 ajustes; reservado para balancear as eventuais alterações dos valores dos ativos e passivos da companhia
1.1.2.5.2 Demonstração do Resultado do Exercício (DRE);
1.1.2.5.2.1 Descreve o resultado financeiro, ou seja, o lucro ou prejuízo da empresa no exercício (período de tempo, normalmente de 12 meses). Ela engloba os valores das receitas brutas e líquidas advindas das vendas dos bens e produtos da organização, os diversos tipos de despesas e as provisões para o pagamento do Imposto de Renda, além de outros itens além de outros itens.
1.1.2.5.2.2 A linha final desse demonstrativo corresponde ao resultado final da empresa naquele exercício (lucro ou prejuízo líquido).
1.1.2.5.2.3 montada no formato de uma coluna, iniciada com os valores recebidos pelas vendas dos bens e serviços produzidos pela empresa. Desses valores vão sendo deduzidos todos os tipos de despesas e custos que a empresa tem para poder vender seus produtos. Após essas deduções, chega‑se ao Lucro antes do Imposto de Renda (Lair). A partir desse valor, calcula‑se e provisiona‑se o valor para o pagamento do imposto, abatendo‑o do valor de lucro anterior. Chega‑se então ao resultado líquido da empresa
1.1.2.5.3 Demonstração dos Fluxos de Caixa (DFC)
1.1.2.5.3.1 relatório obrigatório para as empresas de capital aberto, ou seja, que possuem suas ações negociadas em bolsas de valores. Esse demonstrativo expõe de onde vieram e no que foram utilizados os recursos de caixa.
1.1.2.5.3.2 itens
1.1.2.5.3.2.1 atividades operacionais:
1.1.2.5.3.2.1.1 movimentações de caixa resultantes das operações da empresa
1.1.2.5.3.2.2 atividades de investimento
1.1.2.5.3.2.2.1 movimentações dos recursos do caixa aplicados nos itens de investimento do balanço patrimonial
1.1.2.5.3.2.3 atividades de financiamento
1.1.2.5.3.2.3.1 recursos obtidos pela empresa mediante empréstimos e financiamentos de curto prazo
1.1.2.5.4 Demonstração das Mutações do Patrimônio.
1.1.2.5.4.1 demonstrativo não obrigatório para a maioria das empresas que visa demonstrar as alterações que ocorreram no patrimônio durante o exercício em questão
1.1.2.5.4.2 fatores que podem alterar o patrimônio líquido
1.1.2.5.4.2.1 o aumento do patrimônio pelo lucro do exercício
1.1.2.5.4.2.2 • a diminuição do patrimônio devido ao prejuízo do exercício
1.1.2.5.4.2.3 • o pagamento de dividendos
1.1.2.5.4.2.4 o aumento ou redução das reservas da empresa;
1.1.2.5.4.2.5 o recebimento de prêmio na emissão de debêntures;
1.1.2.5.4.2.6 a compra ou venda de ações próprias
1.1.2.5.4.3 Controle de Orçamento
1.1.2.5.4.3.1 acompanhamento da execução dos orçamentos de todos os setores da empresa ao longo do tempo; verificar eventuais desvios em relação ao orçamento planejado
1.1.2.5.4.4 Auditoria
1.1.2.5.4.4.1 tarefa de controlar e certificar se as normas e procedimentos estabelecidos para o funcionamento da empresa são cumpridos à risca; verificar se os procedimentos contábeis padronizados são seguidos
1.2 Projetos e seu gerenciamento
1.2.1 Ciclo da vida de um projeto
1.2.2 Project Management Institute – PMI
1.2.2.1 Instituto internacional voltado para o treinamento de profissionais no mundo todo que desempenharão o papel de gerentes de projetos nos mais diversos ramos de atividades.
1.2.3 Guia PMIBOK
1.2.3.1 Guia do Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento de Projetos.
1.2.3.2 grupos de processos
1.2.3.2.1 iniciação:
1.2.3.2.1.1 processos necessários para que seja definido e iniciado um novo projeto ou uma nova etapa dentro de um projeto;
1.2.3.2.2 planejamento:
1.2.3.2.2.1 são os processos usados na definição do escopo de um projeto, suas características e as estratégias adotadas para que ele atinja seus objetivos;
1.2.3.2.3 execução:
1.2.3.2.3.1 processos necessários à execução de tudo aquilo que foi determinado na etapa de planejamento do projeto;
1.2.3.2.4 monitoramento e controle
1.2.3.2.4.1 visam acompanhar o andamento e o progresso do projeto, identificar eventuais modificações
1.2.3.2.5 encerramento:
1.2.3.2.5.1 finalização formal do projeto ou das diversas fases que o constituem
1.2.3.3 para um sucesso no projeto
1.2.3.3.1 a seleção dos processos apropriados aos objetivos estabelecidos;
1.2.3.3.2 a adoção de uma abordagem definida para atender aos requisitos exigidos;
1.2.3.3.3 o atendimento dos requisitos para sejam satisfeitas as expectativas das partes interessadas.
1.2.4 “Um projeto é um esforço temporário empreendido para criar um produto, serviço ou resultado exclusivo.” PMBOK (2004, p. 5)
1.2.5 “O gerenciamento de projetos é a aplicação de conhecimento, habilidades, ferramentas e técnicas às atividades do projeto a fim de atender aos seus requisitos.” PMBOK (2008, p. 6)
1.2.6 “A gerência de projetos é a primeira camada do processo de engenharia de software. Nós a chamamos de camada, em vez de etapa ou atividade, porque ela abrange todo o processo de desen ol imento do começo ao fim [ ] desenvolvimento, do começo ao fim. [...] Ela começa antes do trabalho técnico, prossegue à medida que o software se desenvolve do modelo conceitual para a realidade e encerra somente quando o software torna-se obsoleto e é se obsoleto e é aposentado.” PRESSMAN (1995, p. 55)
1.2.7 “Uma vez que a gerência de projetos de software é tão importante para o sucesso de um projeto, seria razoável presumir-se que todos os gerentes de projetos entendem como colocá-la em prática e que todos os profissionais entendem como todos os profissionais entendem como trabalhar dentro dos limites estabelecidos por ela. Infelizmente, muitos não a entendem.” PRESSMAN (1995, p. 55)
1.2.8 Processo: “um conjunto de ações e atividades inter-relacionadas, que são executadas para alcançp ç ar um produto, resultado ou serviço predefinido.” PMBOK (2004, p. 37)
1.3 “A arte e a ciência da gestão do dinheiro” “Praticamente todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam, gastam ou investem dinheiro.” GITMAN (2004, p. 4)
1.4 As empresas são formadas a partir do investimento inicial dos seus sócios/ acionistas.
1.5 Todo investimento, qualquer que seja o tipo, apresenta um certo grau de risco, e o investimento em uma empresa não foge a essa regra.
1.6 investidor ou acionista de uma empresa assume integralmente o risco de seu investimento na companhia com a esperança de obter um retorno financeiro que compense esse risco, que possa ser representado pelo recebimento de dividendos.
1.7 Lucro é a diferença entre: (+) Receitas (vendas) menos ( - ) Despesas (consumo dos fatores de produção)
1.8 Todo projeto ou investimento é avaliado levando-se em conta o potencial de lucro e, consequentemente, de aumento da riqueza dos acionistas. precisamos conhecer os princípios que alicerçam essas análises para poder viabilizar os projetos das áreas de tecnologia da informação.
1.9 Além do lucro, a administração moderna também precisa lidar com outros grupos de interesse da empresa, os stakeholders.
1.10 Ações de responsabilidade social ou responsabilidade socioambiental versus  Objetivo da empresa ao criar riquezas e lucros
1.11 Recursos utilizados
1.11.1 Stakeholders:
1.11.1.1 funcionários;
1.11.1.2 clientes;
1.11.1.3 fornecedores;
1.11.1.4 comunidade;
1.11.1.5 meio ambiente
1.11.2 humanos
1.11.2.1 Recursos humanos = cargos e funções.
1.11.3 materiais
1.11.4 financeiro
1.11.5 Recursos utilizados para o desenvolvimento de software segundo Pressman (1995, p. 96)
1.11.5.1 “Da mesma forma que usamos hardware para construir um novo hardware, usamos software para auxiliar no desenvolvimento de um novo software [...]. Atualmente os engenheiros de software usam um conjunto de ferramentas que, de muitas maneiras, é análogo às ferramentas de projeto auxiliadas por computador e engenharia auxiliada por computador (CAD/CAE), usadas pelos engenheiros de hardware.” PRESSMAN (1995, p. 98)
1.11.5.2 Hardware
1.11.5.2.1 desenvolvimento
1.11.5.2.1.1 computadores e periféricos que são utilizados para o desenvolvimento
1.11.5.2.2 produção:
1.11.5.2.2.1 equipamento no qual o software que está sendo desenvolvido será executado
1.11.5.2.3 outros elementos de hardware
1.11.5.2.3.1 elementos específicos necessários para o desenvolvimento ou teste do software
1.11.5.3 software
1.11.5.3.1 ferramentas de software
1.11.5.3.1.1 planejamento de sistemas de informação;
1.11.5.3.1.2 gerenciamento de projetos
1.11.5.3.1.3 apoio;
1.11.5.3.1.4 análise e projeto;
1.11.5.3.1.5 programação;
1.11.5.3.1.6 integração e testes;
1.11.5.3.1.7 construção de protótipos e simulação
1.11.5.3.1.8 manutenção;
1.11.5.3.1.9 framework.
1.12 O trabalho do administrador
1.12.1 Praticamente todas as áreas de uma companhia precisam se relacionar com o administrador financeiro.
1.12.2 O administrador financeiro precisa ter O administrador financeiro precisa ter acesso às informações que permitem analisar todos os aspectos envolvidos nas finanças empresariais para desempenhar suas funções e tomar as decisões necessárias à condução dos negócios da empresa.
1.12.3 Responsável, entre outras coisas, pela captação dos recursos financeiros necessários às operações da empresa e pelo modo como os recursos financeiros são utilizados na empresa.
2 Áreas de conhecimento em gerenciamento de p
2.1 Gerenciamento de integração de projetos
2.1.1 atividades ligadas ao planejamento, controle e coordenação dos diversos processos que são desenvolvidos no decorrer do projeto
2.2 Gerenciamento do escopo do projeto
2.2.1 atividades necessárias para definir a sua abrangência; o que é necessário fazer para que ele alcance os objetivos
2.3 Gerenciamento do tempo do projeto
2.3.1 assegurar que ele termine dentro de um prazo preestabelecido.; criar uma ordem para as atividades que serão realizadas, estimar o tempo que cada uma levará para ser concluída, elaborar um cronograma para toda a duração prevista, além do controle da execução,
2.4 Gerenciamento dos custos do projeto
2.4.1 controle de todos os custos envolvidos no desenvolvimento de um determinado projeto,; consiste na elaboração de um orçamento, englobando todos os custos nele envolvidos, e no controle do uso dos recursos no decorrer da sua execução para garantir que os gastos não ultrapassem aquilo que foi orçado inicialmente
2.5 Gerenciamento da qualidade do projeto
2.5.1 garantir que os requisitos de qualidade definidos no seu escopo sejam atendidos plenamente.; definição dos padrões de qualidade exigidos e no seu produto final,
2.6 Gerenciamento dos recursos humanos
2.6.1 gestão de toda a equipe de profissionais envolvidos no desenvolvimento do projeto
2.7 Gerenciamento das comunicações
2.7.1 assegurar que todas essas comunicações ocorram de forma adequada e que todas as informações importantes referentes a ele estejam disponíveis e documentadas.
2.8 Gerenciamento dos riscos
2.8.1 reduzir a probabilidade de um fato indesejável ocorrer no futuro e vir a causar o insucesso do projeto.
2.9 Gerenciamento de aquisições
2.9.1 atividades de compra ou aquisição dos bens ou serviços necessários ao desenvolvimento das diversas etapas do projeto. ; planejamento das aquisições, identificando‑se e selecionando‑se os fornecedores de cada um dos itens necessários; a negociação, elaboração eassinatura de contratos firmados
3 FOCO: Como um gestor de tecnologia da informação pode obter sucesso em seus projetos, garantindo que eles sejam aprovados pela alta gerência e que tragam retornos financeiros para a empresa?
Show full summary Hide full summary

Similar

GESTAO ESTRATÉGICA DE RH
Matheus Miranda
EMPREENDEDORISMO
Matheus Miranda
FUND REDES DADOS E COMUNICACAO
Matheus Miranda
NP1 - Normas Internacionais de Contabilidade
Ramon Faust
Instituições de Direito
Marcos Augusto
NP1 - Governança Corporativa
Ramon Faust
LINGUAGEM E TECNICAS DE PROGR
Matheus Miranda
HISTOLOGIA
Giovana Croce
DESENVOLVIMENTO SUSTENTAVEL
Matheus Miranda
Gestão dos processos produtivos
andry-l
metodologia do trabalho academico
Ailton Oliveira