Oriente Médio

kl.a.b
Mind Map by kl.a.b, updated more than 1 year ago
kl.a.b
Created by kl.a.b almost 5 years ago
48
5

Description

História Mind Map on Oriente Médio, created by kl.a.b on 04/06/2015.

Resource summary

Oriente Médio
1 Antigos impérios no final do século XIX
1.1 Otomano

Annotations:

  • Declinou marcadamente ao longo do século XIX e terminou por ser dissolvido após sua derrota na Primeira Guerra Mundial. Capital: Constantinopla
1.2 Russo

Annotations:

  • o Império Russo é dissolvido, e a imensa maioria de seu território passa a comportar a União Soviética, que por todo o século XX seria um sucessor à altura do que foi o Império nos séculos XVIII e XIX.
1.3 Britânico

Annotations:

  • O Império Britânico foi o maior império em extensão de terras descontínuas do mundo. Era um império composto por domínios, colônias, protetorados, mandatos e territórios governados ou administrados pelo Reino Unido. 
  • O crescimento da Alemanha e dos Estados Unidos tinham começado corroer a liderança econômica do Reino Unido no final do século XIX.
1.4 Francês

Annotations:

  • De um modo linear, o império colonial francês existiu de 1534 a 1980. É considerado marco final do império francês a concessão de independência a Vanuatu,pequeno arquipélago do Oceano Pacífico, em 1980.
1.5 Áustrio-Húngaro

Annotations:

  • Em 1867, o Império Austríaco foi incorporado pela Áustria-Hungria. O Império Austro-Húngaro desmoronou em 1918 com o fim da Primeira Guerra Mundial. 
2 Ocupação do OM e N da África
2.1 Canal de Suez

Annotations:

  • Em 1869, o processo de invasão ocidental foi acelerado com a abertura do Canal de Suez, que deu ao Egito inestimável valor estratégico na política mundial. Um pouco mais tarde, aproveitando-se da fraqueza monetária do paxá do Egito, o primeiro-ministro britânico Benjamin Disraeli, em nome da Rainha Vitória, comprou as ações do canal de Suez.
2.2 Argélia e Tunísia

Annotations:

  • A França anexou a Argélia em 1830 e a Tunísia em 1878
2.3 Egito

Annotations:

  • Os britânicos ocuparam o Egito em 1882, embora o tenha mantido sob soberania nominal otomana.
2.4 Golfo Pérsico

Annotations:

  • Os britânicos também estabeleceram um controle eficaz no Golfo Pérsico
2.5 Líbano e Síria

Annotations:

  • os franceses estenderam sua influência no Líbano e na Síria
2.6 Líbia

Annotations:

  • Em 1912, os italianos tomaram a Líbia e as ilhas de Dodecaneso, ao largo da costa da região central da Anatólia otomana
2.7 Otomano

Annotations:

  • Buscou o alinhamento com os Alemães, de forma a evitar a colonização de suas terras pelas potências Britânica e Francesa.
3 1ª Guerra Mundial

Annotations:

  • A Primeira Guerra Mundial foi uma oportunidade de ouro para as potências europeias que tentaram com êxito explorar a debilidade do Império Otomano para impor seu próprio domínio imperial nessas regiões. 
  • Durante a I Guerra Mundial teve papel proeminente o guerrilheiro Lawrence da Arábia, que lutou contra os turcos em prol da independência dos povos sob seu domínio, unindo forças com o xerife Hussein ibn Ali, o líder de Meca, que liderou a revolta muçulmana contra os Otomanos, sob a promessa de Lawrence para obter uma rápida independência.
4 Sionismo

Annotations:

  • O sionismo foi o movimento que impulsionou a decisão da criação de um Estado independente para os judeus no território palestino. O Primeiro Congresso Sionista foi realizado em 1897.
5 Islamismo

Annotations:

  • O islamismo é a religião fundada pelo profeta Maomé no início do século VII, na região da Arábia.
6 Islã

Annotations:

  • O Islã é o conjunto dos povos de civilização islâmica, que professam o islamismo; em resumo, é o mundo dos seguidores dessa religião. 
7 Muçulmano

Annotations:

  • O muçulmano é o seguidor da fé islâmica, também chamado por alguns de islamita.
8 Fim do Turco-Otomano

Annotations:

  • É um período que se estende de 1908 seguindo o período de declínio do império até 1922 com a Revolução dos Jovens Turcos que leva ao estabelecimento de uma Segunda Era Constitucional e posteriormente a divisão do império entre os vitoriosos da Primeira Guerra Mundial.
9 Da 1ª Guerra ao final da 2ªGM
9.1 Divisão do OM
9.2 Judeu x Palestino
9.3 Problemática do Canal de Suez

Annotations:

  • A companhia Suez de Ferdinand de Lesseps construiu o canal entre 1859 e 1869. No final dos trabalhos, o Egito e a França eram os proprietários do canal. A dívida externa do Egito obrigou o país a vender sua parte do canal ao Reino Unido, que garantia assim sua rota para as Índias.
  • A Convenção de Constantinopla (1888) estabeleceu a neutralidade do Canal que, mesmo em tempos de guerra, deveria servir a qualquer nação.
  • Em 26 de julho de 1956, Gamal Abdel Nasser nacionaliza a companhia do canal com o intuito de financiar a construção da Barragem de Assuã, após a recusa dos Estados Unidos de fornecer os fundos necessários.
  • O Reino Unido, a França e Israel se lançam então numa operação militar, batizada operação mosqueteiro, em 29 de outubro de 1956. A Crise do canal de Suez durou uma semana. A ONU confirmou a legitimidade egípcia e condenou a expedição franco-israelo-britânica com uma resolução.
9.4 Acordo Sykes-Picot

Annotations:

  • O Acordo Sykes-Picot de 16 de maio de 1916 foi um ajuste secreto entre os governos do Reino Unido e da França que definiu as suas respetivas esferas de influência no Oriente Médio após a Primeira Guerra Mundial.
  • O Reino Unido recebeu o controle dos territórios correspondentes, grosso modo, à Jordânia e ao Iraque, bem como uma pequena área em torno de Haifa. A França ganhou o controle do sudeste da Turquia, da Síria, do Líbano e do norte do Iraque. As duas potências ficaram livres para definir as fronteiras dentro daquelas áreas. A Palestina seria colocada sob administração internacional, aguardando consultas com a Rússia e outras potências.
9.5 Colônia árabe na 2ª GM

Annotations:

  • Os fascistas e os nazistas alemães apoiaram os árabes com armas e dinheiro para combater ingleses e judeus.
9.6 Judeus na 2ª GM

Annotations:

  • Estes aliaram-se a Inglaterra em combate ao inimigo comum. Entretanto, em 1942, quando circularam notícias dos campos de extermínio na Europa, grupos judeus passaram a enfrentar tanto árabes quanto britânico e o Haganah passou a trabalhar pelo fim do Mandato britânico na Palestina.
9.7 Independência

Annotations:

  • O Líbano (1943) tornaram-se independente da França. Os territórios controlados pela Inglaterra já eram independentes no papel.  Da retirada da Inglaterra sugiram a Jordânia e o Israel.
  • Egito  Sua independência ocorreu em 1922, quando o povo egípcio rebelou-se e a Inglaterra viu-se obrigada a conceder independência ao país. AfeganistãoEste país tornou-se independente em 1919, logo após o término da primeira guerra mundial.
  • Turquia: 1924  kemalismo - 06 flechas (republicanismo, nacionalismo, populismo, estadismo, secularismo e revolucionarismo) - estado laico - nasce a IRMANDADE MUÇULMANA no Egito, em oposição à laicinização dos estados árabes     
9.8 Declaração de Balfour -1917

Annotations:

  • GB a favor da criação de um lar para os Judeus.
9.9 Tratado de Sévres-1920

Annotations:

  • Dissolução do império Turco Otomano
10 Do Final da 2ª GM até a Rev. Iraniana dos Aiatolás
10.1 Estado de Israel

Annotations:

  • Em maio de 1948, os judeus, liderados por David Bem Gurion, fundaram oficialmente o Estado de Israel.
10.1.1 Condições permitiram sua criação

Annotations:

  •            Apego as tradições De qualquer modo, mesmo dispersos, sem território que os abrigasse, os judeus conseguiram se manter como um povo ou nação, devido ao apego as suas tradições religiosas e culturais.
  •                     Sionismo Movimento nacionalista desenvolvidos entre os judeus que se orientava em recriar uma nação judaica no território de sua pátria ancestral.
  •              Compras de terras Milionários judeus, como a família Rothschilds, doaram dinheiro para os judeus comprarem terras dos proprietários árabes na região, o que fez aumentar a imigração judaica para a palestina.
  •              Mandato Britânico Após  o término da 1ª GM, o Império Britânico impôs seu domínio em diversas áreas do OM, levando o desenvolvimento da infraestrutura e da economia na região. Em 1931, os judeus ultrapassavam cerca de 170 mil e sua colônias agrícolas progrediam.
  •         Resolução 181 da ONU Em 1947, um Comitê Especial das Nações Unidas propôs a partilha da Palestina em um Estado Judeu e um outro Estado árabe-palestino
  •    Declaração de independência Algumas horas antes da resolução da ONU, em 1948, Israel declarou sua independência. EUA e União Soviética reconheceram de imediato. No dia seguinte os árabes se uniram para atacar Israel. Na guerra, Israel conquistou 78% do território palestino, 22% a mais do que a resolução previa.
10.2 A Guerra Árabe-Israelense

Annotations:

  • No dia seguinte a independência de Israel, cinco países da Liga Árabe, Egito, Síria, Jordânia, Líbano e Iraque, apoiados pela Arábia Saudita e pelo Iêmen, invadiram o território do antigo Mandato Britânico da Palestina, iniciando a Guerra árabe-israelense de 1948
10.3 A Crise de Suez
10.4 A Guerra dos Seis dias

Annotations:

  • Em 1967, o Egito, a Síria e a Jordânia mandaram suas tropas até as fronteiras israelenses, expulsando as forças de paz da ONU e bloqueando o acesso de Israel ao Mar Vermelho. Israel viu essas ações como um casus belli para um conflito, iniciando a Guerra dos Seis Dias
  • Israel conseguiu uma vitória decisiva nesta guerra e capturou os territórios árabes da Cisjordânia, Faixa de Gaza, Península do Sinai e as Colinas de Golã
10.5 A RAU

Annotations:

  •    A República Árabe Unida Foi um país que nasceu da união entre as repúblicas do Egipto e da Síria, estabelecida em 1º de fevereiro de 1958, como um primeiro passo a caminho de uma "nação pan-árabe", com a união do Egito nasserista, da Síria e, durante um curto período, do Iêmen
10.6 A Guerra do Yon Kippur

Annotations:

  • um conflito militar ocorrido de 6 de Outubro a 26 de Outubro de 1973, entre uma coalizão de estados árabes liderados por Egipto e Síria contra Israel.
  • O episódio começou com um ataque inesperado do Egipto e Síria. Coincidindo com o dia do feriado judaico Yom Kippur, Egipto e Síria cruzaram as linhas de cessar-fogo no Sinai e na Colinas do Golã, respectivamente, que vinham capturadas, por Israel, já em 1967 durante a Guerra dos Seis Dias.5
  • Este desenvolvimento levou as duas superpotências da época, os EUA, defender os interesses de Israel, e a URSS, dos países árabes, a uma tensão diplomática. Mas um cessar-fogo das Nações Unidas entrou em vigor de forma cooperativa em 25 de outubro de 1973
10.7 OLP

Annotations:

  • Org. para a  Libertação da palestina Fundada durante um encontro de 422 figuras nacionais palestinas em Jerusalém, em maio de 1964, depois de uma decisão anterior da Liga Árabe, sua meta era a libertação da Palestina através da luta armada.
  • O grupo utilizou-se de táticas de guerrilha para atacar Israel a partir de suas bases na Jordânia, Líbano e Síria, assim como de dentro da Faixa de Gaza e da Cisjordânia.
  • A OLP foi considerada tanto pelos Estados Unidos quanto por diversos outros países ocidentais como uma organização terrorista, até a Conferência de Madri, em 1991, e por Israel até 1993, pouco antes dos acordos de Oslo
  • Em 1988 a OLP passou a apoiar oficialmente uma solução bi-estatal, com israelenses e palestinos vivendo lado a lado
  • Em 1993 o então presidente da OLP, Yasser Arafat, reconheceu o Estado de Israel numa carta oficial ao primeiro-ministro daquele país, Yitzhak Rabin. Em resposta à iniciativa de Arafat, Israel reconheceu a OLP como a representante legítima do povo palestino.
10.8 Independencia

Annotations:

  • A Síria_ 1946
10.9 Mandato

Annotations:

  • Fim do mandato inglês sobre a Palestina 
10.10 Conferência de Bandung

Annotations:

  • 1955 - Conferência de Bandung e a formação do Bloco dos Não Alinhados;     
10.11 Oficiais livres

Annotations:

  • Movimento Oficiais Livres no Iraque - deposição da monarquia aliada da GB e ascensão de Saddam Hussein     
11 Reflexos da descolonização para Rg

Annotations:

  • 1) O SURGIMENTO DE CÉLULAS TERRORISTAS  2) O AGRAVAMENTO DO EXTREMISMO RELIGIOSO 3) CONTRARIEDADE À CRIAÇÃO DO ESTADO JUDEU   4) OCORRÊNCIA DAS CRISES DO PETRÓLEO 5) RECRUDESCIMENTO DA DISPUTA POR ÁREA DE INFLUÊNCIA 6)RECRUDESCIMENTO DOS ANTAGONISMOS ENTRE ÁRABES E JUDEUS 7) AUMENTO DA MIGRAÇÃO DE PALESTINOS(DIÁSPORA) 8) AUMENTO DA DISPUTA PELOS RECURSOS ESTRATÉGICOS 
12 Síntese

Annotations:

  • Em síntese, conclui-se que processo de descolonização europeia no Oriente Médio, no período compreendido entre 1916 e 1980 promoveu importante aumento na instabilidade da região, principalmente no segundo período, gerando reflexos para a região.    
13 Razões para persistência das crises

Annotations:

  • 1) A crise do mandato britânico   2) A proposta de divisão   formulada pela ONU   3) A independência do Estado de Israel   4) As vitórias  israelenses nos conflitos árabes-israelenses   5) A diáspora palestina   6) A contrariedade israelense em devolver os territórios conquistados   7) A interferência norteamericana na região   8) A ocorrência da Revolução Iraniana   9) As limitações  econômicas da região   10) As disputas por áreas estratégicas (água)  
  • 11) O recrudescimento do fundamentalismo islâmico  12) A ascensão do Estado laico 13) Os ressentimentos mantidos pelo povo árabe 14) A incapacidade de obtenção de acordos de paz  15) A disputa ideológica entre Rússia e EUA  16) A ocorrência do extremismo religioso  17)O programa nuclear iraniana 18) O controle israelense de áreas comum ao judaísmo, cristianismo e islamismo 19)  A ocorrência de movimentos jihadistas 20) Alteração de fronteiras (Guerra dos Seis Dias)     
Show full summary Hide full summary

Similar

Oriente Médio: conflitos no Irã, Iraque e Afeganistão.
Lucas Villar
Projeto Med 2015: História e Geografia
elisacoltro
Períodos da História do Brasil
GoConqr suporte .
História do Brasil - Período Colonial
alessandra
Hebreus, Fenícios e Persas
Júlia Flores
Mercantilismo
Professor Junior
Brasil: Primeiro Reinado e Período Regencial
Professor Junior
A CIVILIZAÇÃO ROMANA
Lucas Villar
Iluminismo
Priscila Reinaldo
SEGUNDO REINADO
Lucas Villar
Feudalismo
Malu Miralha