FÍGADO

Teixeira  Gonçalves
Mind Map by Teixeira Gonçalves, updated more than 1 year ago
Teixeira  Gonçalves
Created by Teixeira Gonçalves over 4 years ago
16
1

Description

Mind Map on FÍGADO, created by Teixeira Gonçalves on 12/30/2015.

Resource summary

FÍGADO
1 1. Gândula anfícrina (exócrina e endócrina) anexa ao s. d.
1.1 2. No quadrante anterior esquerdo da cavidade abdominal
2 3. Aspecto externo
2.1 REGIÃO ANTERIOR: Convexa, voltada p/ diafragma
2.1.1 REGIÃO POSTERIOR: Côncava, voltada p/ vísceras abdominais. Tem hilo ou porta hepática (onde vasos sanguíneos entram, saem, vasos linfáticos e ductos que conduzem a secreção exócrina do fígado ao intestino )
2.1.1.1 DIVISÃO EM LOBOS: 4, mas depende da espécie; Proporcional à mobilidade da coluna vertebral
3 SUPRIMENTO E DRENAGEM VASCULAR: Recebe sangue da artéria hepática e da veia porta
3.1 VEIA PORTA: Convergência de veias vindas do baço, do estômago, do pâncreas e do intestino. Nutrientes absorvidos no intestino é processado pelo fígado antes de serem distribuídos.
3.1.1 Sangues venoso e arterial vindos do fígado desembocam na veia hepática, que desemboca na veia cava caudal -> coração
4 ESTRUTURA HISTOLÓGICA
4.1 1.PARTICULARIDADES
4.1.1 Parênquima MUITO grande para um estroma escassíssimo. A diferença em outras gls. é menor
4.2 2. ESTROMA: Cápsulas (bem delgada e delimita completaLY o órgão) e trabéculas. É de tecido conjuntivo denso não modelado frouxamente aderido à superfície do órgão
4.2.1 3. Estroma de tecido conjuntivo denso não modelado frouxamente aderido à superfície do órgão, que produzem invaginações penetrantes no órgão dividindo-o em compartimentos. Trabéculas; milhares destas no camelo e suínos.
4.2.1.1 4. Revestimento externo: Dentro da cavidade abdominal, é envolvido, pois, por serosa, PERITÔNIO VISCERAL
4.2.2 5. Parênquima
4.2.2.1 A) Cél. poligonal, agrupada compactamente
4.2.2.1.1 B) Juntam-se a formar placas de até 2 céls de espessura; Cordões de céls.: Grupos de céls ligadas entre si com só um dimensão considerável: comprimento; PLACAS: Altura + largura de mais de uma célula; P/ formar mais de uma placa precisa de espaço vascular
4.2.2.1.1.1 C) Superfície LATERAL ligada a outro hepatócito; são fortemente unidos por junções oclusivas, exceto no centro, q se cria um canal; S. LIVRE: voltada p/ componente vascular; tem séries de microvilosidades para facilitar trânsito
4.2.2.1.1.1.1 D) Hepatócito: Mononuclear, mas pode ter binucleado; rico em organelas, p/ produzir proteínas pra si e pra exportação;cheios de inclusões (gotículas lipídicas e glicogênio)
4.2.2.1.1.1.1.1 E) Vida longa, baixa atividade mitótica, sendo altíssimo quando estimulado
4.2.2.1.1.1.1.1.1 LÓBULO HEPÁTICO CLÁSSICO
4.2.2.1.1.1.1.1.1.1 1.Vários hexágonos/polígonos juntos
4.2.2.1.1.1.1.1.1.1.1 2. Subdivisões do parênquima hepático poligonalmente, sendo penta/hexagonais delimitados por tímidos t. conj.
4.2.2.1.1.1.1.1.1.1.1.1 3. De forma radial. hepatócitos formam placa em torno de veia central (centrolobular). SINUSOIDES: entreas placas, espaços brancos, convergidos p/ essa veia
4.2.2.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1 4. VÉRTICES DE LÓBULO CLÁSSICO/ESPAÇO PORTA, TRÍADE OU ÁREA PORTAL: + tec. conjuntivo COM RAMO DA ARTÉRIA HEPÁTICA, RAMO DA VEIA PORTA e DUCTO BILIAR INTERLOBULAR
4.2.2.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1 HISTOFISIOLOGIA
4.2.2.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1 FLUXO DE SANGUE
4.2.2.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1 Periferia -> Centro; Sangue chega pela artéria e veia porta, que se ramificam pela periferia do lóbulo hepático clássico; Na margem dele os sangues venoso e arterial são desembocados nos sinusoides -> veia centrolobular
4.2.2.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1 Os sangues são conduzidos pela barreira de céls. endoteliais do sinusoide (canal cheio de fendas que permite trocas de subst.)
4.2.2.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.2 Outra condução: ESPAÇO PERISSINUSOIDAL ou ESPAÇO DE DISSE (compartimento microscópico entre a cél. endotelial e a superfície livre do hepatócito): lança secreções endócrinas, devolve nutrientes ....
4.2.2.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.2.1 O sangue já flui lento pelo sinusoide, e ainda extravasa pro espaço de Disse, FAVORECENDO O INTERCÂMBIO DO HEPATÓCITO E PLASMA
4.2.2.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.2.1.1 FIBRAS RETICULARES: Estabiliza tudo e, seu lugar. Mantem o hepatócito, sinusoide em seus lugares e impede o colapso do espaço de Disse
4.2.2.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.2.1.1.1 Tipos celulares residentes
4.2.2.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.2.1.1.1.1 1. CÉLS. DE KUPFFER: Macrófagos residentes hepáticos policiam já que nesse local há muita facilidade de intercâmbio
4.2.2.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.2.1.1.1.1.1 2. CÉLS NK: Linfócitos neutros e ágeis que ajudam as céls. de Kupffer a policiar (eliminar agentes estranhos)
4.2.2.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.2.1.1.1.1.1.1 3. CÉLS. DE ITO: Armazena gotículas lipídicas & vitamina A [D, E e K]
4.2.2.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.2 FLUXO DA BILE
4.2.2.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.2.1 Centro -> Periferia. Como a bile é secreção exócrina, não pode se misturar ao sangue. Por isso a bile é lançada em canais (retração da membrana de um hepatócito e outro), compartimento à parte
4.2.2.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.2.1.1 Inicialmente, a bile começa nos canalículos biliares (sem parede própria, só dos hepatócitos retraídos)
4.2.2.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.2.1.1.1 Na periferia do lóbulo hepático clássico, esse canalículo terá parede própria. Aí se chama COLANGÍOLOS -> Canais de Hering -> DUCTO BILIAR EINTERLOBULAR
4.2.2.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.2.1.1.1.1 Céls. que compõem as paredes dos ductos biliares: LEVAM A BILE ATÉ O INTESTINO, PRODUZEM FLUIDO ALCALINO que ajuda a neutralizar o quimo vindo do estômago.
4.2.2.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.2.1.1.1.1.1 BILE ->(traz íons alcalinos que ajuda a neutralizar o quimo [no]) --> Duodeno
4.2.2.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.2.1.1.1.1.1.1 Secreção endócrina -> veia centrolobular (centro do l.h. clássico)
4.2.2.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.2.1.1.1.1.1.1.1 Secreção exócrina -> ducto biliar interlobular [ácino que lança secreção radialmente]
4.2.2.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.2.1.1.1.1.1.1.1.1 Essa distinção induz a criação de um novo sistema de de divisão do parênquima hepático, que centralize DUCTO INTERLOBULAR DO ESPAÇO PORTA
4.2.2.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.2.1.1.1.1.1.1.1.1.1
4.2.2.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.2.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1 Análise de doença: Zona 1, 2 e 3 [?...] [ducto sempre vai ser o espaço porta?....]
4.2.2.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.2.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1 LÓBULO PORTAL
4.2.2.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.2.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1 1. Triangular, cujo centro é o ducto biliar interlobular do espaço porta (destino da secreção exócrina) e os vértices são as veias centrolobulares de 3 lóbulos clássicos vizinhos
4.2.2.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.2.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1 2. Bile vinda dos hepatócitos do triângulo é destinada p/ ducto biliar interlobular do centro.
4.2.2.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.2.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1 * Se houver, pois, obstrução relacionada ao fluxo de bile, não se danifica o lóbulo hepático clássico completo e criam-se lesões em forma triangular
4.2.2.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.2.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1 ÁCINO PORTAL OU Á. HEPÁTICO
4.2.2.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.2.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1 Forma de losango, diamante, cujo centro é o tec. conj. que separa 2 lóbulos clássicos vizinhos e aos vértices , veias centrolobulares desses lóbulos clássicos.
4.2.2.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.2.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1 * HIPÓXIA, INTOXICAÇÃO ALIMENTAR: Hepatócitos mais internos, pertos das veias centrolubulares, morrem, caracterizando lesões em forma de triângulos pequenos próximos da veia centrolobular
4.2.2.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.2.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1 SUBDIVISÕES
4.2.2.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.2.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1 Zonas: 1, 2, 3;
4.2.2.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.2.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1 HIPÓXIA: Morte começa dos hepatócitos da zona 3
4.2.2.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.2.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.2 INTOXICAÇÃO ALIMENTAR: Morte começa dos hepatócitos da zona 1 pq a toxina é absorvida pelo intestino e vem pela veia porta. Lesões em forma oval
4.2.2.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.2.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.2.1 Tríade portal
4.2.2.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.2.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.2.1.1 FUNÇÕES:
4.2.2.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.2.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.2.1.1.1 1. SECRETAR (endócrina) BILE (emulsificante); Enzimas -> Gotículas lipídicas & (exócrina) PTROTEÍNAS PLASMÁTICAS E ALGUNS MENSAGEIROS QUÍMICOS)
4.2.2.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.2.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.2.1.1.1.1 2. EXCRETAR toxinas pela bile
4.2.2.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.2.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.2.1.1.1.1.1 3. Armazena glicose e vitaminas
4.2.2.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.2.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.2.1.1.1.1.1.1 4. Defesa: Céls de Kupffer
4.2.2.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.2.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.2.1.1.1.1.1.1.1 5. DETOXICAÇÃO: Eliminar subst. tóxicas
4.2.2.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.2.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.2.1.1.1.1.1.1.1.1 6. HEMOPOIESE e HEMOCATERESE : Produção eliminação de hemáceas
4.2.2.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.2.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.2.1.1.1.1.1.1.1.1.1 METABOLISMO: Glicogênese e glicólise
Show full summary Hide full summary

Similar

Fígado
Sabrina Dias
FÍGADO
cida siebra
DIgestão enzimas e processos.
rosana soares
Neoplasias de fígado
Drive Med
Doenças não-neoplásicas do fígado
Drive Med
Digite seu texto aqui
Emanuelle Alcantara
Roteiro Figado
EMANUEL ANGELO
Glicose
DanY GossMutz
Figado
cida siebra
FÍGADO (órgão vital)
Victória Lacorte