Trazendo de volta o espaço: A construção generativa

tatiane alves
Mind Map by tatiane alves, updated more than 1 year ago
tatiane alves
Created by tatiane alves almost 4 years ago
53
1

Description

Neste artigo, refletiremos sobre a arquitetura, gestão e teoria organizacional, em termos das suas mútua implicações. Nosso foco é principalmente sobre uma implicação tácita na mainstream da teoria organizacional, que tem uma arquitetura Gênesis. No passado, a gestão tem sido amplamente defendida por uma racionalidade Cartesiana, visto mais claramente no argumento de que a estrutura segue a estratégia. Do ponto de vista arquitetônico, o cartesianismo está presente na injunção que a forma segue

Resource summary

Trazendo de volta o espaço: A construção generativa
1 1 -Arquitetura e organização
1.1 explorar a interdependência entre espaço físico e do comportamento organizacional (Horgenet).
1.2 foco é na otimização da utilização do espaço
1.3 Markus e Cameron analisaram a organização em hospital, salientando a importancia dos arranjos espaciais de organizações em relação a um objetivo estratégico
1.4 Markus e Cameron pesquisaram a sede da Scandinavian Airlines to illuminate the limits of design seeking to realize rationally planned change
1.5 Um novo discurso de escritório de design foi estabelecido e capturado pelos Joroff et al . (2001:21), que argumentam em seu manifesto para o "trabalho agil", que é "obriga nos a ver... a trabalhar de novas maneiras.
1.5.1 ." O novo discurso de organização design procurou superar a rotina e parâmetros estáticos.
1.6 Markus e Cameron descobriram que 64% de todas as interações aconteceram em escritórios individuais e não nas multi-salas, café, lojas e salas de reunião. o que determinou o resultado foi a integração ou segregação espacial, dentro do bloco ou todo o prédio, específicos de trabalho em si e não o seu tipo - como rotuladas e projetado"
1.7 Allen - Interação em ambientes,a idéia é criar motivos para a circulação de pessoas entre diferentes subsistemas ,tem um efeito direto sobre a comunicação"
1.8 Lars Spruybroek - Mapeamento dos movimentos desejados no prédio. "tendo em pensamento reflexivo e não- discursivo, ou configuracional, aspectos de espaço e formas em edifícios".
1.9 Arquitetos e urbanistas lidam com conceitos derivados da teoria de gestão e de organização: eles refletem sobre a organização espacial dos edifícios; analisam a profundidade organizacional de um edifício; falam de “Gestão de mudança Urbana” eles estão preocupados com o planeamento urbano;
1.10 Para reduzir a questão de espaço a um mero problema de saber o que ele contém é, como Lefebvre (1991: 94) sugere, mais do que um simples erro, porque o espaço é uma morfologia social"
1.11 Tanto o Le Corbusier e Gropius tinham opiniões semelhantes sobre os poderes do planejamento. "Sem um plano, você tem uma falta de ordem e a libertinagem"
1.12 As semelhanças de projetos arquitetônicos com designs organizacionais (em se baseado em um imperativo de controle: Clegg e Dunkerley 1980) são impressionantes, mas não surpreendente, porque aquilo que estamos a ver em cada um é a elaboração de uma política comum em matéria de património Cartesiano.
1.13 em arquitetura e organizações, o planejamento de um desenvolvimento previsível e controlável é a força motriz.
2 2 -forma x função
2.1 UTILIDADE - "Aquilo que poderia parecer útil hoje pode se tornar o obstáculo para o sucesso de amanhã. "
2.2 Novas funções evoluem a partir de formas
2.2.1 Novas competências e novas funções emergem após e melhor, durante o processo quando o órgão é montado com outros elementos. "não existe lógica pré formada para mudanças e multiplicidades". Não há nenhum plano de pré-determinado. Assim podemos concluir que não devemos procurar soluções dentro de um quadro pré-determinado, mas concentrar-se em formas e novos arranjos espaciais a partir de onde emergem novas funções.
2.3 A estratégia determina a estrutura e a forma segue a função
2.4 Espaço antes, durante e após o 11 de setembro (Imperialismo, terror e lembrança)
2.4.1 O consultor de segurança se torna o consultor líder em vez de o arquiteto. Bankers a prosperar em vez de arquitetura.
2.4.1.1 As pessoas saberão onde estão e quem são e podem não gostar do que eles encontrarão
3 3 -Função e forma
3.1 Tal como a sociedade pode ser espacializada na sua organização, desta forma espaço pode ser re-socializado
3.2 o principal obstáculo para uma melhor concepção é a "falta de compreensão da natureza exata da relação entre organização espacial e vida social"
3.3 A partir da década de 70, o discurso arquitetônico reflete cada vez mais a sua dimensão política, questionando o pensamento e planejamento arquitetônico dominante
3.3.1 foi lançada uma crítica da chamada pós-moderna da teoria arquitetônica, entendida como centradas na estética em vez da política, e assim como "desprovida de conteúdo político para as pessoas afetadas, mais de elite e quanto mais removido da avaliação política das pessoas comuns se tornam os peritos que utilizam esta moeda
3.4 "A vigilancia cria sujeitos que se disciplina" - FOUCALT
3.4.1 disciplina "produto da distribuição dos indivíduos no espaço
3.4.1.1 A disciplina organiza um espaço analítico
3.5 O poder e a arquitetura são inseparaveis e misturados. "O mecanismo panóptico é uma maneira de fazer uma relação de poder funcionar em uma função, e de fazer uma função através destas relações de poder" Foucault. O exercício do poder não é adicionado a partir do exterior, funciona a partir do interior, é inscrito no coração da organização espacial: de fato, arquitetura é poder.
3.6 A arquitetura é um poderoso meio de orientar e redirecionar a nossa atenção, sentimentos e pensamentos para determinados pontos através da organização de estruturas espaciais -
3.7 Muitas vezes o espaço planejado não cumpre seu papel. A resistência é normal
3.8 Markus (1993) argumenta que o poder do espaço podem materializar-se em três diferentes tipos de edifícios: edifícios que forma pessoas (tais como escolas ou prisões), edifícios que produzam conhecimento (tais como bibliotecas e museus), e edifícios que produzem e trocam as coisas (tais como workshops e mercados). Em organizações, estes três tipos se misturam e as suas fronteiras a desfocagem
4 4 - Espaço, Energia e gerenciamento: o edifício generativo
4.1 O conhecimento subentendido dos indivíduos é essencial para o conhecimento da gestão
4.2 Ao se projetar um edificio, problemas com alocação de pessoas podem acontecer, Estes e muitos outros esforços, seria razoável "as medidas a tomar a fim de produzir um plano de construção racional e eficiente
4.3 sistemas caóticos têm dificuldade em evolução. Melhorar ou progredir. A arquitetura acontece no limite do caos, porque em uma ordem demasiadamente simples o edifício se torna chato e excessivamente ligado é muito complicado
4.4 pessoas com laços fracos são mais propensas a quebrar os limites . A principal tarefa se torna em combinar a proteção do solitário com a mais natural geração da casualidade presença dos outros
4.5 Um edifício generativo combina e as organizações precisam do caótico, ambíguo e incompleto espaço
4.6 Edifícios generativo deve criar margens onde as coisas estão acoplados de modo que eles podem agir, reagir e interagir de forma flexível
4.7 Um edifício generativo será um espaço onde podem ocorrer problemas. Ele não será acionado pelo funcionalista crença de que a forma segue a função. Em vez disso, ele explora o potencial das formas alternativas que dão origem a novos problemas e perguntas
4.8 Reduzida a uma fórmula, na arquitetura moderna forma segue a função; na arquitetura da complexidade, essa imagem é invertida, como forma evoca a função (Venturi 1966: 34).
4.9 Um edifício generativo reflete os movimentos, não condições estáticas
4.10 sobre o modo como vamos organizar espaço e como estamos organizados pelo espaço.
4.11 Arquitetura líquido não procura impor uma hierarquia, mas para compor as forças criativas que o fluxo, onde fluxo e mover no espaço
4.12 interação entre os diferentes espaços e campos não é apenas expresso, mas ativamente criados através de formas e materiais: através de vidro, aço, tijolos, massa,
5 conclusão
5.1 O edifício generativo se distingue a partir de um terminal em construção em cinco aspectos: (des)ordem, flexibilidade, problema geração, circulação e design.
5.2 a problemática organizacional da materialidade e seu arranjo espacial de concreto como uma força motriz por trás de cada processo de mudança e transformação organizacional.
5.3 Gerenciar o espaço de forma criativa necessita de um prédio generativo
5.4 . Um edifício generativo convida os seus habitantes para se tornar “arquitetos ilegais” (
5.5 Arquitetos ilegais utilizam poder estabelecido e a suas manifestações arquitetonicas, abrindo espaços fechados e fechando temporariamente espaços abertos
5.6 Arquitetura de guerrilha / arquitetura sem arquitetos
5.7 O espaço, o palco no qual as pessoas podem interagir livremente e de promulgar as suas ideias de forma criativa
6 Espaço pode ser pensado como uma ausência de presença, como um grande vazio, algo como que uma pessoa pode ser perder.
7 Espaço preenchido de significados e presenças por alguns e e sem significado para outros em função da ausência que poderão ser herança para as gerações futuras
8 A materialidade do espaço tem significado social. Um quarto x um ninho de amor
9 O espaço é o resultado das ações que propõe
10 teoricos da gestão demonstra poderosamente a importância do espaço em vários momentos da literatura
11 Metáforas arquitetônicas têm sido utilizados na teoria da organização No entanto, permanece na teoria mainstream da organização e gestão. Metáforas, como bem sabemos, têm muitas vezes consequências não reconhecidas para teorizar.
12 Arquitetura pode ser entendida como uma ciência, de que os edifícios são os experimentos em grandes escala, das metáforas espaciais (Praça, fóruns e torre), que constituem o seu discurso. Ao contrário de um artigo científico que traduz as ações em palavras, arquitetura reflete sobre a tradução de palavras em estruturas
Show full summary Hide full summary

Similar

Arte do Renascimento Séc.XV - XVI
paulaqueiroz
6 ESTRATEGIAS AUDACIOSAS PARA SER UM PROFISSIONAL REQUISITADO NO MERCADO DA CONSTRUCAO CIVIL DE ARQUITETURA, ENGENHARIA E DESIGNER DE INTERIORES
Nataniel Neto
Organização e Arquitetura de Computador
Rodrigo Gomes
Macetes para Fórmulas de Física
Marina Faria
Cultura, mudança, poder, política e processos organizacionais
Jean Silva
Apresentação da aula 2- ORGANIZAÇÃO TÉCNICO-CIENTÍFICA
Bárbara Bezerra
SIMULADO IBGE 2016 - GEOGRAFIA - Organização Politico Administrativa I
Alex Farias
Funções básicas da administração
Luanna Cavalcanti
Cultura, mudança, poder, política e processos organizacionais
osmar oliveira
Cultura, mudança, poder, política e processos organizacionais
Cleime José da Silva
Geografia Geral e do Brasil
Magno Goulart