Fissuras Labiopalatinas

Maira Lima
Mind Map by Maira Lima, updated more than 1 year ago
Maira Lima
Created by Maira Lima over 4 years ago
6
1

Description

Odontologia (Mapas mentais Maira) Mind Map on Fissuras Labiopalatinas, created by Maira Lima on 10/07/2016.

Resource summary

Fissuras Labiopalatinas
  1. o que são? são malformações congênitas de alta incidência e com origem embriológica. Tais fissuras ocorrem em virtude da falta de fusão entre os processos faciais embrionários e os processos palatinos, apresentando uma etiologia multifatorial
    1. prevalencia: varia de acordo com a região geografica, grupos étnicos, gênero, hábito materno de fumar até o 3º mês de gestação, história familiar de fissuras, classificação socioeconômica, e faixas etárias materna e paterna. fissura de maior prevalência é a transforame (59,9%),
      1. o que a fissura labiopalatina pode gerar? As fissuras labiopalatinas desencadeiam uma série de alterações que podem comprometer severamente a fala, a alimentação, o posicionamento dentário e a estética. Sem o devido tratamento, as fissuras podem provocar sequelas graves, como a perda da audição, problemas de fala e déficit nutricional, além do sofrimento com o preconceito A fenda pode se estender até o palato, ocorrendo maior risco das crianças aspirarem o alimento, provocando infecções como otites e pneumonias, uma vez, que nesses casos, há comunicação buconasal. As otites podem causar prejuízos no desenvolvimento da fala e linguagem. As anemias também são frequentes nos pacientes com fissuras labiopalatinas, devido a dificuldade em se alimentarem. O aleitamento materno, embora dificultoso para o paciente, especialmente em casos de fissura palatina, é indicado para evitar infecções, combater a anemia e fortalecer a musculatura da face e boca, além de manter a produção d
        1. tratamento; O tratamento deve visar à correção da aparência, fonação, audição, mastigação e deglutição do pacienteé possível a total reabilitação do paciente com fissura labiopalatalina, sendo que quanto mais cedo a intervenção, melhor. O tratamento dependendo do tipo de fissura, é longo, tem início desde o nascimento indo, em alguns casos, até a fase adulta, passando por várias cirurgias corretivas e estéticas. A maioria das crianças afetadas por fissuras orofaciais é tratada por uma equipe multiprofissional, envolvendo Medicina, Odontologia, Fonoaudiologia, Fisioterapia, Psicologia, Enfermagem, Serviço Social, Recreação, Educação e Nutrição, que acompanharão o paciente do nascimento até a idade adulta
          1. papel do cd; o papel do cirurgião-dentista na abordagem do paciente com fissura labiopalatina não se deve restringir apenas ao tratamento odontológico. No primeiro contato, deve haver uma aproximação com o paciente e a família, a fim de conhecer a saúde geral deste, para melhor tratá- lo. Também, o tratamento odontológico deve ser considerado como um programa permanente da saúde bucal, com a integração de medidas preventivas e reabilitação bucal. O sucesso do tratamento odontológico desses pacientes tem como base a tríade: paciente, cirurgião-dentista e cuidador. Sendo que o cirurgião-dentista tem um papel fundamental na reabilitação da fissura labiopalatina, mas o completo estabelecimento da saúde bucal e geral do paciente só será possível com a efetiva participação de uma equipe multidisciplinar, com ênfase na relação de confiança desta com o paciente e com a sua família.
            1. O cirurgião-dentista é um profissional que está presente no pré e pós-operatório desses pacientes. O seu trabalho vai desde o aconselhamento aos pais para a promoção da saúde bucal até a intervenção para o controle das doenças bucais e atendimento especializado na reabilitação cirúrgica, ortodôntica e protética
            2. como são formados? A partir da migração das células da crista neural se forma o tecido conectivo e o esqueleto da face na terceira semana de vida intrauterina. Por volta da sexta semana do desenvolvimento embrionário, as estruturas faciais externas completam sua fusão, e as internas completarão-se-ão até o final da oitava semana, porém, nesse período, pode ocorrer uma falha na fusão do processo frontonasal com o processo maxilar, ocasionando a fenda labial. A falha de penetração do tecido mesodérmico no sulco ectodérmico da linha média do palato posterior a lateral da pré-maxila ocasiona a fissura palatina
              1. etiologia: Dentre os fatores etiológicos que parecem estar mais frequentemente relacionados a esta anomalia estão: hipervitaminose A, estresse emocional, uso de corticoides, consanguinidade, viroses, radiações ionizantes, alcoolismo, uso de drogas, trauma mecânico e hereditariedade Ainda, outros teratogênicos podem aumentar o risco de uma mãe conceber um filho com fissura labiopalatina quando exposta nos primeiros meses de gravidez. Por exemplo, fissuras labiopalatinas podem ser causadas pela ingestão materna de drogas anticonvulsivantes durante a gestação, bem como devido a prática de tabagismo.
                1. tratamento multidisciplinar: a colaboração entre as diversas áreas é fundamental, não devendo haver supremacia de certa ciência em detrimento de outra. Supõe-se reciprocidade e interação de conhecimentos, respeitando a postura ideológica pessoal e profissional de cada elemento da equipe. Assim, é muito importante que a equipe multidisciplinar esteja envolvida nessa reabilitação. A troca de informações entre os profissionais é fundamental para o tratamento da criança, pois um fator interfere diretamente no outro, no que diz respeito aos dentes, à fala, à face, às funções alimentares e ao desenvolvimento psicossocial.
                  1. alterações bucais: como dentes supranumerários, microdentes, erupção dentária ectópica, dentes natais, neonatais e intranasais, atraso na erupção e na formação dentária. No entanto, a anodontia é a anomalia dentária mais frequentemente observada em pacientes com fissuras de lábio e palato, afetando principalmente o incisivo lateral do lado da fissura As anomalias dentárias são diferenciadas por meio de número, tamanho, forma, desenvolvimento e erupção, e a sua intensidade parece depender da severidade da fissura. Embora apareçam na dentição decídua, prevalecem na dentição permanente, e na maxila sua incidência é maior do que na mandíbula. Portanto, as más oclusões são frequentes, com mordidas cruzadas anterior e posterior manifestando-se já na dentadura decídua, devido às anomalias dentárias citadas anteriormente. As cirurgias realizadas para fechamento de lábio e palato interferem no crescimento facial e do arco dentário superior, resultando em faces retrognáticas e maxilas atrésic
                    1. reação dos pais: os pais do indivíduo com fissura ficam desorientados quanto aos procedimentos necessários ao estabelecimento do bem-estar da criança. Assim, após o nascimento ou no pré-natal, surgem dúvidas de como cuidar do bebê e de como será seu tratamento reabilitador. Os pais que descobrirem seu filho com fissura labiopalatina devem procurar todos os tipos de orientações para possibilitarem a total reabilitação do seu filho. É indicado que os pais permaneçam tranquilos, pois a rejeição, negação e sentimento de culpa podem ser considerados normais no primeiro momento, mas com ajuda profissional, tanto os pais quanto o bebê poderão ter uma vida saudável e feliz
                      1. diagnostico: graças ao aperfeiçoamento da ultrassonografia, é possível diagnosticar anomalias faciais a partir da 14ª semana de gestação. Possibilitando situações em que o aconselhamento e condutas poderão ser planejadas antecipadamente, evitando trauma psicológico aos pais. Isso permite também que, logo após o nascimento, a cirurgia corretiva seja realizada. Hoje, já existem técnicas que permitem a realização da cirurgia precoce, até com uma semana de vida do indivíduo acometido
                        Show full summary Hide full summary

                        Similar

                        CÉLULAS
                        Lucas Rocha
                        Questionário - Sistema Nervoso
                        Letícia Pereira
                        MUCOCELE
                        g_moura12
                        Questionário - Sistema Digestivo/ Orgãos anexos ao sistema digestivo
                        Letícia Pereira
                        Antibióticos
                        Carollina Rodrigues
                        Anomalias de Desenvolvimento
                        Cézar Augusto Meira Carmo
                        ASB - Cirurgia
                        Yandra Oliveira
                        O córtex suprarrenal: cortisol
                        Lucas Mariz
                        RESTAURAÇÕES INDIRETAS EM RESINA COMPOSTA EM DENTES POSTERIORES
                        Júlia Oliveira