Mapa Mental Gestão Ambiental Saulo

Saulo Grace Espi
Mind Map by , created over 5 years ago

Mind Map on Mapa Mental Gestão Ambiental Saulo, created by Saulo Grace Espi on 04/10/2014.

34
2
0
Tags No tags specified
Saulo Grace Espi
Created by Saulo Grace Espi over 5 years ago
Themes in Pride and Prejudice
laura_botia
Economics
Emily Fenton
Geography: Population
ameliaalice
Music symbols
Sarah Egan
SFDC App Builder 1 (126-150)
Connie Woolard
ExamTime's Getting Started Guide
PatrickNoonan
Unit 3.1: Marketing
nk_
English Language Techniques
Zakiya Tabassum
Resumo para o exame nacional - Felizmente Há Luar!
miminoma
ICT Revision 2014
11RaceyG
Meio Ambiente
1 Evolução da Preocupação Ambiental BOGO
1.1 Modo de Pensar foi o crescimento da consciência ecológica, na sociedade, no governo e nas próprias empresas, que passaram a incorporar essa orientação em suas estratégias.
1.1.1 A proteção ambiental era vista como uma questão marginal, custosa e muito indesejável, a ser evitada; em geral, seus opositores argumentavam que ela diminuía a vantagem competitiva da empresa.
1.1.1.1 o processo de globalização que iniciou-se nos anos 70, época em que ocorreram o primeiro e o segundo choque do petróleo, o aumento da taxa de juros em 1979 e às crises de regulações nacionais que deles resultaram.
1.1.1.1.1 Segundo Donaire (1995), o mais bem sucedido desses programas, desenvolvido por Georg Winter em 1989, foi o Sistema Integrado de Gestão Ambiental, conhecido hoje simplesmente com o Modelo Winter.
1.1.1.1.1.1 Tomando o meio ambiente como um cliente e pela redefinição de limites nas necessidades dos clientes para incluir produtos manufaturados ambientalmente sadios com processos ambientalmente saudáveis, o TQM tem o potencial de prover soluções sustentáveis as quais são "corretas" com o meio ambiente.
1.1.1.1.1.1.1 "Revolução no pensamento administrativo" É a orientação para o consumidor, o respeito pela humanidade como filosofia de administração, entre outras.
1.1.1.1.1.1.1.1 Principais paradigmas a serem alterados na mudança da cultura empresarial: ADMINISTRAÇÃO AMBIENTAL O ambientalismo superficial aceita o paradigma mecanicista dominante. ADMINISTRAÇÃO ECOLÓGICA A ecologia profunda envolve a mudança para uma visão do mundo holística e sistêmica.
1.1.1.1.1.1.1.1.1 "O objetivo do gerenciamento ecológico é minimizar o impacto ambiental e social das empresas, e tomar todas as suas operações tão ecologicamente corretas quanto possível"
1.1.1.1.1.1.1.1.1.1 Revolução no pensamento administrativo é a orientação ao consumidor, o respeito pela humanidade como filosofia de administração, entre outras.
1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1 O movimento verde foi uma segunda resposta às tendências de preservação ambiental, é a perseguição por uma preservação ecológica completa através de uma legislação adicional embasada, inclusive, em muitas das iniciativas dos movimentos verdes.
1.1.1.1.1.1.1.1.2 A pressão da sociedade também é um dos fatores que leva as empresas à mudança de comportamento.
1.1.1.1.1.1.1.1.2.1 Pressões para Mudança: as pressões sobre as empresas para que respondam às questões ambientais incluem as seguintes: Observância da lei; Multas e custos punitivos;Culpabilidade pessoal e prisão; Organizações ativistas ambientais; Cidadania despertada;Sociedades, coalizões e associações; Códigos internacionais de desempenho ambiental; Investidores ambientalmente conscientes; Preferência do consumidor; Mercados globais; Política global e organizações internacionais; Concorrência; entre outras.
1.1.1.1.2 Auditiorias Ambientais
1.1.1.1.2.1 As Auditorias Ambientais começam a aparecer em meados do século XX como parte dos trabalhos de avaliação de desastres de grandes proporções. Asseguram a adequação das empresas as leis ambientais em carater analitico voltadas para identificar, averiguar e apurar fatos e problemas ambientais.
1.1.1.1.2.1.1 Objetivo: detectar problemas ou oportunidades em áreas localizadas.
1.1.1.1.2.1.1.1 O EMAS estabelece requisistos para a concepção e implantação de SGA entres eles Auditorias Ambientais Periódicas.
1.1.1.1.2.1.1.1.1 Os resultados e conclusões devem ser formalmente apresentados ao órgão superior de administração da organização.
1.2 Desenvolvimento sustentável e crescimento econômico Nesta visão há um conflito entre crescimento econômico e proteção ambiental. a ênfase de crescimento econômico para o conceito de desenvolvimento sustentável baseado em uma relação de complementaridade, na qual uma melhora da qualidade de vida seria uma conseqüência do próprio processo de expansão e crescimento econômico". Em resumo, segundo Donaire (1995), "o desenvolvimento sustentável é a busca simultânea de eficiência econômica, justiça social e harmonia ecológica". O desenvolvimento sustentável possui três dimensões principais: a dimensão bio-física, a dimensão econômica e a dimensão sócio- política.
1.2.1 A variável ecológica na empresa Como mencionado por Schumacher (1976): "há a necessidade de trabalhar-se em harmonia com a natureza". A estrutura empresarial voltada para os velhos padrões capitalistas já não serve para um mundo em ritmo de globalização onde a consciência ecológica está em franco desenvolvimento.
1.2.1.1 No cenário de mercantilismo global, o maior desafio reside na fraqueza e instabilidade dos atuais sistemas econômicos e políticos internacionais. A reação é a fragmentação. O mundo divide-se em blocos comerciais regionais e é caracterizado pelo comércio entre partes divergentes e instabilidade financeira.
1.2.1.1.1 No cenário mundo sustentável visualizado pelos planejadores da Shell, "os políticos competem para serem vistos como os mais ‘verdes’" e "investimentos ambientais inspiram a invenção e inovação, levando a novas atividades econômicas lucrativas". Um dos resultados é um "sistema econômico flexível"
1.2.1.1.1.1
2 Educação Ambiental
2.1 3Rs: Redução do consumo na fonte; Redução de poluição na fonte, Reuso e Reciclagem 4Rs:Redução de Poluição na fonte, Reuso, Reciclagem e recuperação Energética 6Rs:Repensar, Reparar, Reutilizar, Reduzir, Reciclar e Substituir 7Rs: Repense, Repare, Reuse, Recuse, Reintegre, Reutilize, Reduza e Recicle
2.1.1 Modelo de gestão conhecido por Triple Bottom Line, que define sustentabilidade como “o princípio que assegura que as ações de hoje não irão limitar a gama de opções econômicas, sociais ambientais disponíveis para a futura geração”.
2.1.1.1 Pirâmide do desenvolvimento ecologicamente sustentável Fins Fundamentais: Felicidade, bem estar, satisfação Fins intermediários: Saúde, educação, riqueza Meios intermediários: Trabalho, capital, energia processada Meios Fundamentais: Energia, matéria, diversidade genética
2.1.1.1.1
3 Gestão Ambiental Global e regional
3.1 São três as fases de gestão ambiental: A primeira que vai de início do século XX até 1972, onde prevalece um tratamento pontual das questões ambientais e desvinculado de qualquer preocupação com os processos de desenvolvimento. A segunda fase começa com a Conferência das Nações Unidas para o Meio Ambiente Humano em Estocolmo em 72 e vai até 92, caracterizando-se pela busca de uma nova relação entre meio ambiente e desenvolvimento. A terceira fase é marcada pelo aprofundamento e pela implementação das suas disposições e recomendações pelos estados nacionais, governos locais, empresas e outros agentes.
3.1.1 São três os tipos de gestão ambiental no nível regional: O primeiro é o tratamento regional dado aos problemas ambientais comuns, como controle da pesca; O segundo trata de iniciativas que procuram alcançar efeitos em dois ou mais países, geralmente limítrofes; O terceiro tipo de gestão regional faz parte do conjunto de medidas de um bloco econômico como União Européia, Nafta, Mercosul etc.
3.1.1.1 Pouco adianta as iniciativas de gestão nos níveis globais e regionais se não forem acompanhadas de iniciativas nacionais e locais. A gestão ambiental nos níveis nacionais e locais se efetiva por meio da implementação de diversos instrumentos de políticas ambientais públicas e privadas.
3.1.1.1.1 Protocolo de Montreal Dados da ONU indicam a redução em cerca de 85% de produtos que contém substâncias controladas. Diferentemente do que acontece com o aquecimento global, esse é um exemplo bem-sucedido de gestão ambiental global.
3.1.1.1.1.1 Protocolo de Quioto Redução de Gases de Efeito estufa e Fontes de Emissão
3.1.1.1.1.1.1 Na Convenção da Biodiversidade , ficou estabelecida a necessidade de encontrar mecanismos para facilitar o acesso e a transferência de tecnologia para os países em desenvolvimento, providenciando a adequada e efetiva proteção para as tecnologias amparadas por qualquer forma de direitos de propriedade intelectual.
3.1.1.1.1.1.1.1 A biopirataria anda a solta e conta muitas vezes com a conivência dos governos dos países desenvolvidos.
3.1.1.1.1.1.1.1.1 Estudo do Impacto Ambiental
3.1.1.1.1.1.1.1.1.1 Por E.I.A. entende-se o estudo prévio de impacto ambiental, um instrumento de planejamento de ações futuras com elevado potencial de degradação ambiental.
3.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1 Avaliação de Impacto: Identificar e estimar consequências. Projeto: conjunto de decisões e atividades resultantes dessa decisão.
3.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1 Três fases do ciclo do projeto: Pré-investimento - Investimento - Operacional
3.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1 O E.I.A. asociado a um projeto é um trabalho complexo que envolve a participação de grupos de pessoas com interesses diversos.
3.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1 1º expériência no Brasil hidroelétrica de Sobradinho.
3.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1 RIMA: deve expressasr todos os trabalhos de modo conclusivo, identificando se o projeto é nocivo ao meio ambiente e em que grau. E.I.V.: estudo Prévio de Impacto da Vizinhança R.A.S: Relatório Ambiental Simplificado
4 Politicas Públicas Ambientais
4.1 As primeiras manifestações de gestão ambiental procuraram solucionar problemas de escassez de recurso, mas só após a Revolução Industrial os problemas que concernem à poluição começaram a ser tratados de modo sistemático.
4.1.1 Gestão Ambiental Pública É a ação do Poder Público conduzida segundo uma política pública ambiental.
4.1.1.1 Politicas Públicas Explícitos: são criados para alcançar efeitos ambientais benéficos específicos. Implícitos: alcançam tais efeitos pela via indireta, pois não foram criados para isso.
4.1.1.1.1 Instrumentos de comando e controle Trata-se do exercício do poder de polícia dos entes estatais e como tal se manifesta por meio de proibições
4.1.1.1.1.1 Instrumentos de Comando e Controle 1)Padrão de qualidade ambiental; 2) Padrão de emissão; 3) Padrão ou estágio tecnológico.
4.1.1.1.1.1.1 Os instrumentos econômicos podem ser de dois tipos: 1) Fiscais; 2) de mercado.
4.1.1.1.1.1.1.1 Relatórios Ambientais
4.1.1.1.1.1.1.1.1 Denominam-se relatórios ambientais as comunicações veiculadas por qualquer meio, impresso ou eletrônico, para divulgar os aspectos ambientais da organização, seus impactos e o que ela faz e pretende fazer em relação a eles.
4.1.1.1.1.1.1.1.1.1 O princípio da responsabilidade pública refere-se ao fato de que as empresas são responsáveis pelos resultados relacionados com as áreas primárias e secundárias de envolvimento com a sociedade.
4.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1 Stakeholders são pessoas ou grupos que têm, ou reivindicam, propriedade, direitos ou interesses numa empresa e nas suas atividades presentes, passadas e futuras, segundo Clarkson.
4.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1 Decidir o que divulgar para cada grupo de stakeholders identificados como usuários dos relatórios é outra questão importante a ser considerada pelos dirigentes da organização.
4.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1.1 Um relatório produzido sem compromisso efetivo com a realização de melhorias é um campo fértil para as práticas de maquiagem ou lavagem verde.
4.1.1.1.1.1.1.2
4.1.1.1.1.1.1.2.1 Os objetivos da educação ambiental são: *Tornar os indivíduos e grupos conscientes e sensíveis em relação ao meio ambiente e aos problemas ambientais; * Proporcionar as habilidades que uma participação ativa requer.
5 Gestão Ambiental Empresarial
5.1 As preocupações ambientais dos empresários são influenciadas por três grandes conjuntos de forças que se interagem reciprocamente: o governo, a sociedade e o mercado.
5.2 Corporação sustentável é uma abordagem de negócio para criar valor aos acionistas de longo prazo, aproveitando as oportunidades e administrando os riscos econômicos, ambientais e sociais.
5.2.1 Fontes de pressão sobre as empresas: * O setor de seguros, pois os sinistros ambientais podem atingir proporções vultosas. * O aumento da consciência da população em geral e, principalmente, dos consumidores que procuram cada vez mais utilizar produtos e serviços ambientalmente saudáveis.
5.2.1.1 Segundo North, a gestão ambiental pode proporcionar os seguintes benefícios: *melhoria da imagem institucional; * renovação do portfólio de produtos; * maior comprometimento dos funcionários e melhores relações de trabalho;
5.2.1.1.1 As expressões lavagem verde e maquiagem verde referem-se às práticas das empresas de se apropriarem do discurso ambiental indevidamente. O que caracteriza a lavagem verde é a intenção deliberada de cuidar mais da imagem da empresa que do meio ambiente.
5.3 Auditoria ambiental, avaliação do ciclo de vida, estudos de impactos ambientais, sistemas de gestão ambiental, relatórios ambientais, rotulagem ambiental, gerenciamento de riscos ambientais, educação ambiental empresarial são alguns entre muitos instrumentos de que as empresas podem se valer para alcançar objetivos ambientais.

Media attachments