Exercício de Reflexão Individual

Juliano Vieira Gonçalves
Note by Juliano Vieira Gonçalves, updated more than 1 year ago
Juliano Vieira Gonçalves
Created by Juliano Vieira Gonçalves over 5 years ago
15
0

Description

Esquema de trabalho que tem como metodologia a discussão de casos práticos já testados, uma vez que o sujeito deve reportar-se a um problema concreto vivido por si e, expor, de modo, sintético o que sente a respeito da temática ao redor da crise dos refugiados.

Resource summary

Page 1

Reportando-se a uma situação ou a um problema concreto já vivido por si, exponha/explique, de forma sintética, as suas interrogações e as suas dúvidas. Escreva as conclusões de cada ponto separadamente no Fórum.

1. O que é que mais o/a incomoda quando pensa nessa situação?O que mais me incomoda quando penso nesta situação é que o sentimento de acolhimento ainda não é uníssono em nossa sociedade. Ou seja, nem todos estão preocupados em refletir sobre quais deveriam ser os principais valores para se resolver este desafio que envolve tantas ações humanas, ao mesmo tempo. Etapa 1: Quais são exatamente os factos? Que tipo de sentimentos/emoções a situação me provoca?Etapa 5: Qual a conclusão, a decisão?

2. As suas dúvidas prendem-se com aspetos legais, técnicos ou éticos?As minhas dúvidas prendem-se, em verdade, com os aspectos legais deste desafio pertencente ao nosso hodierno mundo globalizado. Sou estudante de Direito e, percebo, de maneira bastante humilde ainda que, as virtudes para o alcance da felicidade e do bem possuem estreita relação entre si. Assim como o conceito de Ética e Moral, a arte de bem receber um forasteiro perpassa pelos liames jurídicos afim de se garantir ao refugiado toda a segurança burocrática possível em meio a um país que para ele/ela ainda é tão estrangeiro.Etapa 2: Que interesses estão em jogo?Etapa 6: Como executar a decisão?

3. Sente que estará perante uma decisão ética difícil, porquê?Creio que todos os dias estamos diante de decisões éticas. Contudo, se estas decisões serão difíceis ou fáceis, eu não sei. Sinto que, dependerá do modo como cada um de nós haverá de lidar com este desafio atrelado à questão dos refugiados na Europa. Se, por acaso, eu seja um ser humano que, por sua vez, procura tomar decisões sempre justas, com boa intenção e, sendo, de fato, uma pessoa virtuosa, talvez, eu consiga ter uma atitude bastante positiva diante de tudo aquilo que vejo, escuto e leio a respeito nos jornais quanto a maior crise humanitária desde a II Guerra Mundial. Contudo, o que eu também não posso ignorar é que o conceito de humanidade, a extensão da justiça (o que há entre a boa e a má decisão), além dos nossos vícios e das poucas virtudes - perfazem um universo ético, extremamente, relativo. Eis porque, para mim, é muito difícil dar uma resposta precisa a esta pergunta acima referida.Etapa 3: Em que consiste o dilema?

4. Que interrogações, que alternativas de decisão, lhe surgiram?As interrogações que me surgiram poderiam ser aquelas mesmas inerentes às virtudes para o alcance da felicidade e do bem. A começar por aquela condizente à razão que imperaria sobre a minha capacidade de, por exemplo, tomar decisões. E que, por uma questão de brio; com o objetivo, inclusive, de se querer transcender a esfera das obrigações meramente técnicas, legais ou profissionais - eu diria que a razão (ou, emoção, talvez) que impera sobre boa parte de minhas decisões, presentemente, é a caridade. Apesar desta virtude estar ainda, sem dúvida, muito ofuscada pelo ego. Meu desejo sincero é que a Plataforma de Apoio aos Refugiados em Portugal não se transforme em tão somente uma estrela cadente a passar pelo céu e, sim, que ela seja uma constelação inteira em prol daqueles que mais precisam da nossa ajuda, atualmente. Daí, a alternativa de decisão (não cabendo somente a minha pessoa) girar em torno dos sentimentos morais e dos valores que parecem estar preenchendo cada vez mais espaço em minha vida? Não à toa, com certeza, devemos todos estar sendo preparados para podermos colocar em jogo, finalmente, nossa própria ideia de liberdade.Sei apenas que, antes de propor qualquer alternativa de decisão, eu quero sim, poder exercer com vontade a minha própria responsabilidade humana do ponto de vista ético e moral. E, pelo menos, por enquanto, isso para mim já será o bastante!Etapa 4: Quais são as alternativas? Etapa 7: Avaliação e reflexão.

Show full summary Hide full summary

Similar

ACOLHER COM HOSPITALIDADE
Juliano Vieira Gonçalves
Ética e Moralabrodagem centrada na pessoa
silvania resende
Ética e Moral
Juliano Vieira Gonçalves
Empreendedorismo - Contextualização da disciplina - Hospitalidade
Ana Roberta Andrade
Apresentação da disciplina - DSA - HOSPITALIDADE
Emmanuela Pimenta
Sociologia: Fatos sociais
Maria Eduarda
#WorldRefugeeDay - saiba como ajudar
Nathalia - GoConqr
Operações De Alimentos E Bebidas
Helen Matos
Casa Perini Solidário
Matheus Bergmann
Trabalhando com hospitalidade
Nathalia - GoConqr
HOPITALIDADE
ROSILENE DUARTE