Roma Antiga Public

  • Email
  • Share
  • Contributors
  • Close Course

O curso definitivo sobre Roma e seus grandes feitos.

Tags No tags specified

Module Information

SOCIEDADE    Patrícios : eram os nobres romanos, donos de muitas terras e de gado e os únicos a possuir direitos políticos.  Plebeus : formavam a maioria da população e trabalhavam como pequenos agricultores, artesãos ou mercadores. Não possuíam o direito de participar do governo da cidade  e podiam ser escravizados  por dívidas.   Clientes : eram servidores ou protegidos de chefe de uma família com grande poder e prestígio, esse chefe era chamado de patrono. Quanto mais clientes um patrono possuísse, maior o seu prestígio social e político.  Escravos : havia um pequeno número de escravizados: prisioneiros de guerra, pessoas que não conseguiam saldar suas dívidas ou que tinham sido condenadas pela justiça.
Show less

Flashcards

Para saber as camadas sociais de roma no período monárquico
Show less
ECONOMIA  A economia do período monárquico era agropastoril. Os patrícios compunham a elite romana, representando os proprietários de terra. Costumavam se reunir em torno da liderança de um mesmo chefe familiar e cultuavam antepassados em comum. Os encontros religiosos eram normalmente realizados nas cúrias. Os parentes mais pobres dos patrícios, os clientes, não possuíam terras e viviam sob a proteção dos patrícios. Todo aquele que não pertencesse à família de algum patrício era considerado plebeu.
Show less
POLÍTICA  Nos tempos em que Roma era uma monarquia, o rei era a maior autoridade. Veja a seguir todos os reis que governaram essa cidade:   Rômulo ( 753 - 716 a.C. ) Numa Pompílio ( 716 - 674 a.C. ) Tullus Hostillius ( 674 - 642 a.C. ) Ancus Marcus ( 642 - 617 a.C. )   ETRUSCOS Tarquínio Prisco ( 617 - 579 a.C. ) Servius Tullius ( 579 - 535 a.C. ) Tarquínio Soberbus ( 535 - 509 a.C. )      Os relatos indicam que, Rômulo, como fundador da cidade, reinou sozinho até a sua morte. Depois, o governo teria sido entregue por um breve período a poderosos senadores, mas, logo, os cidadãos exigiram um novo rei.  O escolhido seria Numa Pompílio, um sabino, que carregou a fama de ser um homem de paz e rei sábio. Ele teria ordenado a criação de leis mais justas, e optado por não combater os vizinhos de Roma. Acredita-se ainda que sob seu governo ele teria desenvolvido o calendário romano original, baseado nos ciclos da lua.  Novamente, houve um curto período de transição, e depois assumiria como monarca Tullus Hostillius. Como seu próprio nome indica, ele teria sido um governante ansioso pela guerra. Os conflitos com Alba Longa, Fidene e Veios resultaram nas primeiras conquistas romanas. Teria morrido atingido por um raio como punição por seu orgulho.  Ancus Marcus, neto de Numa Pompílio, é o quarto reiras rei lendário. Teria agido de forma sábia, e, como seu avô, queria evitar o confronto. No entanto, Roma estava sendo violentamente atacado pelos latinos, mas o rei soube agir rapidamente. Sob sua administração foi fundada Ostia, o principal porto de Roma, estendendo os domínios do reino para o mar.  Depois de Ancus Marcus, os etruscos assumiram a monarquia romana. Tarquínio Prisco, tutor dos dois filhos do monarca, habilmente conquistou o trono. Travou muitas guerras e apreendeu os territórios de vários inimigos. Também construiu o Circo Máximo e estabeleceu os jogos romanos.  Tarquínio, porém, foi alvo de um golpe orquestrado pelos seus antigos pupilos, os dois filhos de Ancus Marcus, que planejaram seu assassinato. O rei consegue sobreviver algum tempo após ao ataque, e a rainha elege o sucessor, Servius Tullius, marido da filha do monarca. Foi considerado outro governante prudente, responsável por organizar o primeiro censo da população.  Apear disso, os problemas com a monarquia começavam a se acumular, e mais uma vez, o filho do monarca antecessor planejou um golpe de estado: este era Lúcio Tarquíno, cognominado "superbus" (orgulhoso ou arrogante).  Lúcio se tornou rei, mas logo foi considerado um usurpador e governante injusto. Um grande número de cidadãos foram expulsos da cidade ou mortos. Ele teria assassinado os filhos de suas irmãs, preocupado com futuros golpes. No entanto, um menino chamado Janius fingiu ser retardado mental, e evitou a morte, por não ser considerado uma ameaça. Ele foi apelidado de Brutus.  Um grande número de cidadãos exigia que Tarquínio fosse expulso do reino. E pior, Roma logo descobriu que o filho do rei, Sexto, era maior tirano que o próprio rei.  Brutus se tornou um líder do povo romano, e começou a revolta contra o rei, que fugiu para a Etrúria, onde Sexto foi morto por seus inimigos. Com isso, dois cônsules, Lucius Junius Brutus e Tarquínio Collantinus, foram eleitos governantes. Uma pequena facção de romanos não estava feliz com a nova república, entre eles os filhos de Brutus, que planejavam derrubar seu pai. Brutus. porém, descobriu tal plano, e deixando claro que o futuro de Roma era mais importante para ele, prontamente executou seus filhos por traição. Era o fim da monarquia romana.   http://www.infoescola.com/historia/monarquia-romana/    Além do rei havia o Senado ( formado pelos chefes dos principais famílias patrícias ), e uma Assembleia ( composta por soldados com até 45 anos ).
Show less

Mind Map

Um mapa mental que resume em poucas palavras o período monárquico de Roma.
Show less
POLÍTICA    A República Romana era governada pelos magistrados, auxiliados pelo Senado e pelas Assembleias   MAGISTRADOS  ​​​​Cônsules : comandavam o exército, administravam a cidade e presidiam o Senado. O cargo de cônsul era o mais alto da República.  Pretores : eram os responsáveis pela aplicação da justiça.  Questores :  cuidavam da arrecadação dos impostos e das despesas públicas.  Edis : eram os responsáveis pelo policiamento, pelo abastecimento, pela conservação das ruas e pela organização dos espetáculos públicos.  Censores : faziam a contagem da população, classificando as pessoas de acordo com as posses.   Além desses magistrados, havia o ditador. Ele governava Roma com plenos poderes por um período de seis meses, em caso de ameaça à República ( guerra, por exemplo ). Era eleito pelo Senado.   SENADO  O Senado era formado por trezentos membros vitalícios, todos patrícios.  Suas principais funções eram controlar o tesouro público e propor a guerra ou a paz. Na República Romana, somente os patrícios podiam ocupar altos cargos no governo, isto é, os cargos de magistrado e de senador.  Observe que a política em Roma era uma espécie de "democracia aristocrática", onde o maior poder estava nas mãos dos patrícios.   ASSEMBLEIAS  Assembleia das tribos : reunião dos cidadãos conforme o local de residência ou a origem; elegia os questores e os edis.  Assembleia centuriata : reunião dos cidadãos em centúrias ( unidades do Exército ) segundo o grau de riqueza; votava as declarações de guerra, os acordos de paz e elegia os cônsules.  Assembleia da plebe : composta apenas por plebeus; votava nos assuntos de interesse da plebe.    Mulheres e escravos eram excluídos da política e, portanto, não podiam participar de nenhuma dessas assembleias.
Show less

Slide Set

Slides que mostram as revoltas dos plebeus contra os patrícios.
Show less

Flashcards

Flashcards que apresentam as guerras nas quais Roma se envolveu no período republicano.
GUERRAS  No início os romanos guerreavam para se defender de seus vizinhos. Mas com a evolução de Roma, os romanos passaram a guerrear por dois outros objetivos: conquista das terras e o controle das rotas de comércio. Os povos vencidos eram transformados em aliados dos romanos, chegando inclusive a integrar seu exército.  Entre os séculos V e III a.C., as legiões romanas conquistaram quase toda a Península Itálica.
Show less
ECONOMIA  As conquistas de novos territórios resultavam na escravização dos povos que habitavam esses locais. Os escravos eram usados principalmente em trabalhos agrícolas e nas minas, mas também em atividades nas cidades, como artesanato e comércio. Essas conquistas resultavam ainda no aumento da quantidade de terras que pertenciam aos latifundiários, que precisavam de um número cada vez maior de escravos para nelas trabalhar, pois além do aumento de suas dimensões, o número de pessoas livres disponível para o trabalho diminuía, já que eram recrutadas para o exército.  Com esse processo, o escravismo romano tornou-se a base de sustentação da sociedade que havia se originado na Península Itálica. Os escravos eram usados principalmente nos trabalhos das minas e na agricultura, mas também havia escravos que conseguiam grande prestígio entre os patrícios (a classe dominante em Roma), trabalhando como médicos ou arquitetos, por exemplo.
Show less
ASCENSÃO DOS MILITARES    Na passagem dos séculos II e I a.C., as tensões sociais perduravam e as ditaduras ganharam espaço. Mário e Sila foram os grandes ditadores da época, o primeiro aspirando à ampliação dos direitos plebeus, e o último buscava preservar o poder da aristocracia. Com essa constante instabilidade político social, os generais passaram a aspirar maior participação política.  Como consequência dessa maior participação dos generais, forma-se uma modalidade de administração chamada triunvirato (três chefes governando com igual poder a república). O Primeiro era formado por Júlio Cesar, Pompeu e Crasso. Crasso morre numa equivocada tentativa de anexar o império Parta (atual Irã) e Júlio César promove uma guerra contra Pompeu. Vencendo o conflito, Julio César se torna ditador de facto. César é assassinado, e logo em seguida é formado um segundo triunvirato, com Marco Antônio, Otávio e Lépido. Nessa última versão, o triunvirato se esfacelou mediante a ascensão militar de Otávio, primeiro imperador de Roma.
Show less
Foi em sua fase imperial que Roma acumulou o máximo de seu poder e conquistou a maior quantidade de terras de sua história, algo em torno de 6 milhões e meio de quilômetros quadrados, um território do tamanho do Brasil, sem os estados do Pará e Mato Grosso. Essa fase é dividida em dois períodos: Alto Império ( 27 a.C. - 305 d.C. ) e Baixo Império ( 305 - 476 a.C. ).
Show less
Durante o Alto Império, quatro dinastias sucederam-se no poder.
Show less
RELIGIÃO  Os Romanos da Antiguidade eram politeístas, ou seja, acreditavam em vários deuses. Os deuses eram antropomórficos, ou seja, possuíam características (qualidades e defeitos) de seres humanos, além de serem representados em forma humana. O Estado romano propagava uma religião oficial que prestava culto aos grandes deuses de origem grega, porém com nomes latinos.
Show less
ECONOMIA    A relativa estabilidade política vivida pelo Império Romano nos dois primeiros séculos da nossa era favoreceu o crescimento da economia e a expansão do comércio romano. A existência de bons portos, de uma rede de estradas bem construídas e o uso de uma moeda única em todo o império (  o denário ), também ajudaram nessa expansão comercial.
Show less
PÃO E CIRCO ( LAZER EM ROMA )    O Pão estava relacionado à distribuição gratuita de trigo ou a preços baixos para a população pobre. Mas não eram todos os pobres que tinham acesso a essa fonte de alimentação. Apenas as pessoas inscritas nas listas frumentárias (palavra que está relacionada à natureza do cereal, ao que dá farinha) recebiam o trigo ou pagavam um preço baixo por ele.  Outra medida utilizada pelos governantes romanos para evitar as rebeliões populares era o oferecimento de atividades de lazer gratuitas.   CIRCO    Nos circos realizavam-se as corridas com carros puxados por cavalos. Havia carros puxados por dois cavalos ( as bigas ), e outros eram puxados por quatro ( as quadrigas ). Os corredores se chamavam aurigas.   ANFITEATRO    Nos anfiteatros ocorriam as lutas entre gladiadores, e entre estes e as feras famintas ( tigres, ursos, entre outros ). Os gladiadores eram escravos, prisioneiros de guerra ou mesmo voluntários, treinados em escolas especiais.
Show less
HABITAÇÕES ROMANAS    Ínsula: prédio de habitação com quatro ou cinco andares, formado de cômodos minúsculos onde, por vezes, viviam muitas pessoas. As condições de vida no interior dessas habitações eram precárias, a começar pelo fato de não possuírem banheiros. Seus diversos andares eram ligados por uma escada externa.  Domus: casas luxuosas e confortáveis, com várias salas e jardim nos fundos, onde os ricos viviam. Geralmente as paredes dessas residências eram decoradas com pinturas.
Show less