INCOMPLETO - Biologia e Geologia - Geologia 11º ano, parte IV - Ensino Secundário Português

Heres Oliveira
Mind Map by , created over 5 years ago

Sugestões.... Links: http://biogeo.paginas.sapo.pt/biogeo10/biogeo10.htm http://www.slideshare.net/sandranascimento/ii-zonas-costeiras-11617070

755
34
1
Heres Oliveira
Created by Heres Oliveira over 5 years ago
Biologia e Geologia - Geologia 10º ano, parte I - Ensino Secundário Português
Heres Oliveira
Evolução biológica
joana_pinto_202
Projeto Med 2015: História e Geografia
elisacoltro
GCSE AQA Citizenship Studies: Theme 1
I Turner
Maths GCSE - What to revise!
livvy_hurrell
Revisão Geral
Tatiane Kunzler
EDUCAÇÃO AMBIENTAL -LEI 9.265 - ES
MARIA BERNARDETE GUIMARAES
Conhecimentos Gerais
Pollyanna Helena
O Clima - Geografia
GoConqr suporte .
As moléculas orgânicas e inorgânicas
Heres Oliveira
INCOMPLETO - Biologia e Geologia - Geologia 11º ano, parte IV - Ensino Secundário Português
1 Ocupação antópica e problemas de ordenamento

Annotations:

  • O crescimento populacional  e o aumento do consumo de drecursos naturais provocou pertubações inensificadas e rápidas na Terra. Os subsistemas terrestres estão sujeitos à diversas modificações, cuja grande parte dos impactes ainda não foram descobertos.
1.1 O geólogo

Annotations:

  • Estudo da composição da crostra terrestre, a sua evolulção no tempo e trabalhos de prospecção/exploração dos recursos naturais. Também actua na participação da preparação dos terrenos para obras de engenharia.
1.1.1 Cartografia geológica

Annotations:

  • Os geólogos que registam em mapas: -Os diferentes tipos de rochas e a sua distribuição; -Os acidentes tectónicos; -Inclinação e espessura das camadas rochosas; -Tipos de fósseis existentes -Topografia, outros...
1.1.2 Prevenção dos riscos geológicos
1.1.2.1 Risco geológico

Annotations:

  • Vulnerabilidade das populações e bens a fenómenos geológicos.
1.1.3 Ordenamento do território

Annotations:

  • É o conjunto de normas de procedimentos que regulam o uso de recursos do solo num determinado território.
1.1.4 Gestão dos recursos ambientais
1.1.5 Educação ambiental
1.2 Bacias hidrográficas

Annotations:

  • Área ocupada por uma rede hidrográfica.
1.2.1 Rede hidrográfica

Annotations:

  • Conjunto formado por um rio principal e todos os seus afluentes.
1.2.1.1 Rio

Annotations:

  • Correntes de água superficiais.
1.2.1.1.1 Leito

Annotations:

  • Canal por onde é drenada a água de um rio e o material que é transportado.
1.2.1.1.1.1 Planícies de Inundação

Annotations:

  • É o leito de cheia. A área que pode ficar submersa de um rio em situação de cheia. É frequente o transporte de sedimentos, que forma aluviões.   Essa deposição de sedimentos fertiliza os solos. A abundância de água, favoreceu a concentração de populações nas margens dos rios, que podem estar em situação de vulnerabilidade, pelas inundações do leito de cheia.
1.2.1.1.1.1.1 Barragens

Annotations:

  • As barragens permitem regularizar os caudais, evitando muitas cheias.
1.2.1.1.1.1.1.1 Impactes negativos

Annotations:

  • 1. Há uma acumulação de sedimentos a montante, o que diminui a capacidade de armazenamento da albufeira (represa artificial),  2. Há uma diminuição de transporte de sedimentos pelos rios (em maior parde durante o leito de cheia), o que diminui o transporte de sedimentos à orla costeira. 3. Modificações no perfil transversal dos rios, que poderá estar na origem de erosão a jusante das barragens. 4. Afectam a dinâmica dos rios, o que gera impactes nos ecossistemas.
1.2.1.1.1.1.1.2 Aspetos positivos

Annotations:

  • Controlo do caudal do rio, armazenamento de água, a produção de energia hidroelétrica, aproveitamento para turismo e lazer, etc...
1.2.1.1.1.2 Leito de estiagem

Annotations:

  • O leito de estiagem define-se quando os caudais estão reduzidos, encaixando no leito aparente.
1.2.1.1.1.3 Leito ordinário

Annotations:

  • É o sulco por onde normalmente correm as águas e materiais transportados por um rio. "leito aparente".
1.2.1.1.2 Perfil transversal do rio

Annotations:

  • Dimensão tamanho e corte de um cursos de água, quando visto de forma transversal.
1.3 Zonas costeiras

Annotations:

  • Zona de transição entre o domínio continental e o domínio marinho. A maior parte das populações vivem nas proximidades da orla costeira, responsável por grande parte do PIB.
1.3.1 Praias

Annotations:

  • É formada por depósitos de sedimentos e determina o limite entre a parte emersa do da plataforma continental e a imersa. É composta principalmente, por material arenoso e às vezes cascalho.
1.3.1.1 Sistema dunar

Annotations:

  • Depósito de sedimentos que é resultante da ação dos ventos, que formam dunas. Em situações normais, as dunas não são alcançadas pelas ondas e constiui um objeto de proteção da orla costeira.
1.3.1.2 Erosão

Annotations:

  • As taxas de erosão, de transporte e de sedimentação numa praia variam, consoante: 1. A altitude da região costeira e a sua alteração; 2. Natureza das rochas e sedimentos que compõem a faixa litoral; 3. consoante o eutastismo (nível médio do mar); 4. Ocorrência de tempestades; 5. Intensidade das marés; 6. Diminuição dos sedimentos depositados na orla costeira advindos dos rios, devido à barragens e dragagens.
1.3.2 Arribas

Annotations:

  • Faixas litorais elevadas, com inclinação elevada. São mais resistentes à ação erosiva do que as praias arenosas.
1.3.2.1 Plataformas de abrasão

Annotations:

  • É uma superfície com reduzido declive, localizada na zona de rebentação, sendo mais frequêntes nas arribas, resultando na erosão da mesma.
1.3.2.2 Arriba viva

Annotations:

  • Ainda modelada pela água do Mar
1.3.2.3 Arriba fóssil

Annotations:

  • Arriba morta.  O Mar deixou de agir sobre ela
1.3.3 Abrasão marinha

Annotations:

  • Processo de Meteorização e EROSÃO que é causado principalmente pela ação física das ondas, das partículas sólidas que estas transportam, e  que aumentam a capacidade de desgaste.
1.3.4 Elevadas Pressões/densidade populacional

Annotations:

  • O aumento populacional tem efetuado uma grande pressão sobre as regiões costeiras e está associado à modificações na dinâmica costeira, cuja as causas e consequências não são bem conhecidas
1.3.4.1 Causas Antrópicas

Annotations:

  • Causas:  - Efeito estufa; - Construção de estruturas de lazer e recreio desordenado;- Construção de barragens que impedem a deposição de sedimentos à orla costeira;- Destruição das defesas naturais (ex. pisoteio das dunas).
1.3.4.1.1 Consequências

Annotations:

  • - Erosão acelerada (desabamento); - Destruição de habitats (alteração das rotas migratórias); A zona litoral é um recurso não renovável.
1.3.4.1.1.1 Obras artificiais de intervenção da faixa litoral
1.3.4.1.1.1.1 Engenharia pesada

Annotations:

  • Ex. Paredão, esporões e quebra-mares. Consequências: 1. Custos elevados tanto na construção, quanto na manutenção das obras; 2. Impactes negativos no litoral; 3. Apenas oferecem protecção local e de reduzido tempo. 
1.3.4.1.1.1.2 Alimentação de sedimentos

Annotations:

  • Ex. Alimentação artificial da areia das  dunas. 1. É menos agressiva para a paisagem; 2. Dispendiosa, porém mais económica.
1.4 Zonas de vertente

Annotations:

  • Zonas de certo declive onde a probabilidade de fenómenos de erosão é maior
1.4.1 Movimentos em massa

Annotations:

  • Todos os processos pelos quais massas de rochas e solos são transportados nas vertentes sob o efeito da gravidade.  Pode envolver, por ex. água.
1.4.1.1 Tipos de movimentos
1.4.1.1.1 Reptação

Annotations:

  • Fluxo sedimentar.  Movimentação muito lenta e geralmente contínua de detritos numa vertente de fraco declive.Ocorre um declive e posterior agrupamento de partículas, insuficiente para uma rutura brusca.
1.4.1.1.2 Deslizamento rotacional

Annotations:

  • Consiste na rotação de rocha ou rególito, ao longo de uma superfície côncava, que pode afetar um bloco único ou vários blocos.
1.4.1.1.3 Escoada detrítica

Annotations:

  • Fluxo sedimentar de detritos que podem deslocar-se ao longo de uma rede de drenagem existente que bloqueia a circulação de água e cria diques naturais.
1.4.1.1.4 Deslizamento translacional

Annotations:

  • Movimentação de rocha ao longo de um plano pré-existente.
1.4.1.1.5 Queda de material

Annotations:

  • Ocorre quando caem blocos de rochas individualizados de rocha de um talude que irão depositar-se junto da base.
1.4.1.1.6 Causas dos movimentos

Annotations:

  • Factores condicionantes:  - O contexto geológico (ex. inclinação e forma do terreno) Factores desencadeantes: - Factores climatéricos; - Sismos; - Abrasão marinha.
1.4.1.1.6.1 Propriedades litológicas

Annotations:

  • Quanto menos consolidado for o material, maior a suscetibilidade à erosão e probabilidade de ocorrerem deslizamentos.
1.4.1.1.6.2 Teor de água

Annotations:

  • A quantidade de água nos sedimentos influencia o ângulo de repouso. Quando a quantidade de água é maior do que a capacidade de absorção, a areia ficará saturada de água, não havendo fricção entre partículas dos grãos, e a mistura comporta-se como um líquido.
1.4.1.1.6.3 Orientação dos estratos

Annotations:

  • Quando a orientação dos estratos é paralela ao plano de vertente o risco de movimentos em massa é superior.
1.4.1.1.6.4 Mecanismos de Prevenção

Annotations:

  • Pode-se estabilizar as vertentes para minimização dos riscos de movimentos de massas.
1.4.1.1.6.4.1 Remoção seletiva do solo
1.4.1.1.6.4.2 Canal de drenagem de água / drenagem horizontal
1.4.1.1.6.4.3 Poço / túnel de drenagem de água
1.4.1.1.6.4.4 Ancoragem das barreiras de suporte
1.4.1.1.6.4.5 Consolidação das vertentes com tubos de aço
2 Processos e materiais importantes em ambiente terrestre

Annotations:

  • Os geólogos estudam os processos que ocorrem no planeta e obtêm informações sobre o seu passado, com o intuito de prever e gerir o futuro da Terra.
2.1 Rochas

Annotations:

  • Massa formada por agregado de  minerais e outros materiais   naturais.
2.1.1 Rochas ígneas

Annotations:

  • Rochas magmáticas que resultam do arrefecimento do magma. Podem ser: 1.  plutónicas (intrusivas) - Se a consolidação da rocha acontecer em profundidade. 2. Vulcânicas (extrusivas) - Se a consolidação da rocha ocorrer na superfície.
2.1.2 Rochas sedimentares

Annotations:

  • Originam-se a partir de processos de meteorização, transporte e deposição de sedimentos em rochas preexistentes. A formação dos sedimentos estará sujeita a deposição noutro local. sucessivas camadas de sedimentos estão sujeitos a cimentação, compactação e afundamento, formando vários estratos de rocha consolidada. As rochas sedimentares também se podem formar pela precipitação de compostos dissolvidos na água, ex. o sal.
2.1.2.1 Etapas de Formação
2.1.2.1.1 I. Sedimentogénese
2.1.2.1.1.1 Meteorização/erosão

Annotations:

  • Alteração física e química da rocha. Os agentes são: ar, água, a temperatura e pressão, os seres vivos. 1. Meteorização mecânica: Fragmentação da rocha ou um mineral em fragmentos, sem provocar alterações químicas. Ex. meteorização pela descompressão quando a rocha atinge a superfície, pelo gelo (gelivação ou crioclastia) e pelo calor (termoclastia). 2. Meteorização química: Consiste na alteração interna dos materiais em contacto com a superfície para materiais mais estáveis às novas condições. Ex.meteorização pela água, oxigénio, seres vivos, CO2 e temperatura. A erosão consiste na remoção do produto formado para outro local.
2.1.2.1.1.1.1 Transporte

Annotations:

  • Transporte de sedimentos.
2.1.2.1.1.1.1.1 Sedimentação

Annotations:

  • Separação de misturas heterogéneas. A gravidade atrai para o fundo a substância mais pesada. 
2.1.2.1.1.1.1.1.1 Estratificação

Annotations:

  • Superfícies planas que separam diferentes estratos.
2.1.2.1.1.1.1.1.1.1 Estratificação cruzada

Annotations:

  • Estratificação em que as superfícies aparecem inclinadas em relação umas às outras por mudanças no sentido e/ou força no agente transportador .
2.1.2.1.1.1.1.2 Arredondamento

Annotations:

  • Arredondamento por choque de detritos . Há perda de vértices e arestas. 
2.1.2.1.1.1.1.3 Granosseleção

Annotations:

  • Triagem de acordo com o tamanho, forma e densidade. Trata-se dos agentes erosivos transportarem determinadas massas de ordem distintas.
2.1.2.1.1.1.2 Meteorização química

Annotations:

  • Exemplos de meteorização química.
2.1.2.1.1.1.2.1 Hidrólise

Annotations:

  • Resulta da acidificação da água com o Dióxido de Carbono do solo ou da atmosfera. Dois exemplos são a caulinização, em que há génese de caulinite e a alteração da ortoclase (feldspato). 
2.1.2.1.1.1.2.2 Oxidação

Annotations:

  • Oxidação de minerais que contêm ferro na sua constituição. Essa oxidação origina um material novo (hematite)
2.1.2.1.1.1.2.3 Dissolução - Carbonatação

Annotations:

  • As águas acidificadas reagem com carbonato de cálcio, que gera produtos solúveis, removendo o cálcio e o hidrogenocarbonato, formando por ex. a terra rossa.
2.1.2.1.1.2 II. Diagénese

Annotations:

  • Conjunto de fenómenos físicos que transformam os sedimentos em rochas sedimentares.
2.1.2.1.1.2.1 Compactação

Annotations:

  • Os sedimentos serão comprimidos. Os materiais mais abaixo estão sujeitos à maior pressão e expulsão de água. A pososidade é a relação percentual entre a quantidade de água que se pode ocupar entre as partículas de uma rocha.
2.1.2.1.1.2.1.1 Cimentação

Annotations:

  • Agregação de sedimentos, devido à precipitação de substâncias químicas dissolvidas na água existente entre as rochas. Por vezes poderá ocorrer recristalização.
2.1.2.1.1.2.1.1.1 recristalização

Annotations:

  • Poderá ocorrer recristalização, já não constituindo as rochas sedimentares - agentes de metamorfismo.  Os minerais alteram a sua estrutura cristalina devido às alterações de pressão e temperatura , água existente, onde estão dissolvidos certos iões. 
2.1.2.2 Classificação das Rochas sedimentares

Annotations:

  • As rochas sedimentares dividem-se em três tipos segundo a sua origem: 1. Detríticas; 2. Quimiogénicas; 3. Biogénicas.
2.1.2.2.1 Detríticas

Annotations:

  • Se forma a partir de fragmentos sólidos ou por detritos obtidos pela meteorização e erosão de rochas preexistentes.
2.1.2.2.1.1 Não coerentes

Annotations:

  • As rochas não consolidadas são formadas por sedimentos soltos.
2.1.2.2.1.1.1 Argilas

Annotations:

  • Têm dimensão de partículas compreendidas entre os 0.0039 mm e 0.0625 mm. As argilas podem sofrer suspensão na água ou no ar
2.1.2.2.1.1.2 Limo

Annotations:

  • Os siltes têm partículas compreendias entre 0.0625mm a 0.0039mm Os siltes podem sofrer suspensão em água ou no ar.
2.1.2.2.1.1.3 Areias

Annotations:

  • Têm partículas de dimensão entre 0.0625mm a 2mm e podem sofrer saltação ou rolamento. São compostas principalmente por partículas de quartzo (maior resistência à meterorização).
2.1.2.2.1.1.4 Balastros

Annotations:

  • Os balastros podem ser: 1. Blocos -  Matéria maior do que 256 mm; 2. Seixos, calhaus, burgaus ou godos - Entre  64 mm à 256 mm.  3. Cascalhos ou areião - entre 2 mm a 64 mm. Depositos formados por cascalheiras nas grandes praias, rios de montanhas e e glaciares. Os blastros podem sofrer transporte e rolamento.
2.1.2.2.1.2 Coerentes
2.1.2.2.1.2.1 Argilito

Annotations:

  • Resulta da diagénese de depósitos de argilas. Podem surgir por síntese química, sendo por vezes enquadrada em outra classe por alguns cientistas.
2.1.2.2.1.2.2 Siltito

Annotations:

  • Resultam da litificação de depósitos de siltes.
2.1.2.2.1.2.3 Arenito

Annotations:

  • Litificação de depósitos formados por areias.
2.1.2.2.1.2.4 Conglomerado

Annotations:

  • Litificação de depósitos formados por balastros. Estes quando são angulosos, são designados por brechas.
2.1.2.2.2 Quimiogénicas

Annotations:

  • As rochas quimiogénicas resultam da litificação de precipitados em consequência da evaporação de água ou variação. São classificados conforme a composição química e modo de variação
2.1.2.2.2.1 Carbonatadas

Annotations:

  • Sãos os mais comuns (calcário e dolomito). Águas acidificadas provocam a meteorização química dos calcários. Os calcários são formados essencialmente por calcite, que  e constituído por CaCO3 (carbonato de cálcio).
2.1.2.2.2.1.1 Modelado cársico

Annotations:

  • As águas acidificadas promovem a meteorização química dos calcários
2.1.2.2.2.2 Não carbonatadas

Annotations:

  • São evaporitos. Precipitação química em ambiente de extrema evaporação. Podem ser:1. Cloretada: Sal-gema2. Sulfatada: Gesso
2.1.2.2.3 Biogénicas

Annotations:

  • Formam-se pela deposição de restos de seres vivos ou pela sua ação indireta.
2.1.2.2.3.1 Calcários biogénicos

Annotations:

  • Acumulação dos revestimentos calcários dos organismos.
2.1.2.2.3.2 Carvão e hidrocarbonetos

Annotations:

  • Acumulação de restos vegetais: no caso do carvão. restos de organismos aquáticos: no caso dos hidrocarbonetos (petróleo e gás).
2.1.2.2.3.2.1 Carvões

Annotations:

  • Os carvões têm origem em zonas pantanosas, através da deposição de vegetais em decomposição. Os seres vivos são constituídos maioritatiamente por C, O, H e N.  Com o tempo a percentagem relatova dos compostos voláteis O, H e N diminui, estes entram em suspensão.  Portanto a percentagem relativa de C é relativamente maior, processo denominado incarbonação.
2.1.2.2.3.2.1.1 Incarbonização

Annotations:

  • Processo de fossilização em que h+a um enriquecimento selectivo de Carbono.
2.1.2.2.3.2.1.1.1 I. Turfa

Annotations:

  • A turfa é o 1º nível e tem baixo poder calorífero Material de origem vegetal parcialmente decomposto.
2.1.2.2.3.2.1.1.1.1 II. Lenhite

Annotations:

  • Lignite
2.1.2.2.3.2.1.1.1.1.1 III. Hulha

Annotations:

  • Carvões minerais betuminosos.
2.1.2.2.3.2.1.1.1.1.1.1 IV. Antracite

Annotations:

  • Variação compacta e dura do mineral de carvão.
2.1.2.2.3.2.2 Petróleo

Annotations:

  • O petróleo é um recurso não renovável, tendo origem biogénica (plânctons e fitoplanctons). A perda dos compostos voláteis (que espalham-se nas rochas) forma as armadilhas petrolíferas ( em que há uma sequência de alteração em que os materiais estão diferenciados: água, voláteis, gás e parte sólida).  Existem rochas armazéns que têm poros de compostos voláteis, abaixo da rocha armazém: rocha-mãe e acima rocha cobertura. Associado às armadilhas petrolíferas está o sal-gema e dobras (folhas)
2.1.3 Rochas metamórficas

Annotations:

  • Quando as rochas sofrem afundamento, estão sujeitas  a um aumento significativo de temperatura e pressão. Caso a temperatura seja superior ao ponto de fusão, as rochas metamórficas transformam-se num fluido líquido (a lava) e ao arrefecer e consolidar, transformam-se em rochas magmáticas.
2.1.4 Os minerais

Annotations:

  • São os constituintes das rochas. São sólidos inorgânicos de ocorrência natural.  Possuem uma estrutura interna ordenada e quimicamente bem definida. - São compostos: 1. Naturais; 2. Inorgânicos; 3. Com estrutura química bem definida; 4. Sólido e cristalino (estrutura ordenada). Diversos compostos assemelham-se a minerais, mas não possuem estrutura interna cristalina - mineralóides, Ex. ágata.
2.1.4.1 Identificação macroscópica dos minerais

Annotations:

  • Os geólogos podem recorrer à processos simples para observação das propriedades físicas dos minerais, identificando macroscopicamente, ou às propriedades químicas (por exposição à efervescência de ácido clorídrico).
2.1.4.1.1 Dureza

Annotations:

  • Resistência do mineral ao risco (riscar e ser riscado por objetos ou minerais) É uma das técnicas mais utilizadas.
2.1.4.1.1.1 Escala de Mohs

Annotations:

  • Relação da dureza do mineral numa escala de 1 a 10. Esta escala não é proporcional pois a dureza registada não aumenta gradualmente.
2.1.4.1.2 Clivagem e fratura

Annotations:

  • 1. A clivagem é uma propriedade da rocha, que quando se aplicam forças adequadas o material se rompe e forma superfícies planas e bem definidas. 2. A fratura é a tendência do mineral a quebrar em planos irregulares.
2.1.4.1.3 Brilho

Annotations:

  • Resulta da reflexão da luz na sua superfície. Os minerais formados por compostos iónicos tendem a ter um brilho VITREO. Os minerais formados por ligações covalentes podem ter u brilho variável.
2.1.4.1.4 Cor

Annotations:

  • É uma propriedade muito importante e que varia consoante a composição química do mineral.  A variação de cor poderá estar associada à contaminações químicas. A observação da cor deverá ser feita sobre luz natural, numa zona de fratura recente. 
2.1.4.1.4.1 Idiocromáticos

Annotations:

  • Minerais que apresentam uma cor característica .
2.1.4.1.4.2 Alocromáticos

Annotations:

  • Podem apresentar cores variáveis. Os minerais alocromáticos possuem risca clara ou incolor.
2.1.4.1.4.3 Traço / risca

Annotations:

  • Determinação da cor de um mineral quando reduzido à pó numa placa de cerâmica (inferior à 7) ou num almofariz quando a dureza é superior À 7. Permite diferenciar minerais que têm à vista desarmada a mesma cor e/ ou brilho, no entanto, quando faz-se o traço, apresentam cor e/ou brilho diferente.
2.1.4.1.5 Densidade

Annotations:

  • Medição direta da relação massa e o volume. Depende d massa atómica dos minerais e como estes estão dispostos. é expressa em g/cm3
2.1.4.1.6 Magnetismo

Annotations:

  • Apenas se conhecem dois minerais magnetizados e ambos possuem ferro em sua composição mineralógica: magnetite e pirrotite. Outros minerais podem ser magnetizados quando aquecidos.
2.1.4.1.7 Identificação química

Annotations:

  • teste de salinidade e efervescência ao ácido clorídrico.

Media attachments