1. Evolução da Administração

Graça Fernandes
Note by Graça Fernandes, updated more than 1 year ago
Graça Fernandes
Created by Graça Fernandes over 7 years ago
69
1

Description

Conhecimentos Específicos Note on 1. Evolução da Administração, created by Graça Fernandes on 12/18/2013.

Resource summary

Page 1

1.Teoria Clássica = Taylor e Fayol(Taylor = Adm. Científica) de baixo para cima e das partes para o todo; racionalização do trabalho; estudo de tempos e movimentos. Livro princípios da Adm. Cientifica em 1911. Planejar, Preparar, Controlar e Executar. Os 10 elementos de Taylor são:  estudo de tempo e padrões de produção; supervisão funcional; padronização de ferramentas e instrumentos; planejamento das tarefas; fichas de instruções de serviço; a idéia de tarefa, associada a prêmios de produção pela sua execução eficiente; sistemas para classificação dos produtos e do material utilizado na manufatura; o princípio da exceção; a utilização da régua de cálculo e instrumentos para economizar tempo; sistema de delineamento da rotina de trabalho.  (Henry Fayol = Teoria Clássica 1916) = Previsão; Organização; Comando; Coordenação e Controle. De cima para baixo e do todo para as partes. A teoria Clássica concebe a organização em termos de estrutura, forma e disposição das partes que a constituem, além do inter-relacionamento entre as partes. Restringe-se apenas aos aspectos da organização formal. Funções Técnicas, relacionadas com a produção de bens ou de serviços da empresa; Funções Comerciais, relacionadas com a compra, venda e permutação. Funções Financeiras, relacionadas com a procura e gerência de capitais. Funções de Segurança, relacionadas com a proteção e preservação de bens. Funções Contábeis, relacionadas com os inventários, registros, balanços, custos e estatísticas. Funções Administrativas, relacionadas com a integração da cúpula das outras cinco funções. As funções administrativas coordenam e sincronizam as demais funções da empresa, pairando sempre acima delas.   PRINCÍPIOS GERAIS DE ADMINISTRAÇÃO PARA FAYOL 1. Divisão do trabalho: consiste na especialização das tarefas e das pessoas para aumentar a eficiência. 2. Autoridade e responsabilidade: autoridade é o direito de dar ordens e o poder de esperar obediência, responsabilidade é uma conseqüência natural da autoridade. Ambos devem estar equilibradas entre si. 3. Disciplina: depende da obediência, aplicação, energia, comportamento e respeito aos acordos estabelecidos. 4. Unidade de comando: cada empregado deve receber ordens de apenas um superior. É o princípio da autoridade única. 5. Unidade de direção: uma cabeça é um plano para cada grupo de atividades que tenham o mesmo objetivo.6. Subordinação de interesses individuais aos interesses gerais: os interesses gerais devem sobrepor-se aos interesses particulares. 7. Remuneração do pessoal: deve haver justa e garantida satisfação para os empregados e para a organização em termos de retribuição. 8. Centralização: refere-se a concentração da autoridade no topo da hierarquia da organização. 9. Cadeia escalar: é a linha de autoridade que vai do escalão mais alto ao mais baixo. É o princípio de comando. 10. Ordem: um lugar para cada coisa e cada coisa em seu lugar. É a ordem material e humana. 11. Eqüidade: amabilidade e justiça para alcançar a lealdade do pessoal. 12. Estabilidade e duração (num cargo) do pessoal: a rotação tem um impacto negativo sobre a eficiência da organização. Quanto mais tempo uma pessoa permanecer num cargo tanto melhor. 13. Iniciativa: a capacidade de visualizar um plano e assegurar seu sucesso. 14. Espírito de equipe: harmonia e união entre as pessoas são grandes forças para a organização. Sua visão é mais gerencial com resultados finais na produção enquanto que a visão de Taylor é na produção e no operário para resultados na quantidade produtiva. Nessa mesma linha de complementação estão Urwick e Gulick.2.Teoria ComportamentalOu teoria Behaviorista: A ênfase permanece nas pessoas, mas dentro do contexto organizacional mais amplo. Não confundir: o behaviorismo que Watson fundou trouxe à Psicologia uma metodologia objetiva e científica baseada na comprovação experimental, em oposição ao subjetivismo da época. A Teoria Comportamental da Administração tem o seu início com Herbert Alexander Simon. Chester Barnard, Douglas McGregor, Rensis Likert, Chris Argyris são autores importantíssimos desta teoria. Dentro do campo da motivação humana salientam-se Abraham Maslow, Frederick Herzberg e David McClelland.A Teoria Comportamental representa um desdobramento da Teoria das Relações Humanas, rejeitando concepções ingênuas e românticas da Teoria das Relações Humanas. A Teoria Comportamental critica a Teoria Clássica, havendo autores que vêem no beheviorismo uma verdadeira antítese à teoria da organização formal, aos princípios gerais da administração, ao conceito de autoridade formal e à posição rígida e macanística dos autores clássicos.Para explicar o comportamento organizacional, a Teoria Comportamental fundamenta-se no comportamento individual das pessoas. Para explicar como as pessoas se comportam, estuda-se a motivação humana. Os autores behavioristas verificaram que o administrador precisa conhecer as necessidades humanas para melhor compreender o comportamento humano e utilizar a motivação humana como poderoso meio para melhorar a qualidade de vida dentro das organizações.Maslow = As necessidades HumanasHerzberg = Teoria dos dois fatores (Fatores Higiênicos e Motivacionais) Herzberg propõe o "enriquecimento das tarefas" ou "enriquecimento do cargo"McGregor = tradicional, mecanicista e pragmática (a que deu o nome de Teoria X), e, de outro, um estilo baseado nas concepções modernas a respeito do comportamento humano (Teoria Y).Likert = 4 perfis organizacionais. Sistema 1: Mão de obra intensiva e tecnologia rudimentar; Pessoal de pouca qualificação e educação (Empresas de construção civil ou industrial). Sistema 2: Tecnologia mais apurada e mão de obra mais especializada (Áreas de produção e montagens de empresas industriais, escritórios de fábricas etc...). Sistema 3: Áreas administrativas mais organizadas e avançadas em termos de relações com empregados (bancos e financeiras). Sistema 4: Sofisticada tecnologia e pessoal altamente especializado (empresas de serviços de propagando, consultoria em engenharia e em administração).Teoria das Decisões = Simon; Minztberg  A decisão envolve seis elementos, a saber: 1. Tomador de decisão 2. Objetivos 3. Preferências 4. Estratégia 5. Situação 6. Resultado Etapas do Processo Decisorial 1. Percepção da situação que envolve algum problema 2. Análise e definição do problema 3. Definição dos objetivos 4. Procura de alternativas de solução ou de cursos de ação 5. Escolha (seleção) da alternativa mais adequada ao alcance dos objetivos 6. Avaliação e comparação das alternativas 7. Implementação da alternativa escolhida3.Teoria das Relações Humanas - Principal autor Elton Mayo.Dentre os autores que agregaram referencial teórico à abordagem humanista no sentido das relações sociais e psicológicas podem ser citados: Mary Parker Follet (1868-1933), George Elton Mayo (1880-1949), Kurt Lewin (1890-1947), Hebert Alexander Simon (1945), Abraham H. Maslow (1908-1970), Frederick Herzberg (1959) e Douglas M. McGregor (1960).Após cinco experiências em Hawthorne, Mayo passa a adotar os seguintes pontos de vista: O trabalho é uma atividade tipicamente grupal; o operário reage como membro de um grupo e não como um indivíduo isolado. A organização eficiente é incapaz de elevar a produtividade se as necessidades psicológicas não forem descobertas, localizadas e satisfeitas. As Relações Humanas e a cooperação constituem a chave para evitar o conflito social. Essas idéias irão influenciar as seguintes escolas de Administração: a Escola Comportamental ou Behaviorista e a Escola do Desenvolvimento Organizacional, entre outras. O grupo trabalhava com maior liberdade e menos ansiedade. Havia um ambiente amistoso e sem pressões. Não havia temor ao supervisor. Houve um desenvolvimento social do grupo experimental. O grupo desenvolveu liderança e objetivos comuns. Pontos de vista de Mayo: O trabalho é uma atividade grupal. O operário reage como um membro de um grupo social. A organização desintegra grupos primários (família), mas forma uma unidade social. O conflito é o germe da destruição. A formação de uma elite capaz de compreender e de comunicar, dotada de chefes democráticos e simpáticos. 4.Teoria Burocrática = Max Weber 1940Disfunções da Burocracia segundo Merton: 1. Internalização das Regras e Apego aos Regulamentos – As normas e regulamentos passam a se transformar de meios em objetivos. Passam a ser absolutos e prioritários. Os regulamentos, de meios, passam a ser os principais objetivos da burocracia. 2. Excesso de Formalismo e de Papelório – A necessidade de documentar e de formalizar todas as comunicações dentro da burocracia a fim de que possa ser devidamente testemunhado por escrito pode conduzir à tendência ao excesso de formalismo, de documentação e de papelório. 3. Resistência Mudanças – Como tudo dentro da burocracia é rotinizado, padronizado, previsto com antecipação, o funcionário geralmente se acostuma a uma completa estabilidade e repetição daquilo que faz, o que passa a lhe proporcionar uma completa segurança a respeito de seu futuro na burocracia. 4. Despersonalização do Relacionamento – A burocracia tem como uma de suas características a impessoalidade no relacionamento entre funcionários. Daí o seu caráter impessoal, pois ela enfatiza os cargos e não as pessoas que os ocupam. Isto leva a uma diminuição das relações personalizadas entre os membros da organização. 5. Categorização como Base do Processo Decisorial – A burocracia se assenta em uma rígida hierarquização da autoridade. Portanto, quem toma decisões em qualquer situação será aquele que possui a mais elevada categoria hierárquica, independentemente do seu conhecimento sobre o assunto. 6. Superconformidade às Rotinas e aos Procedimentos – Com o tempo, as regras e rotinas tornam-se sagradas para o funcionário. O impacto dessas exigências burocráticas sobre a pessoa provoca profunda limitação em sua liberdade e espontaneidade pessoal. 7. Exibição de Sinais de Autoridade – Surge a tendência á utilização intensa de símbolo de status para demonstrar a posição hierárquica dos funcionários, como uniforme, mesa etc. 8. Dificuldade no Atendimento a Clientes e Conflitos com o Público – O funcionário está voltado para dentro da organização. Esta atuação interiorizada para a organização o leva a criar conflitos com os clientes da organização. Todos os clientes são atendidos de forma padronizada, de acordo com regulamentos e rotinas internos, fazem com que o público se irrite com a pouca atenção e descaso para com seus problemas particulares e pessoais.Características: Comunicação Formal; Divisão do Trabalho e racional; Impessoalidade nas relações; Hierarquia da autoridade; Rotinas e Procedimentos; Competência técnica   e Meritocracia; Profissionalização dos participantes e  completa previsibilidade do ambiente. Objetivo: Máxima eficiência.5. Abordagem Sistêmica = Ludwig Von BertalanffyAbordagem Clássica                  Abordagem Sistêmica  Reducionismo                              Expansionismo Pensamento Analítico                   Pensamento Sintético Mecanicismo                               TeleologiaModelo de Katz e Kahn Danel Katz e Robert L. Kahn desenvolveram um modelo de organização através da teoria do sistemas à teoria das organizações. Para eles a organização como sistema aberto caracteriza-se pelos seguintes aspectos: Importação- seria a entrada ou recebimento de material e energia para renovação das instituições; Transformação- a organização processa e transforma seus insumos em produtos acabados serviços e  mão-de-obra treinada; Exportação- seria a saída de certos produtos para o ambiente; Negentropia- seria o processo reativo de obtenção de reservas de energia, com finalidade de manter indefinidamente a sua estrutura organizacional. E assim evitando a morte das formas organizadas; Diferenciação- é a tendência para a elaboração das estruturas, e substituir os padrões difusos e globais, funções mais especializadas e altamente diferenciadas; Equinifinalidade- seria a capacidade de um sistema alcançar por vários caminhos diferentes o mesmo estado final; Limites ou Fronteiras- define a área da ação do sistema, bem como seu grau de abertura em relação ao meio ambiente.6. Teoria da Contigência = Lawrence e Lorsch A palavra contingência significa algo incerto ou eventual, que pode suceder ou não, refere-se a uma proposição que só pode ser conhecida pela experiência e pela evidência e não pela razão. A teoria da contingência vai bem mais longe do que a teoria de sistemas quando aborda a problemática do ambiente. Na teoria da contingência as condições de ambiente é que causam transformações no interior das organizações. Ou seja, o ambiente explica o fenômeno organizacional. Há quem negue esta influência total do ambiente sobre a organização. O argumento é que a influência sobre a organização é ditada não pelo ambiente, mas apenas pelo que interessa diretamente a organização, isto é, a tecnologia existente no ambiente. A teoria da contingência apresenta os seguintes aspectos básicos: A organização é de natureza sistêmica, isto é, ela é um sistema aberto. As características organizacionais apresentam uma interação entre si e com o ambiente. As características ambientais são as variáveis independentes, enquanto as características organizacionais são variáveis dependentes daquelas. As organizações mecanísticas apresentam as seguintes características: Estrutura burocrática baseada em uma minuciosa divisão do trabalho. Cargos ocupados por especialistas com atribuições bem definidas. Centralização das decisões na cúpula da organização. Hierarquia rígida de autoridade baseada no comando único. Sistemas rígidos de controle: a informação ascendente sobe através de uma sucessão de filtros e as decisões descem através de uma sucessão de amplificadores. Predomínio da interação vertical entre superior e subordinado. Amplitude de controle administrativos mais estreita. Maior confiança nas regras e procedimentos formais. Ênfase nos princípios universais da Teoria Clássica. As organizações orgânicas apresentam as seguintes características: Estruturas organizacionais flexíveis e com pouca divisão de trabalho. Cargos continuamente redefinidos por interação com outras pessoas que participam da tarefa. Descentralização das decisões, delegadas aos níveis inferiores. Tarefas executadas por meio do conhecimento que as pessoas têm da empresas como um todo. Hierarquia flexível, com predomínio da interação lateral sobre a vertical. Amplitude de controle administrativo mais ampla. Maior confiabilidade nas comunicações informais. Ênfase nos princípios da Teoria das Relações Humanas. Uma nova forma de organização surgirá: a adhocracia, o inverso da burocracia. A adhocracia (do latim, ad hoc = para isso ou para este fim) significa uma estrutura flexível capaz de dar-se contínua e rapidamente às condições ambientais em mutação. A adhocracia caracteriza-se por: Equipes temporárias e multidiciplinares de trabalho, isto e, autônomas e auto-suficientes. Autoridade totalmente descentralizada, ou seja, equipes autogerenciáveis ou auto-administrativas. Atribuições e responsabilidades fluidas e mutáveis. Poucas regras e procedimentos, ou seja, muita liberdade de trabalho. As conclusões de woodward são as seguintes: O desenho organizacional é afetado pela tecnologia: as firmas de produção em massa bem-sucedidas são organizadas em linhas clássicas, com deveres e responsabilidades definidos, unidade de comando, distinção entre linha e staff e estreita amplitude de controle. Há uma forte correlação entre estrutura organizacional e previsibilidade das técnicas de produção: a previsão de resultados é alta para a produção por processamento contínuo e baixa para a produção unitária (oficina). Organizações com operações estáveis e permanentes requerem estruturas burocráticas com um sistema mecanístico de administração, enquanto as organizações inovativas e com tecnologia mutável requerem um sistema “orgânico” e adaptativo. Há um predomínio das funções na empresa: a importância de cada função, como vendas, finanças, produção e engenharia na empresa depende da tecnologia utilizada. Em resumo, há um imperativo tecnológico: a tecnologia adotada pela empresa determina a sua estrutura e comportamento organizacional. AMBIENTE GERAL: É o macroambiente, ou seja, o ambiente genérico e comum a todas as organizações. Tudo o que acontece no ambiente geral afeta direta ou indiretamente todas as organizações. O ambiente geral é constituído de um conjunto de condições semelhantes para todas as organizações, como: Condições Tecnológicas Condições Legais Condições Políticas Condições Econômicas Condições Demográficas    Condições Ecológicas Condições Culturais AMBIENTE DE TAREFA: É o ambiente mais próximo e imediato de cada organização. É o segmento do ambiente geral do qual cada organização extrai as suas entradas e deposita as suas saídas. É o ambiente de operações de cada organização e é constituído por: Fornecedores de Entradas Clientes ou Usuários Concorrentes Entidades Reguladoras Cada um desses elementos ambientais pode ser uma organização, grupo, instituição ou indivíduo. Pode ser o governo ou outros países.

Nova página

Show full summary Hide full summary

Similar

ASSISTENTE EM ADMINISTRAÇÃO 2016
Alcione Braz
Breve Histórico - Conhecimentos Especificos IBGE (Edital 2013), Nível médio Part. 01
ae.antunes
IBGE 2016 - CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS - Cronologia IBGE
Alex Farias
CONH. ESPECÍFICOS IBGE (História)
Josiane Dias
Pontos principais necessários para utilizar a motivação como um fator crítico de sucesso
Jorge Edson Saiss Junior
Perguntas e Respostas
Graça Fernandes
Conhecimentos Especifícos
alanrodrigojnc
Conhecimentos Específicos para o cargo de Auxiliar de Tesouraria
Ana Maria Sousa
Sobre a cibernética
denise faria
MATRÍCULA
Josué Micherlan