AULA 08 - REGÊNCIA NOMINAL E VERBAL E USO CRASE

vi_viana
Flashcards by , created over 4 years ago

concursos PORTUGUÊS Flashcards on AULA 08 - REGÊNCIA NOMINAL E VERBAL E USO CRASE, created by vi_viana on 07/21/2015.

34
2
0
Tags No tags specified
vi_viana
Created by vi_viana over 4 years ago
Português para Vestibular
GoConqr suporte .
Português concurso
Roberta Souza
Gramática - Visão Geral - Fonologia
tiago meira de almeida
Spanish Vocab Flash Cards
Clarice Thorn
I wish I..
Cristina Cabal
GRAMÁTICA da LÍNGUA PORTUGUESA
Viviana Veloso
SUBSTANTIVOS
Viviana Veloso
FONOLOGIA estudo dos sons
Viviana Veloso
Gramática - Fonologia - Quiz I
tiago meira de almeida
Figuras de linguagem
Roberta Souza
Question Answer
Regência de Verbos Específicos → AGRADAR - Transitivo direto: quando significar “acariciar, acarinhar”. EX. Antes de dormir, agradava sua namorada afagando-lhe os cabelos. - Transitivo indireto: quando significar “satisfazer, contentar”. O governo daquele prefeito não agradou aos eleitores. Atenção! O verbo DESAGRADAR é sempre transitivo indireto.
Regência de Verbos Específicos → AGRADECER - É transitivo direto e indireto: Agradeci a meu chefe o aumento salarial. Na linguagem culta, evita-se dizer: Agradeci a meu chefe pelo aumento salarial.
Regência de Verbos Específicos. → AJUDAR - Transitivo direto: quando significar “auxiliar, prestar ajuda”. Ajudava sua mãe nas tarefas domésticas sempre que podia. - Transitivo direto e indireto: quando aparecer seguido de infinitivo e também for completado por um objeto direto. Observe: Ajudava sua mãe a realizar as tarefas domésticas.
Regência de Verbos Específicos. → ANTIPATIZAR/SIMPATIZAR - São transitivos indiretos e pedem o uso da preposição “COM”: Ele antipatizou com o cunhado, porém simpatizou com a sogra. Atenção! Ambos os verbos não possuem forma pronominal. Portanto, na linguagem culta, não é correto dizer: Ele se antipatizou com o cunhado, porém se simpatizou com a sogra.
Regência de Verbos Específicos. - Transitivo direto: quando significar “respirar, inalar”. As vítimas do incêndio aspiraram muita fumaça. - Transitivo indireto: no sentido de “ambicionar, desejar, almejar”. Desde pequeno, aspirava ao cargo de Presidente da República. Atenção! Embora se trate de objeto indireto, não se deve utilizar o pronome “LHE” em complemento ao verbo “ASPIRAR”. Trata-se de uma exceção às regras de emprego dos pronomes oblíquos. Prefira utilizar as formas tônicas analíticas “A ELE, A ELA, A ELES, A ELAS”.
Regência de Verbos Específicos. - Transitivo direto: quando significar “ajudar, auxiliar, socorrer”. Os médicos assistiram muitas vítimas do incêndio. - Transitivo indireto: no sentido (mais comum) de “ver, presenciar, observar”. Assistimos ao programa de televisão.
Regência de Verbos Específicos. → ATENDER - Transitivo indireto: quando significar “atentar”. O candidato não atendeu aos requisitos mínimos para ocupar o cargo. - No sentido mais comum de “responder, ser atencioso, cuidar”, o verbo tanto poderá ser transitivo direto quanto transitivo indireto. Ela atendeu ao telefone. OU Ela atendeu o telefone. Caso se queira, no entanto, substituir o complemento por pronome oblíquo átono, utiliza-se a regência transitiva direta (“Ela atendeu-o”).
Regência de Verbos Específicos. → ALERTAR, ANUNCIAR, AVISAR, CERTIFICAR, COMUNICAR, INFORMAR, NOTIFICAR, PREVENIR Todos os verbos acima seguem a mesma lógica a seguir anunciada. - Transitivo direto e indireto: quando significar “comunicar, dar esclarecimento”. O jornal informou a greve rodoviária aos telespectadores. Para alguns desses verbos, pode haver duas estruturas: - Informar algo a alguém. OU - Informar alguém de/sobre algo. O jornal informou a greve rodoviária aos telespectadores. O jornal informou os telespectadores sobre a greve rodoviária.
Regência de Verbos Específicos. → CHAMAR - Transitivo direto: quando significar “convocar”. João chamou Maria para jantar. - Transitivo indireto: no sentido de “invocar, clamar”. Nesse caso, usa-se a preposição “POR”. Chamou por todos os santos quando se viu em apuros. - Quando significar “apelidar, qualificar”, o verbo CHAMAR tanto pode ser transitivo direto quanto transitivo indireto.
Regência de Verbos Específicos. → CHEGAR, IR, DIRIGIR-SE Os três verbos acima são intransitivos e possuem sentido de deslocamento. Eles exigem, no entanto, a presença de adjunto adverbial de lugar iniciado pelas preposições “A” ou “PARA”. Aos doze anos, fui para Salvador. Muitas pessoas chegaram ao centro de convenções pontualmente. Eles dirigiram-se ao local combinado. Atenção! Nos casos acima, o uso da preposição “EM” não é aconselhado pela linguagem formal (apesar de bastante comum na linguagem coloquial). Evite, portanto, dizer “eu fui no quarto” ou “eu cheguei em Salvador”
Regência de Verbos Específicos. → CUSTAR - Intransitivo: quando significar “valer, ter preço”, seu complemento não será objeto, mas sim adjunto adverbial. Sua casa valia quase um milhão de reais. - Transitivo indireto: quando significar “ser difícil, ser custoso”. Nesse caso, o sujeito será oracional, ou seja, será uma oração subordinada substantiva subjetiva, sempre reduzida de infinitivo. Uma vez que o sujeito é oracional, o verbo CUSTAR virá sempre na terceira pessoa do singular. Observe: Custou aos familiares esquecer a morte de Maria. Nunca diga: “os familiares custaram a esquecer a morte de Maria”, pois essa construção está errada.
Regência de Verbos Específicos. É transitivo direto: Desculpe os erros cometidos. Também pode ser usado na forma pronominal, caso em que exigirá o auxílio da preposição “POR”. Desculpe-me pelos erros cometidos.
Regência de Verbos Específicos. → ENSINAR - Transitivo direto: quando significar “educar”. O professor ensinou muitas crianças carentes no interior do estado. - Transitivo direto e indireto: quando se diz “ensinar algo a alguém”. Nesse caso, o objeto direto será o algo ensinado e o objeto indireto será o alguém a quem se ensinou. Ensinava matemática a todos os netos.
Regência de Verbos Específicos.→ → ESQUECER/LEMBRAR - Transitivo direto: no sentido mais usual de ESQUECER (“perder na memória”) e LEMBRAR (“reter na memória”): Marina esqueceu os aprontes do namorado e resolveu casar-se. Também pode ser usado na forma pronominal, caso em que exigirá o auxílio da preposição “DE”. Marina esqueceu-se dos aprontes do namorado e resolveu casar-se.
Regência de Verbos Específicos.→ → HAVER → HAVER O verbo HAVER merece toda a sua atenção não apenas quanto à sua concordância (já analisada por nós), mas também quanto à regência. - Transitivo direto: quando significar “existir” (sentido mais comum) ou no sentido de “decorrer (tempo)”. Nesses casos, o verbo estará SEMPRE na terceira pessoa do singular e não possuirá sujeito (é impessoal). Houve grande confusão no fim da festa. - Transitivo direto e indireto: quando significar “obter, conseguir”. Nesse sentido (pouco usual), o verbo flexiona-se para concordar com o sujeito. Eles houveram da justiça o direito de construir o edifício.
Regência de Verbos Específicos. → IMPLICAR - Transitivo indireto: quando significar “embirrar, antipatizar”. Nesse caso, usa-se a preposição “COM”. João sempre implicou com meus parentes. - Transitivo direto e indireto: quando significar “envolver, comprometer”. Nesse caso, o objeto indireto será precedido da preposição “EM”. A justiça implicou os criminosos em penas bastante altas. - Transitivo direto: quando significar “acarretar, ocasionar”. Seus crimes implicaram penas bastante altas.
Regência de Verbos Específicos. → NAMORAR Há algum tempo, o verbo NAMORAR era transitivo direto (“namorar alguém”). Nos dias atuais, no entanto, é muito mais comum dizer-se “namorar com alguém” (transitivo indireto). São admitidas ambas as construções. Lídia só namorava rapazes inteligentes. Lídia só namorava com rapazes inteligentes.
Regência de Verbos Específicos. → NECESSITAR - Tanto pode ser transitivo direto quanto transitivo indireto. Ele necessitava minha ajuda semanalmente. Ele necessitava de minha ajuda semanalmente.
Regência de Verbos Específicos. → OBEDECER/DESOBEDECER - São transitivos indiretos. Obedeça a seus pais. Ele sempre desobedeceu às ordens dos superiores. *** A peculiaridade desses verbos está no fato de admitirem a voz passiva (apesar de serem transitivos indiretos): João era obedecido sem maiores esforços.
Regência de Verbos Específicos. → PAGAR/PERDOAR - Transitivos diretos: quando o complemento for “coisa”, e não “pessoa”. Paguei os impostos. Perdoei as dívidas. - Transitivo indireto: quando o complemento for “pessoa”. Paguei aos credores. Perdoei aos inimigos. - Transitivo direto e indireto: quando houver dois complementos; um será “coisa” e o outro será “pessoa”. Paguei as dívidas aos credores.
Regência de Verbos Específicos.→ . → PRECISAR - No sentido de “necessitar”, tanto pode ser transitivo direto quanto pode ser transitivo indireto (uso mais comum). Preciso de sua ajuda. Preciso sua ajuda. - É transitivo direto quando significar “estipular, marcar”. A arquiteta precisou o valor do projeto.
Regência de Verbos Específicos → PREFERIR É transitivo direto e indireto. Diz-se “preferir isso a aquilo”. A preposição indicada para iniciar o objeto indireto é sempre “A”. Preferia Abelardo a todos os namorados anteriores. Não é correto dizer “preferia Abelardo mais que todos os namorados anteriores” ou “preferia sair do que ficar em casa”. A preposição deve ser sempre “A”.
Regência de Verbos Específicos → TRATAR - Transitivo direto: no sentido de “dar tratamento (a algo ou alguém)” ou no sentido de “fazer acordo, fazer negócio”. Ele tratava todo mundo com respeito. O corretor tratou a venda do imóvel com o comprador. - Transitivo indireto: quando significar “discorrer, abordar (um assunto)”. Na reunião, tratamos dos problemas financeiros enfrentados pela empresa.
Regência de Verbos Específicos → VISAR - Transitivo direto: quando significar “olhar, mirar”. Visou o horizonte e seguiu em disparada. - Transitivo indireto: quando significar “desejar, almejar”. Visou ao cargo de presidente na empresa da família. Atenção! Se o complemento do verbo VISAR for uma oração reduzida de infinitivo, costuma-se abolir o uso da preposição, ainda que o sentido seja de “desejar, almejar”. A preposição será, portanto, facultativa. Visou ocupar o cargo de presidente. Visou a ocupar o cargo de presidente.
CRASE A crase é o fenômeno de união entre duas vogais idênticas. O acento grave é o sinal gráfico que indica a presença do fenômeno crase.
Crase Obrigatória → Em locuções femininas: nesse caso, o uso da crase não se dá por relação regencial (como nos casos acima), mas para evitar ambiguidades, ou seja, para evitar que se confunda a locução com outros termos da oração. À noite, à tarde, à beça, à revelia, à deriva, à farta, à luz, à vista, à escuta, à primeira vista, à hora certa, à esquerda, à direita, à toa, à espanhola, à milanesa, à oriental, à ocidental, às vezes, às escondidas, às avessas, às claras, às moscas, às pressas, às turras, à vontade, às ocultas, à custa de, à força de, à beira de, à espera de, à procura de, à vista de, à sombra de, à exceção de, à semelhança de, à frente de, à razão de, à mercê de, à base de, à moda de, à maneira de, à imitação de, à medida que, à proporção que, etc. EXCEÇÃO: As locuções adverbiais de meio ou instrumento não recebem o sinal indicativo de crase. Alguns gramáticos, no entanto, consideram como facultativo o emprego do sinal nesses casos. Ele foi morto a bala / a espada / a foice. OBSERVAÇÃO: Muitas vezes, a locução adverbial “À MODA DE” aparece implícita. Ela vestia-se à Lady Di. à moda de L
Crase Obrigatória Saiu às sete horas. Marcamos à meia-noite, mas ele não apareceu. João sai do trabalho à uma hora. A criança assistia à televisão das 8h às 9h. OBSERVAÇÃO: Se o tempo indicado for indeterminado ou generalizado, não há a crase: A perícia confirmou que ele foi morto após as 21 horas. Daqui a três horas, sairei para jantar. João sai do trabalho a uma hora. (= daqui a uma hora)
Crase Facultativa Há casos em que a crase é facultativa, ou seja, o sinal grave poderá ou não ser empregado. Isso porque, nesses casos, o emprego do artigo definido será opcional. → Antes de pronomes possessivos: Irei à sua casa hoje. / Irei a sua casa hoje. OBSERVAÇÃO: Se o pronome possessivo retomar um termo elíptico (oculto), a crase será obrigatória (pois a presença do artigo também): Ele irá a/à minha casa, mas não irá à sua.
Crase Facultativa → Antes da preposição “ATÉ”: Irei até à casa de Maria. / Irei até a casa de Maria.
Crase antes das palavras “TERRA” e “CASA” - TERRA: Quando a palavra for empregada no sentido de “terra firme, chão”, NÃO haverá crase. Isso porque não se emprega o artigo feminino antes do termo. Observe: O comandante deixou o navio e chegou a terra. Por outro lado, quando o termo for empregado em qualquer outro sentido determinado de terra (“planeta Terra”, “terra natal”, “barro”), haverá o uso do artigo feminino. Nesses casos, quando ocorrer preposição, haverá a junção desta com o artigo, e, portanto, será necessário o uso do sinal indicativo de crase. Veja: O astronauta voltou da lua e chegou à Terra. Retornou à terra natal para rever os amigos. O avião planou rente à terra.
Crase antes das palavras “TERRA” e “CASA” - CASA: Quando a palavra for empregada no sentido genérico de “lar, morada”, NÃO haverá crase. Isso porque não se emprega o artigo feminino antes do termo. Observe: Foi a casa almoçar. (= para casa) Enquanto viajava, só pensava em retornar a casa. (= retornar para casa) Por outro lado, quando o termo estiver acompanhado de adjetivo ou locução adjetiva que determine seu sentido (“casa de fulano”, “casa tal”), haverá o uso do artigo feminino. Nesses casos, quando ocorrer preposição, haverá a junção desta com o artigo, e, portanto, será necessário o uso do sinal indicativo de crase. Veja: Foi à casa do irmão almoçar. (= para a casa do irmão) Dirigiu-se à casa amarela e fotografou a fachada.
Não haverá crase a) antes de verbo Convidamos João a visitar nosso apartamento. b) antes de palavras masculinas Andava sempre a pé. c) antes de pronomes de tratamento, exceto ”senhora, senhorita e dona”: Enviarei a Vossa Excelência minhas considerações sobre o caso. Enviarei à senhorita minhas considerações sobre o caso. d) em expressões formadas por palavras repetidas: Fiquei frente a frente com o acusado. Fiquei cara a cara com o acusado.