Herança

Juliana  Alfer
Mind Map by Juliana Alfer, updated more than 1 year ago
Juliana  Alfer
Created by Juliana Alfer over 3 years ago
18
2

Description

JORDE, L. B.; CAREY, J. C.; BAMSHAD, M. J.; WHITE, R. L. Genética Médica. 3. ed. BORGES-OSÓRIO, Maria Regina & ROBINSON, Wanyce Miriam. Genética Médica. 3. ed. Porto Alegre, Artmed, 2013.

Resource summary

Herança
1 Monogênica ou Mendeliana: determinada por 1 gene apenas em proporções mais ou menos fixas/padronizadas
1.1 Pode ser
1.1.1 Autossômica > 90%
1.1.2 Ligada ao Sexo < 10%
1.1.2.1 Genes situados em x e Y
1.1.2.1.1 Y
1.1.2.1.1.1 Tem poucos genes
1.1.2.1.1.2 Determina o sexo
1.1.2.1.1.3 Sua herança é chamada Holândrica, de homem para homem
1.1.2.1.1.3.1 Homens são Hemizigotos para X
1.1.2.1.2 Apresentam poucas regiões homólogas
1.1.2.1.2.1 Maioria dos genes de X não tem lócus correspondente no Y
1.1.2.2 Herança ligada ao X

Annotations:

  • Não se distribui igualmente nos dois sexos. Não há transmissão direta de homem para homem.
1.1.2.2.1 Recessiva
1.1.2.2.1.1 Há mais homens afetados do que mulheres
1.1.2.2.1.2 Homens afetados geralmente têm filhos e filhas normais
1.1.2.2.2 Dominante

Annotations:

  • São menores em nº e prevalência em relação às recessivas ligadas ao X
1.1.2.2.2.1 Há mais mulheres afetadas do que homens
1.1.2.2.2.2 Homens afetados têm 100% de suas filhas afetadas, mas 100% dos filhos normais
1.1.3 Mitocondrial < 1%
1.1.3.1 Somente as mulheres podem transmitir
1.1.3.1.1 Toda a prole é afetada, M ou F
1.1.3.1.1.1 Geralmente são problemas nos músculos e no encéfalo
1.1.3.2 Interação de genes mitocondriais com nucleares
1.1.3.2.1 Taxa de mutação 10x maior que a nuclear
1.1.3.2.1.1 Não há mecanismos de reparo do mtDNA
1.1.3.2.1.2 Danos provocados pelos ROS liberados na fosforilação oxidativa na mitocôndria
1.1.3.2.1.3 Heteroplasmia é causa importante de expressão variável das doenças mitocondriais
1.1.3.2.1.3.1 Uma única célula pode apresentar pode abrigar algumas moléculas de mtDNA com variação molecular
1.1.3.2.1.3.1.1 Quanto mais dessas células houver, mais severa a expressão da doença
1.2 Recessiva: característica que só se manifesta quando o gene está em dose dupla (aa)
1.3 Dominante: característica se manifesta mesmo quando o gene está em dose simples (Aa)
2 Multifatorial ou Complexa: vários genes envolvidos e diversos fatores ambientais

Annotations:

  • Diferença entre Herança Multifatorial e Monogênica com Heterogeneidade de Lócus: A heterogeneidade de lócus é quando ocorre mutação em dois ou mais lócus distintos, que produzem o mesmo fenótipo ou fenótipos semelhantes
2.1 Características Semicontínuas
2.1.1 Descontínua/ Qualitativa
2.1.1.1 Herança Monogênica; Sem efeito ambiental; fenótipos marcadamente diferentes; distribuídos descontínuos na população
2.1.2 Contínua/ Quantitativa
2.1.2.1 Herança Poligênica, muitos genes em diferentes lócus, com pequenos efeitos sobre a característica
2.1.2.2 Diferenças pequenas e mensuráveis
2.1.2.3 Bastante influenciada pelo ambiente
2.1.2.4 Vários fenótipos intermediários (curva) determinados por efeito cumulativo e aditivo dos poligenes
2.1.3 Determinadas por vários genes, com influência ambiental variável; Distribuição descontínua na população
2.1.3.1 Altura, cor dos olhos, impressão digital, personalidade, pressão sanguínea, tempo de erupção dentária
2.1.3.2 Limiar de Suscetibilidade: quantidade mínima de genes necessários para que a característica se manifeste em determinado ambiente
2.1.3.2.1 Diferentes graus de suscetibilidade às doenças
2.1.3.2.2 Cada sexo possui seu limiar diferencial de suscetibilidade
2.1.3.2.3 Indivíduos nas extremidades da curva têm pouca chance de desenvolver a característica, indivíduos nas partes mais altas têm maior chance
2.1.3.2.3.1 Limiar de predisposição hereditária
2.1.3.2.3.1.1 Se for ultrapassado por acúmulo de genes nocivos no genótipo
2.1.3.2.3.1.1.1 Defeito congênito: Malformação ou doença, a depender de fatores ambientais nocivos
2.1.3.2.3.1.1.1.1 Cada fator de risco possui seu grupo de descendentes genéticos e ambientais
2.1.3.3 Quanto maior o número de lócus envolvidos na determinação da característica, mais contínuo, com diferenças mínimas
2.2 Como reconhecer?
2.2.1 Concordância: ambos os gêmeos apresentam ou não certa característica
2.2.2 Correlação: grau de parentesco, proporcional aos genes em comum
2.2.3 Herdabilidade: diferencia efeito dos genes e ambiente. Mensura o papel de determinação de um fenótipo
2.2.4 Risco de recorrência
2.2.4.1 Após o primeiro filho afetado, o risco de recorrência aumenta para os próximos irmãos
2.2.4.2 Quanto mais grave a anomalia (mais extremo na curva), maior o risco de recorrência para seus descendentes
2.2.4.3 A consanguinidade aumenta o risco de recorrência nos parentes em primeiro grau, esse risco cai bruscamente à medida que o parentesco se distancia
2.2.4.4 Afetados do sexo mais suscetível possuem mais genes nocivos, os quais serão transmitidos com maior risco aos parentes do afetado
2.2.4.5 Quanto menor o risco populacional, maior o aumento relativo do risco para irmãos
3 Defeitos na Morfogênese
3.1 Alterações quantitativas
3.1.1 Hipoplasia: Subdesenvolvimento de uma estrutura devido à redução no nº de células
3.1.2 Hiperplasia: desenvolvimento exagerado de uma estrutura devido ao aumento do nº de células
3.1.3 Hipotrofia: diminuição do tamanho de células
3.1.4 Hipertrofia: aumento do tamanho de células
3.1.5 Atrofia: Diminuição de uma estrutura normal devido a uma redução do tamanho e/ou nº de células
3.1.6 Agenesia: ausência de uma parte do corpo devido à inexistência do tecido primordial
3.1.7 Aplasia: Ausência de uma parte do corpo devido à uma falha do tecido primordial existente
3.1.8 Sequência: efeito cascata de eventos a partir de uma única anomalia derivando padrão de anomalias múltiplas
3.1.9 Síndrome: padrões consistentes de múltiplas anomalias patogenicamente relacionadas
3.1.10 Associação: anomalias que ocorrem conjuntamente com maior frequência do que a esperada ao acaso
3.2 Classificação
3.2.1 Malformação: Defeito morfológico primário resultante de um processo de desenvolvimento anormal
3.2.2 Disrupção: Defeito morfológico resultante de interferência extrínseca, não é hereditária, mas fatores genéticos podem predispor a esse evento
3.2.3 Deformação: Forma ou posição anormal de uma parte do corpo, causa extrínseca (pressão uterina) ou intrínseca (defeito no sistema neural)
3.2.4 Displasia: organização anormal de células no tecido
Show full summary Hide full summary

Similar

Sistema Cardiovascular: Artérias, Veias e Capilares
Natália Abitbol
Anatomia: sistema esquelético I
Natália Abitbol
Anatomia Artérias
Filipe Brito
Regras NBRs
Maria Clara Oliveira
Processo de Cicatrização
Letícia Silva
SIMULADO - Casos Clínicos
Rodrigo Gouvea
Anatomia membro inferior - Ossos, acidentes e movimentos
vitorstoco
AVALIAÇÃO TEÓRICA 13 DE MARÇO
Residencia CM HBDF
DESENVOLVIMENTO EMBRIONÁRIO
Vanessa Palauro
DOENÇA MENTAL E TRATAMENTO -Texto 16
eleuterapara
Escala de Coma de Glasgow
Vanessa Palauro