Sentimento do Mundo

May Filomeno
Note by May Filomeno, updated 4 months ago More Less
Alessandra S.
Created by Alessandra S. about 7 years ago
May Filomeno
Copied by May Filomeno 4 months ago
0
0

Description

Sentimento do Mundo. Resumo do livro e análise para estudar para vestibular.

Resource summary

Page 1

Publicado pela primeira vez em 1940, "Sentimento do mundo" é a terceira obra de Drummond e reúne 28 poemas. Neste livro, o poeta abraça de vez a poesia de cunho social, refletindo o momento de instabilidade e inquietação dos anos que antecederam a Segunda Guerra Mundial. Porém, a temática do eu (a terra natal, o indivíduo, a família etc.), muito presente nos seus livros anteriores, ainda aparece com destaque em Sentimento do Mundo.

Os poemas deste livro foram escritos entre 1935 e 1940, época em que o mundo tentava se recuperar da Primeira Guerra Mundial e enfrentava a ascensão de regimes totalitários: a Alemanha de Hitler, Franco na Espanha, Mussolini na Itália e o Estado Novo de Getúlio Vargas no Brasil. E, dentro deste contexto histórico-social, o poeta individualista de Alguma Poesia e Brejo das Almas revê seu fazer poético e toma consciência do mundo, voltando-se para a experiência coletiva.Porém, mesmo o poeta estando mais preocupado em escrever poesia social, a temática do eu continua ocupando lugar de destaque em Sentimento do Mundo, mas dessa vez com uma pitada de ironia e com um sentido mais universal. Assim, o eu não aparece mais como um indivíduo isolado, mas sim como alguém presente e conectado ao mundo. Aqui, o eu volta-se para assuntos mais universais e este seria o sentimento novo da poesia drummondiana a partir de então.Na vanguarda do movimento modernista (que já demonstrava sinais de esgotamento em 1940), Drummond renova sua temática existencial, buscando novos caminhos para temas como o amor, a morte e o tempo. Ainda bebendo da fonte modernista, os poemas de Sentimento do Mundo não possuem rima e seus versos têm as mais diversificadas métricas, tendo até um poema em prosa ("O Operário no Mar").Apesar de em "Sentimento do Mundo" Drummond ter tomado consciência do indivíduo num mundo que precisa ser salvo, ele reconhece também o fatal distanciamento entre os homens. Através da utilização constante do vocativo, como se chamasse o povo para uma união coletiva, dá-se vazão à ânsia do eu-poético de reunir os homens.Essa vontade de união entre os homens contrasta com a pessimista e sombria visão de mundo do autor. Embora o eu-lírico seja completamente descrente do presente e não acredita em dias melhores, no fundo há uma utópica esperança permeando todos os poemas do livro. Através do uso constante do vocativo e da terceira pessoa do plural, pode-se concluir que esta esperança de dias melhores nasce do ser coletivo, do "nós". Somente com a união entre os homens é que se pode escapar desse presente sombrio e tenebroso.O espaço interior aparece como símbolo de proteção, sendo intimamente associada a um privilégio de classe. Como exemplo, temos os moradores do "terraço mediocramente confortável" de "Privilégio do Mar", a princesa que mora numa "casa feita de cadáveres" (ou seja, em ruínas) em "Madrigal Lúgubre" e até mesmo o eu-lírico de "Mundo Grande". Nesses momentos é que a posição de nosso eu lírico torna-se crítica, pois será exatamente essa atitude alienada do burguês, que busca refúgio em um espaço fechado, que Drummond denunciará nesses e em outros poemas de Sentimento do Mundo.

Carlos Drummond de Andrade nasceu em Itabira do Mato Dentro, Minas Gerais, em 31 de outubro de 1902. Por insistência da família, formou-se em farmácia na cidade de Ouro Preto em 1925. Junto com outros escritores mineiros, fundou “A Revista”, importante publicação modernista mineira. Após ingressar no serviço público, mudou-se em 1934 para o Rio de Janeiro, onde viveu até morrer em 17 de agosto de 1987.A partir dos anos de 1950, passou a dedicar-se cada vez mais à produção literária. Apesar de sua maior obra ser poética, publicou também contos, crônicas, literatura infantil e traduções. Portador de uma ironia ímpar e um amargor característico, Drummond produziu uma obra que problematiza questões sociais, existencialistas, amorosas e da própria poesia. Suas poesias de cunho social fortemente marcada por uma influência de esquerda são consideradas sua obra-prima.Entre suas principais obras poéticas estão os livros "Alguma Poesia" (1930), "Sentimento do Mundo" (1940), "A Rosa do Povo" (1945), "Claro Enigma" (1951), "Poemas" (1959), "Lição de Coisas" (1962), "Boitempo" (1968), "Corpo" (1984), além do póstumo "Farewell" (1996).

Análise dos principais poemas do livro"Sentimento do Mundo" - Aqui o poeta nos revela sua limitação e impotência perante o mundo ("tenho apenas duas mãos/ e o sentimento do mundo"), mas se declara "cheio de escravos". "Sentimento do mundo" pode ser entendido também como um poema sobre o próprio fazer literário ("minhas lembranças escorrem"), onde os poemas ("escravos") surgem como armas ("havia uma guerra/ e era necessário/ trazer fogo e alimento") resultantes do "sentimento do mundo" do qual o poeta se conscientiza a partir dessa obra. Drummond revela neste poema uma visão de mundo extremamente pessimista, com um amanhecer "mais noite que a noite". "Confidência do Itabirano" - A alienação e o sentimento de dispersão que aparecem no primeiro poema do livro ("Sinto-me disperso,/anterior a fronteiras") são vistas como consequências do isolamento geográfico e social de um eu marcado pela decadência ("Tive ouro, tive gado, tive fazendas./Hoje sou funcionário público."). "Confidência do Itabirano" se fundamenta em uma série de antíteses ("vontade de amar" versus "hábito de sofrer", etc.), em um impasse poético entre o coletivo ("ferro nas calçadas") e o individual ("ferro nas almas"). A dor do poeta não é apenas causada pela saudade da terra natal, mas também pelo destino do país, que se modernizava e esquecia cidades como Itabira, que é "apenas uma fotografia na parede"."Poema da Necessidade" - as inquietações e preocupações impostas pelo ritmo frenético da vida moderna são representados um atrás do outro por meio de repetições (anáfora). As necessidades que nos são impostas (ler isso, acreditar naquilo, fazer aquilo outro) contrastam com as necessidades mais básicas e verdadeiras do homem: "É preciso viver com os homens/é preciso não assassiná-los". A necessidade de agir de acordo com os padrões e reprimir o ego esbarra no desejo íntimo."O Operário no Mar" - poema em prosa cujas imagens rompem a barreira do real fundamentando-se em bases surrealistas. O operário, figura idealizada do movimento socialista, aparece como um Cristo ("Agora está caminhando no mar"), mas seu corpo não é santo ("aparentemente banal") e não há nenhuma coisa que o ajude a passar pelas turbulências ("não vejo rodas nem hélices no seu corpo") do cotidiano. O poeta deixa claro que há uma diferença entre o trabalho braçal do operário e o trabalho (talvez cômodo) do fazer poético ao dizer: "Daqui a um minuto será noite e estaremos irremediavelmente separados pelas circunstâncias atmosféricas, eu em terra firme, ele no meio do mar". Mas há um sorriso que liga os dois e a esperança de que no futuro o eu-poético consiga compreender o operário."Canção do Berço" - neste poema o poeta transmite através de uma irônica amargura a mensagem de que o futuro já está marcado desde o berço: o amor, a carne, a vida, os beijos ou mesmo o mundo não têm importância num contexto de lucro imediato que a sociedade de consumo impõe. Ou seja, as relações humanas não possuem significado dentro de um estilo de vida baseado nos valores passageiros da sociedade moderna."Bolero de Ravel" - este poema tem como mote "Bolero", a obra mais famosa do compositor e pianista francês Maurice Ravel (1875-1937). Ravel compôs essa música como um simples exercício de orquestração, sendo construída em um ritmo invariável e numa melodia uniforme e repetitiva. A única sensação de mudança que temos se dá por uma mudança na intensidade dos instrumentos em determinadas partes da música. Essas características da obra aparecem no poema de Drummond através de referências como "espiral de desejo", "infinita, infinitamente" e "círculo ardente". O poema ganha significado através do contraste entre uma "alma cativa e obcecada", e um "aéreo objeto". Esta alma, que por não tocar jamais seu objeto de desejo (por isso "aéreo"), está presa num círculo infinito de "desejo e melancolia". Assim, "nossa vida" está presa nesse "círculo ardente" do desejo, numa dança infinita, onde os tambores servem para abafar a verdade de que o Imperador (o "desejo", ou aquele que impõe o objeto de desejo) na realidade está morto."La Possession du Monde" - Georges Duhamel foi um escritor francês que durante a década de 1930 e 1940 viajou pelo mundo divulgando a língua e a cultura francesa, além da ideia de construir uma civilização mais baseada no "coração humano" do que no avanço tecnológico. Tendo isso em mente, podemos pensar que este poema trata de questões como as qualidades da ética num mundo denegrido por um avanço técnico-econômico megalomaníaco e as relações secretas que ligam o desejo, o gozo (obtenção do objeto de desejo) e o "sentimento do mundo", uma vez que a personagem do poema desdenha da "erudita dissertação científica" ao preferir pedir a fruta amarela engraçada ("ce cocasse fruit jaune")."Mãos Dadas" - este, que é um dos mais emblemáticos poemas de Drummond, tem como eixo central o fazer poético e sua relação com o mundo, seu compromisso com o outro. O poeta deixa claro seu novo sentimento e a direção que sua poesia irá tomar ao declarar que não será "o poeta de um mundo caduco", ou seja, alienado da realidade presente ("O presente é a minha matéria"). Embora seus companheiros estejam tristes e calados, nutrem esperanças de dias melhores e o poeta se solidariza com eles."Dentaduras Duplas" - tido como um dos poemas do indivíduo mais extraordinários feitos por Drummond, "Dentaduras Duplas" trata de um tema que percorre toda a história da poesia: o envelhecer. Aqui, o "eu" se questiona e questiona a vida de modo mais universal, não isolado e individualista como nos livros anteriores. O poema é quase todo composto nem versos pentassílabos, em uma construção rítmica onde uma palavra puxa a outra. Seu final resume em uma metáfora irônica o apetite do tempo: "mastigando lestas/e indiferentes/a carne da vida!"."Elegia 1938" - neste poema Drummond parece utilizar a segunda pessoa do singular, "tu", como se falasse consigo mesmo. Este desdobramento do eu-lírico em uma outra pessoa aparece diversas vezes em Sentimento do Mundo, como se o poeta precisasse de uma referência externa mais séria (embora muitas vezes irônica) para conseguir analisar a realidade a sua volta, que parece tão errada."Mundo Grande" - as ruas, espaço público onde os problemas e conflitos sociais e políticos se mostram de modo mais evidente, aparecem claramente em contraposição à alienação de uma classe privilegiada que se encontra protegia dentro de espaços fechados: "Fecha os olhos e esquece. Escuta a água nos vidros,/tão calma. Não anuncia nada". Ao utilizar nessa passagem a terceira pessoa ("fecha", "escuta"), o eu-lírico está se desdobrando numa outra pessoa, encenando assim um conflito de sentimentos e posições morais. 

Introdução

Resumo

Autor

Análise

Show full summary Hide full summary

Similar

Provas anteriores de Vestibular - Fuvest 1
GoConqr suporte .
Plano de estudos ENEM 2017 - Matérias que mais caem
Nathalia - GoConqr
Provas anteriores de vestibular - Fuvest 2
GoConqr suporte .
5 Ferramentas de Estudo para Melhorar sua Aprendizagem -Vestibular e Enem
GoConqr suporte .
Livros para Vestibular - Fuvest e Unicamp
GoConqr suporte .
Plano de estudos ENEM - Parte 1 *Humanas
GoConqr suporte .
Plano de estudos ENEM - Parte 1 *Humanas
Alice Sousa
Plano de estudos ENEM - Parte 2 *Exatas/Biológicas
Alice Sousa
Vestibular - Guia de Estudos
Alessandra S.
Simulado Matemática
Marina Faria
Simulado Geografia
Marina Faria