Biologia Celular - Envoltórios

Yvie Takayama
Note by Yvie Takayama, updated more than 1 year ago
26
0
0

Description

Biologia 2 Note on Biologia Celular - Envoltórios, created by Yvie Takayama on 08/27/2016.
Tags

Resource summary

Page 1

Envoltórios Celulares Célula é um compartimento "isolado" do ambiente por três tipos diferentes de envoltórios: PAREDE CELULAR MEMBRANA PLASMÁTICA GLICOCÁLICE

Page 2

PAREDE CELULAR Também pode ser chamada de membrana esquelética Grande resistência: proteção e sustentação da célula CÉLULAS PROCARIÓTICAS: presença obrigatória (BACTÉRIAS - peptidoglicano) CÉLULAS EUCARIONTES: células vegetais, algas e fungos (FUNGOS - quitina)

Page 3

PAREDE CELULAR EM CÉLULAS VEGETAIS Constituída por polissacarídeos (celulose, hemicelulose e pectina) Pode apresentar poros, onde ocorre intercâmbio entre os citoplasmas de duas células vizinhas (plasmodesmos) Totalmente permeável à água e a muitas moléculas (não constituindo, normalmente, uma barreira para entrada ou saída de substâncias)

Page 4

CÉLULA VEGETAL JOVEM: Sintetiza e adere ao lado externo da membrana plasmática uma fina e elástica camada de pectina (lamela média ou mediana) Abaixo da lamela forma-se outra camada , constituída de celulose, também muito fina, denominada parede primária. A parede primária é fina e flexível EX.: folhas

Page 5

CÉLULA VEGETAL ADULTA: Junto à parede primária, há uma parede mais espessa e rígida, a parede secundária A parede secundária é dividida em três camadas (S1, S2 e S3) EX.: madeira/lenha/caule/raíz

Page 7

MEMBRANA PLASMÁTICA Também denominada plasmalema Encontrada em todos os tipos celulares Extremamente fina Constituída por fosfolipídeos associados a certas proteínas, sendo portanto lipoproteica Separa o meio intracelular do meio extracelular, delimitando o espaço intracelular Controla as substância que entram e saem da célula (permeabilidade seletiva) A célula apresenta uma composição química própria e diferente do meio extracelular

Page 8

ESTRUTURA DA MEMBRANA PLASMÁTICA Mosaico fluído ( S.J. Singer e G. Nicholson) Moléculas globulares de proteínas ficam incrustadas em uma dupla camada de fosfolipídeos As moléculas de fosfolipídeos que compõem a camada dupla são constituídas por caudas apolares(sem cargas elétrica) e hidrofóbicas (sem afinidade pela água), voltadas para o interior da membrana, e cabeças polares (com cargas elétrica) e hidrofílicas (com afinidade pela água) voltadas para o meio extracelular ou para o citoplasma, que são meios aquosos Nas células animais encontramos o colesterol, que ajuda a diminuir um pouco a fluidez da membrana Nas células vegetais não encontramos o colesterol, mas os fitoesteróis, com as mesmas funções

Page 9

As proteínas que compõem a membrana podem ser de dois tipos: periféricas e integrais Ambas podem ser associadas a moléculas de carboidratos (oligossacarídeo) Proteínas periféricas: estão localizadas nas faces (externa e interna da membrana) Proteínas integrais: inseridas na camada bipilipídica

Page 10

A flexibilidade da membrana é dada pelo movimento contínuo dos fosfolipídios, que se deslocam sem perder o contato uns com os outros As moléculas de proeínas também têm movimento, podendo se deslocar pela membrana em todas as direções

Page 12

GLICOCÁLIX Também denominado glicocálice Constituído por uma rede de carboidratos que se ligam a proteínas ou lipídios da membrana plasmática, formando respectivamente glicoproteínas e glicolipídios É uma extensão da membrana plasmática,e não uma camada separada É responsável pela proteção, em conjunto com a membrana plasmática, contra agressões físicas e químicas do ambiente E também pelo reconhecimento de proteínas extracelulares e facilitação da aderência e retenção de partículas importantes para a sobrevivência da célula, ajudando na sua posterior absorção

Page 14

PERMEABILIDADE DA MEMBRANA PLASMÁTICA Para garantir a identidade química da célula, a membrana plasmática atual seletivamente, controlando a passagem de íons e pequenas moléculas (permeabilidade seletiva) Esse controle pode ocorrer por meio de dois mecanismos básicos: transporte passivo e transporte ativo

Page 15

TRANSPORTE PASSIVO Não há consumo de energia pela célula, isto é, ocorre de maneira espontânea ou natural Pode ser de três tipos: difusão simples, difusão facilitada e osmose

Page 16

DIFUSÃO SIMPLES Processo físico Ocorre quando adicionamos um soluto em um solvente (o soluto tende a se distribuir homogeneamente pelo solvente, produzindo uma solução homogênea) Quando duas soluções de concentrações diferentes são colocadas em contato, também ocorre difusão (as moléculas de soluto se deslocam da solução mais concentrada para a solução menos concentrada, esse movimento só cessa quando as concentrações se tornam iguais) MEIO HIPOTÔNICO: menos concentrado MEIO HIPERTÔNICO: mais concentrado MEIO ISOTÔNICO: concentração igual

Page 18

DIFUSÃO FACILITADA Proteínas especiais, denominadas permeases, atuam facilitando a passagem de certas substâncias importantes para a célula, como glicose, aminoácidos e vitaminas, que teriam dificuldades para atravessar a membrana por difusão simples. O transporte de soluto também ocorre sem gastos de energia A favor do gradiente de concentração

Show full summary Hide full summary

Suggestions

Sistema Respiratório - Biologia
GoConqr suporte .
Sistemas do Corpo Humano
GoConqr suporte .
Glossário de Biologia
GoConqr suporte .
2a Lei de Mendel
Andrea Barreto M
A Célula
Nathalia - GoConqr
Ecologia I
kyungsos
Exercícios- Tipos de Reprodução
Andrea Barreto M
Lipídios
Andrea Barreto M
Reino Monera
nathaliaires
Mitose
igorlmgx
Vitaminas
Júlia Figueiredo