Medo do Escuro

Andrea Coelho
Slide Set by Andrea Coelho, updated more than 1 year ago
2
0
0

Description

Título original: Afraid of the dark Formato: Documentário Produtor: History Channel Ano: 2010 https://www.youtube.com/watch?v=oNN78rd1eZ0&t=791s

Resource summary

Slide 1

    Medo do Escuro
    Título original: Afraid of the darkFormato: Documentário Produtor: History Channel Ano: 2010 Análise da origem e implicações do medo do escuro. Antes da invenção da luz artificial; onde eram os lugares mais perigosos? Por que temos medo do escuro? O medo do escuro é nato ao ser humano ou é um medo que aprendemos? Característica evolucionaria ou sócio-cultural?Biologicamente em desvantagem para enxergar a noite

Slide 2

    1°TEORIA: O medo do escuro como instinto de preservação. O historiador Roger Erkich afirma que o medo do escuro é o medo mais antigo do ser humano. Este medo foi desenvolvido no decorrer das gerações, posteriormente, tornou-se um instinto de preservação oriunda da época em que o ser humano foi presa de predadores noturnos; Evidências sugerem que nosso medo do escuro pode ter origem há cerca de 10 mil anos atrás na África.
    2°TEORIA: O medo do escuro, principalmente no ocidente, também tem origem nas crenças religiosas. No ano 100 d.c, Satanás que até então fora uma presença abstrata, tornou-se uma presença física, pois Os primeiros cristãos acreditavam que satánas acompanhava a escuridão; alguns teólogos afirmavam que deus baniu Satanás a viver na escuridão, e que a mesma era propícia aos propósitos de Satanás, e quando nós humanos estamos mais vulneráveis.

Slide 3

    3°TEORIA: Medo do escuro devido aos ataques noturnos. Na idade média, como hoje em dia, era muito perigoso viajar à noite; os ladrões sabiam que os camponeses retornavam do mercado com moedas provenientes das vendas de seus produtos. A maioria dos assaltantes era cruel e violenta. Quem viajava durante à noite, também ficava aterrorizado com assaltantes enforcados ou presos em jaulas para morrer de fome como punição; o que tornava o cenário noturno mais tétrico. Os sons, as paisagens, o cheiro e até o vento uivando no vale que a propósito era chamado de "grito das trevas".
    4°TEORIA: Medo do escuro devido à incêndios. Historicamente, antes da energia elétrica, a maioria dos incêndios ocorria quando as pessoas estavam dormindo, devido ao fogo que era utilizado para iluminar casas medievais feitas com palhas. Em Estocolmo quando a ronda noturna dava o alerta de fogo, quem se recusasse a ajudar era decapitado, pois estava colocando a vida de todos em risco. As rondas noturnas costumavam gritar fogo em outras circunstâncias como assaltos e invasões, pois só assim a comunidade se mobilizava. Ainda hoje, estatísticas mostram que a maioria dos incêndios se inicia entre meia-noite e seis da manhã.

Slide 4

    TEXTO EM DESENVOLVIMENTO

Slide 5

    FATO HISTÓRICO: As primeiras velas a serem utilizadas eram de cera de abelha no século III a.C e eram usadas só por ricos e poderosos; os mais pobres improvisavam, ensebavam junco com gordura animal.O historiador Roger Erkich tem provas históricas de que o sono humano era dividido em dois períodos; o 1º e o 2º sono, onde o 1º começava cerca de uma hora após o pôr do sol; depois entre meia-noite e três horas da madrugada o indivíduo acordava e realizava quaisquer atividade do cotidiano por cerca de 1 a 2 horas e então iniciava o 2° sono. seu livro At Day's Close: Night in Times Past; mostra mais de 500 referências em diversas culturas e tempos a um padrão de sono segmentado, em diários, registros jurídicos, livros médicos e literatura, desde a Odisseia, de Homero até a Revolução Industrial.CURIOSIDADES: Em cidades urbanizadas como São Paulo, podemos enxergar a olho nu, apenas 1% das estrelas do que Galileu enxergara há mais de 400 anos atrás. Hoje medimos a escuridão com a Escala de Bortle , que vai de 1 à 9, do mais escuro para o mais claro. Se encontram na faixa 1 da escala Bortle o deserto australiano e as montanhas do Peru; na faixa 9 temos Nova Iorque. A 500 km da costa oceânica podemos experimentar a escuridão total da faixa 1 da escala de Bortle.

Slide 6

    5º TEORIA: O Sobrenatural: medo que os mortos pudessem voltar (TEXTO EM DESENVOLVIMENTO)Personagens históricos como Vlat Tapes e Elisabete Bathory foram psicopatas cruéis; assassinaram muitas pessoas com requintes de crueldade.... Camponeses medievais passaram a acreditar que tais crimes eramtão perversos que com certeza foram obra do próprio demônio.na tentativa de buscar resposta... quando não encontram lógica recorrem ao sobrenaturalos camponeses europes passaram pelo folclore o medo de vampiros..eles de fato acreditavamcemitérios e assombrassões... cemitério de endiburgo... 8°Rei Eduardo III no século 13 aprovou umalei que tornava crime a pobreza e vadiagemquem dormia nas ruas era assassinadoEdimburgo - Escócia - Século XVIII cerca de 50 pessoasviviam nos subteraneios da cidade para se proteger dosassassinos... no século XIX a dupla de assassinos comoçou a caçar nos subteraneios para vender os corpos para anatomistas.elas não tinham identidade... ninguém se preocupava com elas...ninguém queria doar seu corpo para estudos por causa do cristianismo

Slide 7

    ÁRVORE SORBUS era plantada na frente das casas para proteger contra o malcabell tomb- homem mal, vendeu alma ao diabo, assassinou a esposa... quando morreu colocaram uma laje em cima do tumulo para evitar que sua alma não voltasse... mas cães uivaram a noite toda em volta de seu túmulo.... e dizem que até hoje ela passeia com os cães pela noite.toda comunidade tem histórias de fantasmaslendas do bar onde o diabo tomou uma cerveja e queimou o balcão 1:22mesmo com o adivento da energia eletrica nosso medo do escuro ainda persiste
Show full summary Hide full summary

Similar

Simulado de Antropologia e Cultura Brasileira II
Bárbara Bezerra
Contextualização da disciplina Antropologia e cultura brasileira
Sanielle Oliveira
Contextualização da disciplina Antropologia e cultura brasileira - ENGENHARIA
Thaisa Accioly de Souza
Tema: Cultura
Cezar Augusto
1ª Frequência Introdução à Antropologia Cultural
Jéssica Pinheiro
Contextualização da disciplina Antropologia e cultura brasileira - SAÚDE
Thaisa Accioly de Souza
Simulado- Antropologia e Cultura Brasileira
Bárbara Bezerra
Contextualização da disciplina Antropologia e cultura brasileira - GESTÃO e NEGÓCIOS
Thaisa Accioly de Souza
Antropologia
robybastos
MAPA MENTAL PLÁGIO
Sinara Cruz
Fotografia e Cegueira
Sarah Almeida0996