Rotura prematura das membranas

bobwinner
Mind Map by , created almost 6 years ago

Ginecologia e Obstetrícia Mind Map on Rotura prematura das membranas, created by bobwinner on 11/24/2013.

121
3
0
Tags
bobwinner
Created by bobwinner almost 6 years ago
Amenorréia
bobwinner
Infertilidade
bobwinner
PACIENTE COM QUEIXA DE CORRIMENTO VAGINAL
bobwinner
Resistant Materials- 1.1 Material properties
fampulli
Hamlet - Character Analysis
Jess Watts
Síndrome dos Ovários Policísticos
bobwinner
Ciclo menstrual
bobwinner
ENFERMAGEM OBSTÉTRICA E NEONATOLOGIA
Jéssica Maynara
Candidíase Vulvovaginal
bobwinner
Trabalho de parto prematuro
bobwinner
Rotura prematura das membranas
1 Incidência
1.1 Média de 10 % das gestações
1.2 Causa 1/3 dos partos pré-termos
2 Fisiopatologia
2.1 Metaloproteinases aumentadas
2.2 Corioamnionite
2.2.1 Organismo responde produzindo corticóide
2.2.1.1 Estimula prostaglandinas no âmnion
2.2.2 Resposta inflamatória
2.2.2.1 Aumentam citocinas
2.2.2.2 Aumentam prostaglandinas
2.2.2.3 Aumenta MP
2.2.2.4 Diminuem síntese e aumentam degradação de colágeno
2.2.2.5 Irritam o útero
2.2.3 É uma causa mas também consequência
2.2.4 Causa baixo apgar e peso por que a inflamação comprime os vasos
2.2.5 Trata com amplo espectro + aminoglicosídeo + anaerobicida
2.3 Apoptose das células da membrana
2.4 Alargamento e disjunção da trama de colágeno
3 Diagnóstico
3.1 Clínico
3.1.1 Anamnese
3.1.1.1 Perda de Líquido
3.1.1.1.1 Grande quantidade (molha roupa)
3.1.1.1.2 Indolor
3.1.1.1.3 Claro ou amarelado
3.1.1.1.4 Odor seminal, hipoclorito de sódio ou água sanitária
3.1.1.1.5 Pode conter sangue ou mecônio ou parecer purulento
3.1.2 Exame Físico
3.1.2.1 Diferenciar a perda de líquido
3.1.2.1.1 Incontinência
3.1.2.1.2 Sêmen
3.1.2.1.3 Duchas
3.1.2.1.4 Muco cervical
3.1.2.1.5 Cérvico colpite
3.1.2.1.6 Corrimento vaginal
3.1.2.1.7 Sudorese
3.1.2.2 Manobra de Valsava ou leve pressão no fundo do útero ( manobra de Tarnier)
3.1.2.3 Evitar toque para evitar infecção
3.1.2.4 Dinâmica uterina
3.2 Laboratorial
3.2.1 Teste da cristalização
3.2.1.1 Cristalização em folha de samabaia
3.2.2 PH vaginal
3.2.2.1 Ph maior ou igual a 6
3.2.2.1.1 Ph vaginal é 3,8 a 4,5
3.2.2.1.2 Ph do líquido amniótico 7,1 a 7,6
3.2.2.2 Não é específico: sangue, trichomonas e vaginose
3.2.2.3 Papel de nitrazina
3.2.3 Alfa fetoproteína e fibronectina
3.2.3.1 Alto custo
3.2.4 Indigo Carmim
3.2.4.1 Tingimento de forro ou tampão uterino
3.2.5 Ultrassonografia
3.2.5.1 ILA
3.2.5.1.1 Idade Gestacional
3.2.6 Azul de Nilo
3.2.6.1 Aparecimento de células alaranjadas orangiófilas
4 Complicações
4.1 Para o feto
4.1.1 Sindrome da Angústia respiratória
4.1.2 Enterocolite necrosante
4.1.3 Hemorragia intraventricular
4.1.4 Infecção
4.1.4.1 Pode levar a sepse neonatal
4.1.4.1.1 Principal responsável GBS - Estreptococos beta hemolítico
4.1.4.1.1.1 Triagem
4.1.4.1.1.1.1 Gestantes com mais de 35 semanas ou fator de risco
4.1.4.1.1.1.1.1 TP prematuro
4.1.4.1.1.1.1.2 Febre no parto
4.1.4.1.1.1.1.3 Amniorrexe há mais de 18h
4.1.4.1.1.1.1.4 Bacteriúria
4.1.4.1.1.1.1.5 Caso anterior
4.1.4.1.1.1.2 Cultura vaginal e retal
4.1.4.1.1.2 Prevenção
4.1.4.1.1.2.1 Imunização
4.1.4.1.1.2.2 Antibioticoprofilaxia com penicilina G
4.1.4.1.1.2.3 antisepsia do canal de parto
4.1.5 Prolapso e compressão do cordão
4.1.6 Oligodramnio
4.1.6.1 Inferior a 300 a 400 mL
4.1.6.1.1 Hipolopasia pulmonar
4.1.6.1.2 Deformações fetais
4.1.6.1.2.1 Sindrome de Potter
4.1.6.1.3 Infecção ( perda do mecanismo bacteriostático
4.1.7 Descoamento prematuro da placenta
4.1.8 Prematuridade
4.1.8.1 Principal causa de mortalidade neonatal
4.1.8.2 Abaixo de 34 semanas mais grave
4.2 Para a mãe
4.2.1 Parto em 48h - 50% ou 7 dias
4.2.2 Infecção
4.2.2.1 Endometrite
4.2.2.2 Sepse
5 Conduta
5.1 Interrupção da gravidez
5.1.1 Infecção
5.1.1.1 Sinais
5.1.1.1.1 Hipertermia 37,8 e pelo menos mais dois sinais
5.1.1.1.1.1 utero doloroso
5.1.1.1.1.2 odor vaginal desagradável
5.1.1.1.1.3 taquicardia materna: maior q 100bpm
5.1.1.1.1.4 taquicardia fetal: maior que 160bpm
5.1.1.1.1.5 Leucocitose maior que 15.000 cl/ml
5.1.2 Sofrimento fetal
5.1.3 IG maior ou igual a 34 semanas
5.1.4 Parto espontâneo
5.2 Gestação de 24 a 33: 6dias
5.2.1 Tocolítico
5.2.2 Corticoterapia
5.2.2.1 Dexametasona 6mg IM de 12 em 12h por 2 dias (4 doses).
5.2.2.1.1 Betametasona, 12 mg intra-muscular de 24/24h, 2 doses
5.2.2.2 Indicações: IG ≥ 24 e ≤ 34 semanas
5.2.3 Antibioticoterapia
5.2.3.1 Antibiótico derivado da penicilina + macrolídeo por 7 dias
5.2.3.1.1 AMPICILINA 2g IV a cada 6 horas por 48 horas seguida por 5 dias de AMOXICILINA 500 mg a cada 8h
5.2.3.1.1.1 Adicionalmente usa-se AZITROMICINA 1g em dose única oral
5.2.4 Repouso relativo
5.2.5 Avaliar
5.2.5.1 Bem estar fetal
5.2.5.2 Corioamnionite
5.2.5.3 Crescimento fetal
5.2.5.4 Trabalho de parto
5.2.5.5 DPP
5.3 Menos de 24 semanas de gestação
5.3.1 Evitar coito vaginal
5.3.2 Hidtratação
5.3.3 Antibioticoprofilaxia
5.3.4 Sem tocólise e corticoterapia
6 Fatores de Risco
6.1 Pré-natal inadequado
6.2 Tabagismo
6.3 Gemelaridade
6.4 Macrossomia
6.5 Vaginose bacteriana
6.6 Polidramnio
6.7 Desnutrição
6.8 amniocentese e cordocentese
6.9 cerclagem
6.10 Insuficiência istmo-cervical
6.11 sangramento vaginal na gestação

Media attachments